Como testamos

Fornos pirolíticos: como testamos

26 novembro 2018
Como testamos fornos encastráveis

26 novembro 2018
Bolos, merengues, assados… venha o que vier, os fornos pirolíticos são grandes cozinheiros. O melhor de tudo? Limpam-se sozinhos.

Pela primeira vez, incluímos no nosso teste a fornos apenas modelos pirolíticos. E, após uma série de cozinhados e preparações, os resultados foram francamente bons.

Começámos por escolher bolos pequenos, como queques, para investigar a distribuição do calor. O tom dourado homogéneo, bem patente no final da cozedura, atesta a eficácia dos modelos em teste.

 

fornos piroliticos

 

Por sua vez, o pão-de-ló é a receita certa para averiguar a capacidade de fornecer calor. Esperávamos que o bolo ficasse tão cozido por fora como por dentro, mas leve e não muito seco. Os fornos não desiludiram: também aqui os resultados foram bons.

 

fornos piroliticos 

 

Já as tostas avaliam a área efetiva do grill e a uniformidade do calor. Poucos fornos deixaram douradas por igual tanto as tostas no centro como nas zonas laterais do tabuleiro.

 

fornos piroliticos 

 

Apenas alguns equipamentos se mostraram exemplares a preparar merengues, que exigem uma temperatura média a baixa. Os restantes não obtiveram a nota máxima, mas andaram lá perto. Algumas crostas ficaram crocantes, mas mais amareladas do que brancas e com o interior demasiado pegajoso.

 

fornos piroliticos 

 

Contudo, o forte destes fornos é mesmo a capacidade de assar frango. O resultado é absolutamente irrepreensível: o frango fica tostado por fora e bem cozido por dentro.

 

fornos piroliticos 

 

Menos positivo é o consumo medido, tanto nas funções de preaquecimento, como a cozinhar ou ainda a cada limpeza pirolítica. Em alguns modelos, os gastos em stand-by são muito elevados. Ainda assim, o consumo total mantém-se em níveis aceitáveis na maioria dos casos.

A utilização destes equipamentos é coisa simples, graças à clareza das instruções, mas também à programação intuitiva, auxiliada por sinais visuais e acústicos. A segurança, elétrica ou térmica, está igualmente garantida. Quem o diz são os resultados do nosso teste em laboratório.