Primeiras impressões

Taurus Striker Mini: aspirador robot e mopa muito limitado

29 maio 2012 Arquivado

Arquivado

Não substitui o aspirador clássico, aspira mal o pó junto às paredes, rodapés e cantos, em pavimentos duro ou tapetes. Só ajuda a aspirar migalhas e papelinhos.

Robot pouco inteligente

O Taurus Striker Mini obteve excelentes resultados na prova junto às escadas: o robot deteta a borda do degrau e não cai. Ao detetar cabos elétricos, não lhes passa por cima, o que pode ser uma desvantagem. O teste com os copos permitiu descobrir se o robot passa pelo meio, sem os derrubar. Na verdade, apenas os empurra.

 

O robot deteta os copos, mas empurra-os, em vez de contorná-los.
O robot deteta os copos, mas empurra-os, em vez de contorná-los.

Como anunciado pelo fabricante, o tempo de carregamento da bateria exigido é de 4 horas, segundo as nossas medições. Mas o Taurus Striker Mini tem uma autonomia reduzida: entre 1 hora e 15 minutos, em pavimentos duros, e quase 1 hora, em tapetes. Consome 0,6 Wh em stand-by. Tal equivale ao consumo de alguns fornos, o que revela que há margem para reduzir.