Notícias

Aspiradores robô: pequena revolução a partir de 300 euros

26 dezembro 2016 Arquivado
aspirador robô

26 dezembro 2016 Arquivado
Se está disposto a pagar bem para se livrar do cansaço de aspirar, os aspiradores robô podem ser a solução. 
Percorrem as divisões da casa e aspiram sem parar ou, melhor, com algumas pausas pelo meio, para recarregar baterias. Se não tiver tapetes, o chão da casa até fica à prova de algodão branco. Há modelos muito bons para lhe tirar o peso de uma ou duas horas a aspirar o seu pequeno ou grande palácio. De vez em quando — talvez mais vezes do que desejaria — tem de ligar estes aparelhos às dock stations para recarregarem energias. Para tirar as dúvidas e comparar, consulte os preços e os resultados no nosso teste a aspiradores robô.

Pouco fôlego para fendas e cotão

Apesar de, por definição, os aspiradores robô serem práticos, porque fazem o trabalho sozinhos, ainda não são uma opção sem limitações. Alguns permitem programar a hora da limpeza e as divisões que devem ser aspiradas primeiro. Pode dedicar-se a outras tarefas enquanto estes “zingarelhos” trabalham, mas conte com algumas falhas básicas. Nenhum consegue equiparar-se a um bom aspirador tradicional, por exemplo, a aspirar fendas e cotão de tapetes. Se, mesmo assim, estiver disposto a apostar neste tipo de aparelho terá de gastar, pelo menos, 322 euros. Não é para todas as bolsas. Porém, por vezes, a autonomia é de pouco mais de meia hora, com um tempo de recarga lento. Se quer a casa rapidamente limpa, opte antes pelos aspiradores tradicionais. O consumo de energia em stand-by dos aspiradores robô é muito elevado. É outro dos pontos críticos a merecer a atenção dos fabricantes.

Se receia que estes aspiradores caiam pelas escadas, não se preocupe. Todos os modelos passaram neste teste, ou seja, detetam desníveis. Porém, alguns não têm o desempenho esperado a identificar obstáculos, uma vez que ficam presos ou bloqueados.

Imprimir Enviar por e-mail