Notícias

Aspiradores: ajudamos a tratar a nova etiqueta energética por tu

02 setembro 2014 Arquivado
Aspiradores

02 setembro 2014 Arquivado

Desde setembro, os aspiradores têm de exibir uma etiqueta energética e os fabricantes já não podem produzir modelos com mais de 1600 Watts de potência. A etiqueta promete iniciar uma revolução. Mas há muitos pontos a melhorar.

Os aspiradores têm agora de garantir desempenhos mínimos para a eficácia, ruído e consumo. Um bom desempenho depende sobretudo de um bom design, de uma elevada capacidade de sucção e de uma boa qualidade de construção. Por exemplo, quanto menos perda de potência existir nas junções entre tubos ou entre o tudo e a escova, melhor será a eficácia. Uma potência elevada não garante a excelência, mas uma fatura de eletricidade mais pesada.

Veja o nosso teste em laboratório

Entrou em vigor uma nova diretiva europeia que já não permite o fabrico de aspiradores com mais de 1600 Watts. Porém, os produtos (sem a etiqueta) que já estavam nas lojas antes de setembro de 2014 poderão ser vendidos. Em 2017, o limite será reduzido para 900 Watts. Se precisa de um bom aspirador, consulte os resultados do nosso teste. Clássicos, com ou sem saco e verticais: revelamos os melhores aspiradores ao preço mais baixo.

A etiqueta revela a eficiência energética numa escala de A a G. O consumo anual não pode ultrapassar os 62 kWh por ano. É calculado com base num cenário de 50 operações de limpeza por ano numa superfície de 87 metros quadrados.

O objetivo desta revolução é levar à extinção dos aspiradores com uma potência elevada e obrigar os fabricantes a conceber produtos mais eficazes ao nível energético. Mas as novas regras apenas se aplicam aos aspiradores clássicos e aos modelos verticais com cabo elétrico. Os modelos a bateria, como os robôs, e a água ficam fora desta regulamentação. Estão também excluídos os aspiradores de exterior e os centrais, bem como as polidoras de pavimentos.

Diretiva europeia muito flexível
A nossa experiência comprova que a classe energética pode dar-nos uma primeira impressão sobre a eficiência do produto. Mas a história não acaba aqui. Será que já podemos escolher apenas com base na nova etiqueta? Serão as marcas testadas nas mesmas condições? E estas são as mais realistas? Com tantas dúvidas no ar, vamos acompanhar esta matéria.

Por exemplo, uma alteração recente à norma permite que os ensaios em pavimentos duros possam ser feitos em fendas de metal. Mas, à partida, ninguém tem fendas metálicas em casa. Aspirar em fendas de madeira aumentaria o nível de exigência da prova para os aspiradores. Como se não bastasse a diretiva europeia ser demasiado flexível, as classificações ficam nas mãos do fabricante. Prometemos controlar a implementação da etiqueta e as mudanças aplicadas pelos fabricantes. Enquanto estes pontos não são clarificados e a etiqueta tarda a chegar às lojas, prepare a lista de compras com as nossas recomendações.


Imprimir Enviar por e-mail