Notícias

Mantenha a casa fresca de forma natural ou com equipamentos

04 junho 2020
mulher a abrir a janela para refrescar a casa

Um aparelho de ar condicionado VRF ("Variable Refrigerant Flow") funciona com gás frigorífico, o que permite atingir uma maior gama de potência mínima e máxima.

Ar condicionado VRF

No caso dos aparelhos VRF ("Variable Refrigerant Flow" - Fluxo de Refrigerante Variável), a construção da unidade exterior muda em relação aos mono e multi-split, passando a utilizar volume e fluxo variável de gás frigorífico. Esta capacidade permite que as máquinas exteriores funcionem numa gama mais alargada e ampla de potência.

Os aparelhos VRF têm uma filosofia muito próxima da dos multi-split, com uma unidade exterior a alimentar várias unidades interiores. Da mesma forma, permitem outra vantagem importante: da unidade exterior apenas saem dois tubos de cobre (mais um condutor elétrico), que depois irão, através da eventual utilização de repartidores de gás frigorífico, conectar-se a cada uma das máquinas interiores. Ou seja, consoante a necessidade de potência imposta pelas unidades interiores, a unidade exterior irá modelar a quantidade e fluxo de gás frigorífico a circular, de modo a satisfazer essas necessidades.

Regra geral, estes aparelhos costumam apresentar sistemas de controlo mais complexos e poderosos para que o ajuste de funcionamento da unidade exterior em relação a vários fatores (potência solicitada, condições ambientais ou carga do sistema) seja efetuado da forma mais eficiente possível.

A grande vantagem da solução VRF é a instalação de menos máquinas exteriores em comparação com a solução mono-split e menos linhas de cobre entre a unidade exterior VRF e as interiores. Para uma mesma instalação, é capaz de oferecer maiores distâncias de operação, quer horizontal, quer vertical, entre a unidade exterior VRF e as interiores e permite cobrir maiores gradientes de potência.

A maioria das soluções VRF apresenta a mesma limitação que as multi-split ao nível da operação das unidades interiores: ou todas aquecem ou todas arrefecem, mesmo que exista a possibilidade de regular cada uma das unidades interiores de forma independente.

Porém, já existem no mercado unidades VRF que apresentam a possibilidade de ter as unidades interiores em diferentes ciclos de funcionamento (aquecimento e arrefecimento). Por norma, considera-se a solução VRF quando, de um ponto de vista técnico, os requisitos da instalação ficam já fora dos limites de funcionamento das unidades multi-split.

 

O projeto recebeu financiamento através do programa de investigação e desenvolvimento “Horizon 2020”, sob o contrato de subvenção nº749402. Nem a EASME nem a Comissão Europeia são responsáveis pela informação veiculada nem pela utilização das informações contidas na mesma.