Notícias

Preparar a reforma em 4 planos

24 fevereiro 2017 Arquivado
poupar para a reforma

24 fevereiro 2017 Arquivado
Apostar no mesmo produto de poupança para a reforma durante toda a vida é uma estratégia errada. Mostramos o plano certo para cada fase. E quanto mais cedo começar a poupar, melhor. 

Início

Tem 40 anos. Se um especialista em poupança lhe disser que, começando agora a pôr de lado 50 euros por mês, pode chegar perto da idade da reforma, daqui a 25 anos, com um bonito aforro de 229 mil euros, isso pode mesmo acontecer. Se escolher o produto financeiro adequado, se a rentabilidade da poupança que subscrever se mantiver e se, de facto, poupar.

O segredo é definir quanto pode amealhar por mês e não aplicar o dinheiro no primeiro depósito a prazo que encontrar à frente.

Definimos quatro perfis etários, damos os conselhos de investimento essenciais para cada uma dessas fases e apresentamos as nossas Escolhas Acertadas. Saiba quais são no menu.

Não consigo poupar

“Não pense no que sobra em cada mês, pois isso pode inviabilizar a poupança; encare este aforro como um encargo consigo próprio, para o seu futuro”, apela António Ribeiro, economista da PROTESTE INVESTE. Por outras palavras, ponha algum de lado assim que receber o seu salário e faça de conta de que não existe. Invista, mas “escolha bem o produto, faz toda a diferença”, afirma o especialista.

Há, no entanto, uma recomendação essencial a fazer: “Estamos a assumir que nos próximos 35 anos o produto vai render o mesmo que nos últimos anos, o que é irreal. Os rendimentos do passado não são garantia de rendimento futuro.” Até porque “dependem de muitos fatores, como a evolução dos mercados bolsistas, obrigacionistas e das taxas de juro”. Ainda assim, “podem dar-nos uma indicação da estratégia a seguir para multiplicar as poupanças”.

Quatro etapas, quatro estratégias

A poupança para a reforma deve ser vista como algo que se molda ao longo do tempo. “Pensar num único produto onde aplicar o dinheiro durante toda a vida é uma estratégia errada”, aponta António Ribeiro. Começando cedo – e quanto mais cedo, melhor –, há margem para optar por produtos mais arriscados. À medida que os 60 vão chegando, risco é palavra para riscar do dicionário dos investimentos. Pelo meio, há a virtude da moderação. Conheças as nossas Escolhas Acertadas por fase etária no menu.


Imprimir Enviar por e-mail