Dicas

Reforma com investimentos adaptados

23 novembro 2011 Arquivado

23 novembro 2011 Arquivado

Os Certificados do Tesouro e os fundos mistos são os destinos recomendados a quem prepara o pé-de-meia para a reforma. Se tem um PPR pouco rentável, transfira o montante para outro PPR.

Os Certificados do Tesouro e os fundos mistos oferecem as melhores perspetivas. Os primeiros são mais adequados para quem tem mais de 50 anos e/ou privilegia a segurança do investimento. Em caso de necessidade, pode levantar o dinheiro 6 meses após a aplicação, mas se o fizer fora da data de aniversário, perde os juros desse ano.

Até aos 50 anos, pode arriscar um pouco mais e apostar em fundos mistos com os conselhos da PROTESTE INVESTE. Estes não garantem o capital, mas oferecem maior potencial de rendimento a longo prazo do que os Certificados do Tesouro. Os valores de subscrição são variados: alguns permitem investir a partir de 250 euros.

Se tiver 10 mil euros ou mais para aplicar e tempo para seguir os investimentos, pode construir a sua carteira de fundos, seguindo os conselhos da PROTESTE INVESTE.

Os planos de poupança-reforma (PPR), solução interessante até ao ano passado, perderam grande parte dos benefícios fiscais, o seu principal atrativo. Por isso, entram em competição direta com outras aplicações financeiras e saem derrotados: a sua rentabilidade não se destaca, apresentam mais custos e menos liquidez. Quem os subscreveu está preso ao investimento, uma vez que só pode movimentar em condições específicas, como desemprego há mais de um ano, doença grave ou a partir dos 60 anos.

Se for este o seu caso e reforça periodicamente o PPR, cancele as entregas e canalize-as para produtos mais rentáveis. Quanto ao capital investido, não tem interesse em resgatá-lo fora das condições previstas na lei: além de ser obrigado a restituir os benefícios fiscais, teria de pagar 1% de penalização sobre o rendimento. Porém, pode transferi-lo para um PPR mais rentável. Compare o rendimento da sua aplicação nos últimos anos com o de outras, contabilize as comissões e verifique se é vantajoso mudar. A transferência de fundos PPR sem capital garantido não tem custos para o investidor. Já os produtos de capital garantido podem pagar até 0,5% pela mudança.

Se subscreveu um PPR como contrapartida de uma redução no spread do crédito à habitação, o mais provável é ser obrigado a manter as condições negociadas. Verifique o contrato e pergunte no banco se há alternativa.


Imprimir Enviar por e-mail