Dicas

Preparar a reforma para viver em harmonia

A reforma pode durar tanto como a carreira profissional. Ter um plano para esta fase ajuda a vivê-la em pleno, a manter a sanidade mental e a melhorar os níveis de felicidade.

03 abril 2018
reforma

iStock

De acordo com a Associação Americana de Psicologia, a reforma impõe mudanças nem sempre fáceis de gerir. Primeiro, há uma espécie de alteração da identidade, em que a pessoa muda a forma como se vê ou define a si própria e a ligação com (ex-) colegas de trabalho, com a comunidade e com os familiares próximos. Em casa, o facto de as pessoas passarem mais tempo juntas pode exigir reajustes na forma de se relacionarem. A terceira alteração, talvez a mais “dolorosa”, é encontrar uma nova missão e objetivos de vida.

A preparação emocional é muito importante, porque a reforma não é um período de férias. O tempo livre vai sobrar e as atividades que davam prazer, quando realizadas em pequenas doses, podem tornar-se aborrecidas. Ao nível físico, mais cedo ou mais tarde, começam a surgir limitações, que é preciso saber aceitar.  Quando mais bem preparado estiver para enfrentar a nova vida, maiores serão os proveitos. Deixamos algumas dicas.

Finanças em ordem

Como diz o povo, “o dinheiro não dá felicidade, mas ajuda muito”. Por isso, convém constituir um pé-de-meia que permita fazer face às despesas. Terá interesse em começar a poupar para a reforma, pelo menos, por volta dos 40 anos e, mais afincadamente, quando estiver a cerca de 15 anos de abandonar a vida profissional. Consulte as melhores soluções em cada momento.

Rede de suporte

As relações sociais são fundamentais para combater o isolamento e a perda de capacidades mentais. Manter os amigos e criar novas ligações são boas estratégias para conservar a vida social ativa.

Ocupar o tempo

Além de eventuais atividades remuneradas, como dar explicações e fazer trabalhos de jardinagem ou babysitting, pode pensar em práticas que lhe deem prazer. Algumas câmaras municipais e juntas de freguesia têm programas para os mais velhos, há a universidade sénior, eventuais cursos de formação e trabalhos de voluntariado, entre outros.

Fixar objetivos

Pode ser útil estabelecer uma missão para a sua vida e fixar objetivos. Ajudar a comunidade, enriquecer-se do ponto de vista cultural ou construir uma quinta, por exemplo, são bons motivos para se levantar todos os dias. 

Saúde em forma

O declínio de algumas capacidades físicas e mentais é natural. Aceitar o fenómeno é meio caminho para viver em equilíbrio. Seguir uma alimentação saudável, controlar o peso, praticar exercício físico e exercitar a mente, por exemplo, com leitura, jogos e conversas, permitem retardar a perda de faculdades associada à idade.