Dicas

Contas poupança-reformado com benefício fiscal

20 abril 2009 Arquivado

20 abril 2009 Arquivado

São um bom investimento a partir de 6 meses, oferecem pouco risco e rendimento garantido. Além disso, estão isentas de imposto até 10 500 euros.

Risco reduzido
Estas contas destinam-se a reformados cuja pensão mensal por velhice ou invalidez não exceda, no momento da constituição, três salários mínimos (€ 1350 em 2009).
Trata-se de uma aplicação de risco reduzido, com remuneração semelhante à dos certificados de aforro ou outros depósitos a prazo e saldos isentos de imposto sobre os juros até 10 500 euros. Acima deste valor, paga a habitual taxa de 20% sobre os juros.
Até ao final de 2011, estão garantidos os saldos até € 100 000, por titular e por banco. Ou seja, em caso de problemas na instituição, o fundo de garantia de depósitos reembolsa o titular.
Abrir uma conta
Para abrir uma conta poupança-reformado, apresente uma declaração em como não é primeiro titular de outra com estas características. Caso contrário, a conta é cancelada e tem de devolver os benefícios fiscais usufruídos. Pode, contudo, ser segundo titular de outras contas. Descreva também a natureza da sua reforma, entidade pagadora e valor da pensão.
Na maioria dos bancos, pode abrir uma conta a seis meses ou um ano. Regra geral, quanto mais durar o investimento, maior a rentabilidade.
Evite levantar uma parte do dinheiro ou fechar a conta antes do prazo contratado, para não perder juros. Poucos são os bancos que não cobram penalizações, neste caso.
Se o titular falecer, o benefício fiscal reverte para os herdeiros.
A actual descida das taxas de juro terá repercussões nos depósitos a prazo e nestas contas. As taxas variáveis indexadas reagem no mês seguinte. Já as fixas, aplicadas pela quase totalidade dos bancos, podem demorar mais. Assim, é de esperar que a remuneração dessas contas ainda desça.
Garantir um crédito
Salvo raras excepções, os bancos aceitam o valor depositado numa conta poupança-reformado como garantia de um empréstimo. Alguns bancos emprestam até uma percentagem do saldo, definida caso a caso. Como não pode movimentar a aplicação enquanto durar o empréstimo, certifique-se de que não precisa dos montantes depositados a médio prazo.