Notícias

Obrigações Benfica SAD 4,75% 2015-2018 rendem 3,45% líquidos

08 julho 2015 Arquivado

08 julho 2015 Arquivado

A SAD do SL Benfica está a emitir obrigações que pagam 4,75% brutos durante 3 anos. Valem a pena?

A Benfica SAD está a lançar uma nova emissão de obrigações de taxa fixa a 3 anos, procurando obter um encaixe de 45 milhões de euros, para financiar a sua atividade corrente. Este valor pode ainda ser aumentado, por opção do emitente.

Risco e rendimento
Os títulos em emissão da SAD “encarnada” oferecem uma taxa de rendimento líquida (após impostos) de 3,45% (Taxa Anual Efetiva Líquida). É inevitável comparar esta emissão com os títulos de características semelhantes lançados pelas SAD do Sporting e FC Porto, que pagavam respetivamente 4,55% e 3,63%. Será que as contas da Benfica SAD estão numa posição comparativamente melhor, que justifique o menor prémio pago?

Embora no último exercício (fecho a 30 de junho de 2014) o resultado líquido tenha saído “do vermelho”, não podemos fazer essa afirmação. Tal como o Sporting, os resultados operacionais, antes das vendas de jogadores, estão mais próximos do equilíbrio que os do FC Porto. E, tal como o FC Porto, o SL Benfica tem conseguido maiores vendas de jogadores que o Sporting CP.

Mas, em contrapartida, a Benfica SAD tem uma dívida financeira mais de duas vezes superior à dos seus rivais. E os últimos 3 exercícios fecharam com capitais próprios negativos (ainda que à data de 31 março tenha saído da falência técnica). Nenhum dos rácios que utilizamos para aferir a solidez financeira e a liquidez da empresa atinge os valores recomendáveis, e na maioria dos casos, estão mesmo muito abaixo.

Conselho: não invista
O conselho da PROTESTE INVESTE é semelhante às emissões da FC Porto SAD e Sporting CP SAD, pelos mesmos motivos. O equilíbrio financeiro estrutural é uma “miragem” para as SAD dos clubes de futebol, que continuam dependentes das receitas obtidas com as vendas de jogadores. Caso se conjuguem maus resultados desportivos com um aperto das condições de financiamento, a tesouraria fica sob pressão. Em resumo, o rendimento não compensa suficientemente o risco do investimento.

Consulte a análise completa no portal PROTESTE INVESTE.

Imprimir Enviar por e-mail