Notícias

$name

Até 2,9% no curto prazo: Depósitos e Certificados de Aforro
Se pretende investir por períodos curtos - até um ano - os depósitos a prazo são a melhor opção. As melhores taxas são oferecidas, quase sempre, pela banca online ou pelas pequenas instituições através de depósitos especiais ou promocionais (por exemplo, para novos clientes, novos montantes, exigem domiciliação de salário, não permitem mobilização).

Para dois anos, ou seja, até 2016, os Certificados de Aforro também podem ser uma boa opção. Isto porque o bónus de 2,75% que atualmente acresce à taxa base dos Certificados de Aforro vai-se manter até final de 2016. Após essa data, são retomadas as regras que existiam anteriormente, nomeadamente o prémio de permanência crescente durante dez anos.

Até 3,4% entre 3 a 5 anos: Certificados do Tesouro Poupança Mais
No Dia Mundial da Poupança, o Estado lançou uma nova opção de dívida pública: os Certificados do Tesouro Poupança Mais (CTPM), um produto que paga juros anuais a taxa crescente durante cinco anos (2,75%, 3,75%, 4,75% e 5% brutos no quarto e quinto anos).

Nos últimos dois anos, acresce ainda um bónus que corresponde a 80% da taxa de crescimento do PIB de Portugal, caso seja positiva. Assim, se mantiver até ao final, garante 3% líquidos, mas pode render 3,4%, se as atuais previsões do FMI para o PIB em 2017 e 2018 se confirmarem. Os CTPM são interessantes se investir entre três a cinco anos.

Até 4,5% no longo prazo: Obrigações do Tesouro
A forma mais rentável de aplicar as suas poupanças, com capital garantido, é através da dívida, mas de longo prazo. No entanto, o capital apenas está garantido se mantiver os títulos (as Obrigações do Tesouro) até à maturidade. Caso contrário, terá que as vender em bolsa e sujeita-se ao preço de mercado.

Os títulos com maturidades entre cinco e dez anos que se apresentam mais interessantes, com rendimento entre 4 e 4,5% líquido. Mas não aplique mais de 25% das suas poupanças em dívida pública, seja em OT ou em CTPM.

Consulte a análise completa no portal PROTESTE INVESTE.