Notícias

É seguro ter o dinheiro no Montepio?

20 março 2017
É seguro manter o dinheiro no Montepio?

20 março 2017
O buraco de 107 milhões de euros nas contas de 2015 de um dos acionistas do Montepio, a Associação Mutualista, está a preocupar os depositantes. Avaliamos o risco.
A DECO recebeu dezenas de contactos de associados preocupados com a segurança dos seus depósitos no Montepio. Segundo a KPMG, um dos auditores do banco, a Associação Mutualista encontra-se em falência técnica e precisa de uma injeção de capitais.

Os produtos vendidos pelo Montepio não estão todos sujeitos aos mesmos tipos e níveis de risco.

Cuidado com os planos mutualistas

Há que distinguir os produtos do banco (Caixa Económica Montepio Geral) dos da Associação Mutualista. Os depósitos do banco estão ao abrigo do Fundo de Garantia de Depósitos até 100 mil euros, por titular. Neste caso, não há razão para alarme.

Em relação aos fundos de investimento, geridos pelo banco, o património é autónomo, pelo que também não há razão para preocupações. Quanto aos planos mutualistas, que são vendidos aos balcões do banco como alternativa aos depósitos e emitidos pela Associação Mutualista, é preciso ter cuidado, pois são abrangidos por regras diferentes dos depósitos. Há muito tempo que alertámos para os perigos dos produtos da Associação Mutualista vendidos pelo Montepio. Além de o rendimento ser desinteressante, os planos mutualistas estão repletos de cláusulas complexas e podem ser confundidos com depósitos.

 Além disso, a atividade do banco não está imune à atividade do acionista Associação Mutualista, pelo que pode ser potencialmente perigoso. O BES foi um exemplo desta situação.

Supervisão insuficiente

A supervisão destes produtos mutualistas é da competência do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social. É, no mínimo, estranho a supervisão de um produto financeiro ser entregue ao Ministério do Trabalho. Há anos que a PROTESTE INVESTE alerta para a supervisão claramente insuficiente dos planos mutualistas. Esta deveria ser feita por uma entidade autónoma, competente e independente do Governo.

Temos transmitido as nossas preocupações à Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões, ao Governo e aos grupos parlamentares.

Consulte a análise completa no portal financeiro da PROTESTE INVESTE.

 


Imprimir Enviar por e-mail