Notícias

Como fazer crescer o subsídio de Natal

Rentabilize o décimo terceiro mês, no curto ou no longo prazo. Recomendamos os produtos com a melhor rentabilidade do mercado.

21 novembro 2017
subsidio natal

Thinkstock

Se já tem de lado o obrigatório “fundo de emergência”, ou seja, um montante equivalente a entre quatro e seis salários, por que não pôr o subsídio de Natal a render? A PROTESTE INVESTE dá-lhe sugestões de investimento para o curto, o médio ou o longo prazo, recomendando-lhe os produtos com a melhor rentabilidade do mercado.

Um depósito a prazo para aplicações até um ano 

Apesar do rendimento pouco expressivo, se o que pretende é apenas pôr de lado algum dinheiro, um depósito a prazo cumpre o objetivo. A conta Investe Choice Novos Depósitos, do Banco Invest, oferece-lhe a taxa mais atrativa do mercado - 1,3% -, podendo ser constituída por prazos de 3, 6 ou 12 meses. Como não há perspetivas de uma subida nas taxas de juro, recomendamos o prazo mais alargado, garantindo, deste modo, o rendimento por mais tempo. O montante mínimo de abertura é de 2000 euros, mas só se já tiver conta no banco. Caso contrário, ser-lhe-ão exigidos 5000 euros para a constituição deste depósito. Conheça outras opções na página da PROTESTE INVESTE.

Para o médio prazo subscreva um seguro de capitalização 

Um seguro de capitalização permite entregas regulares de pequeno montante, o que constitui uma vantagem face a outros produtos que não possibilitam reforços. A recomendação da PROTESTE INVESTE é o Generali + Poupança, que rendeu 3% brutos nos últimos três anos. Invista o valor de que dispõe através de uma entrega única, e nesse caso o mínimo é 1000 euros, ou subscreva o plano de entregas regulares, que exige um mínimo de 50 euros por mês.

Subscrever este produto implica pagar comissões pelo montante inicialmente entregue e, depois, por cada reforço. Se for associado DECO PROTESTE, fica isento de comissões, além de obter uma bonificação de 0,3% na entrega inicial mínima de 1000 euros. Os subscritores da PROTESTE INVESTE têm ainda a vantagem de poder resgatar o dinheiro após dois anos a custo zero

Invista num fundo de investimento para o futuro

Se não é totalmente avesso ao risco, considere constituir uma carteira de investimentos para um prazo de 10 anos. A parceria da PROTESTE INVESTE com a Optimize permite-lhe subscrever um fundo diversificado, assente nas três estratégias que recomendamos − defensiva, base ou agressiva. Nos últimos cinco anos, a remuneração das carteiras da Optimize Selecção situou-se nos 6,9%, 9,1% e 10% brutos.

Os subscritores da PROTESTE INVESTE recebem um prémio de fidelização anual de 0,6% sobre o valor mantido no fundo, e os associados da DECO, 0,2%. O montante mínimo de investimento é de 10 euros. A carteira de investimentos tem associada uma comissão anual de gestão e depósito de 1,15%, podendo refletir diferentes fatores de risco (perda de capital, risco de liquidez, risco cambial, entre outros).

Opte por um PPR para a reforma

Se acha que chegou a altura de começar a preparar a reforma, pondere aplicar o seu subsídio de Natal num PPR. As opções no mercado são inúmeras − umas sob a forma de seguro, na maioria com capital garantido, outras sob a forma de fundo, essencialmente sem capital garantido. Se tem até 56 anos, arrisque, e invista num PPR sob a forma de fundo e com uma certa componente de ações. O Alves Ribeiro PPR, que resulta de um protocolo da DECO PROTESTE com o Banco Invest, oferece-lhe condições vantajosas, começando pelo rendimento anual de 9,2% brutos dos últimos três anos.

A partir dos 56 anos, já com a reforma no horizonte, opte por um PPR sob a forma de seguro e com o capital garantido. Para este perfil de investimento, a PROTESTE INVESTE recomenda o Lusitânia Poupança Reforma PPR, que exige entregas mínimas mensais de 20 euros, e, nos últimos 3 anos, rendeu 4,2% brutos. Qualquer que seja a modalidade escolhida, este produto só pode ser resgatado na reforma, a partir dos 60 anos ou em condições excecionais previstas na lei (desemprego de longa duração, doença grave, amortização de crédito habitação, etc.).