Notícias

BES: responsabilidades e contas por acertar

14 março 2016
Os prejuízos do colapso do BES foram pagos pelos contribuintes. Os responsáveis continuam por apurar

14 março 2016

Mais de um ano e meio após a resolução do Banco Espírito Santo pelo Banco de Portugal, continuam por apurar as responsabilidades pelo seu colapso. A DECO instaurou então processos contra os intervenientes no caso BES, uma ação legal que ainda não teve desfecho.

Decorreu mais de ano e meio desde que o Banco de Portugal determinou a resolução do BES. Infelizmente ainda não foram apuradas as responsabilidades pela implosão daquele que então era o banco português com a maior e mais forte presença na bolsa. 

O processo que antecedeu a decisão do Banco de Portugal foi reprovável. Os pequenos acionistas, muitos clientes e os contribuintes foram lesados pela atuação ou pela inação dos intervenientes. 

A situação motivou-nos a instaurar processos contra estes intervenientes: supervisores, auditores do banco e administração do BES à época. Até hoje não houve desfecho da nossa ação legal. Será que a culpa vai morrer solteira?

Os resultados agora divulgados pelo Novo Banco são um lembrete. O prejuízo em 2015 superou os € 980 milhões, algo que dificilmente se pode atribuir apenas à má conjuntura económica.

Até que ponto a separação entre as atividades do BES foi bem efetuada na resolução? Será que o Novo Banco ficou com responsabilidades que deveriam ter permanecido, logo à partida, no banco mau?

Esta é uma situação preocupante, pois pode comportar mais encargos para o fundo de resolução, uma entidade que tem sido muito dependente dos contributos do Estado. Ou seja, mais uma vez, verifica-se o risco de a fatura vir a ser paga pelos contribuintes.

Consulte a análise completa ao caso BES no portal da PROTESTE INVESTE. Conheça ainda os conselhos financeiros sobre poupança e investimentos da nossa equipa de analistas.