Notícias

Finanças não explicam como vão devolver IUC de todos os carros importados

As Finanças ainda não esclareceram como vão devolver o IUC cobrado a mais a contribuintes que tenham tido um veículo importado e que já não esteja na sua posse.

  • Dossiê técnico
  • Ernesto Pinto
  • Texto
  • Ana Santos Gomes
16 janeiro 2020
  • Dossiê técnico
  • Ernesto Pinto
  • Texto
  • Ana Santos Gomes
IUC importados

iStock

Os contribuintes que tenham sido proprietários de veículos comprados em outros países da União Europeia ou do Espaço Económico Europeu e que já não tenham essas viaturas continuam sem saber como poderão receber o imposto único de circulação (IUC) que o Fisco lhes cobrou a mais ao longo dos últimos 12 anos e meio.

A nota de esclarecimento publicada pela Autoridade Tributária refere que os contribuintes devem comunicar a primeira data de matrícula dos seus veículos, no país de origem, quando forem chamados a pagar o IUC deste ano. Só assim o Fisco consegue atualizar o cadastro do veículo e confirmar os montantes a devolver ao proprietário. No entanto, a nota não explica como deve proceder quem já não tem o veículo e, logo, não tem IUC a pagar.

Em causa estão os veículos comprados no estrangeiro após 1 de julho de 2007 e cuja data original de matrícula era anterior. Na época, o Fisco ignorava a data da primeira matrícula no país de origem e tinha apenas em conta, para cálculo do IUC, a data de entrada em território português. Os veículos acabavam por ser taxados como se fossem carros novos.

O Tribunal de Justiça da União Europeia considerou ilegal a norma que ditava a fórmula de cálculo e ordenou a sua correção. Agora, há imposto a devolver, e com juros. Mas o Estado não explica, de forma clara, todos os procedimentos.

Finanças não esclarecem detalhes do reembolso

Perguntámos à Autoridade Tributária se a cada contribuinte bastava comunicar a data original de matrícula, para atualização de cadastro, ou se era preciso apresentar também um pedido formal de revisão oficiosa para acerto de contas. A Autoridade Tributária não quis responder.

Perguntámos também como deveriam proceder os contribuintes que já não fossem, atualmente, proprietários de uma viatura abrangida por este erro de cálculo, quer porque já a tivessem vendido, entregado para abate ou até porque o carro lhes tivesse sido roubado. A Autoridade Tributária não quis responder.

O único facto que a nota da Autoridade Tributária esclarece com clareza é que têm de ser os contribuintes a tomar a iniciativa de reclamar o seu dinheiro. E não concordamos com essa posição. Quem errou em todo este processo não foi o contribuinte. Não é justo que tenha de ser este a gastar tempo e dinheiro para reunir documentação que comprove a propriedade de um veículo em determinados anos e que tenha de se deslocar às Finanças para recuperar o montante cobrado a mais. O Instituto da Mobilidade e dos Transportes dispõe dessa informação e pode transmiti-la às Finanças.

A manterem-se as regras impostas pela Autoridade Tributária, dificilmente os contribuintes lesados conseguirão recuperar o imposto pago em excesso ao longo de mais de 12 anos. Os meios gratuitos que os contribuintes têm ao seu dispor para apresentar uma reclamação à Autoridade Tributária não permitem recuar a mais de quatro anos – são o caso da reclamação graciosa e do recurso hierárquico. Só um ato judicial pode obrigar, em definitivo, à restituição de todos os valores devidos, mas nem todos os lesados terão condições financeiras de avançar para tribunal.

Atualização do cadastro só quando pagar IUC

Os proprietários de veículos comprados em outros países da União Europeia poderão comunicar às Finanças a data da primeira matrícula do seu veículo, para que esta passe a constar do cadastro do veículo no sistema informático da Autoridade Tributária. Essa comunicação deverá acontecer na data de pagamento do imposto deste ano e o Fisco compromete-se a desenvolver uma funcionalidade específica para essa comunicação no portal das Finanças.

Como essa informação já está incluída, por defeito, nos cadastros dos veículos entrados em Portugal desde 1 de janeiro de 2018, só os veículos admitidos em território nacional antes dessa data é que precisam de ver o seu cadastro atualizado nas Finanças.

Faça login no site para continuar a ler o artigo e ver como pode pedir o reembolso.

Se ainda não tem conta no site, clique no botão abaixo para se registar e conhecer todas as vantagens.

Junte-se à maior organização de consumidores portuguesa

Num Mundo complexo e com informação por vezes contraditória, a DECO PROTESTE é o sítio certo para refletir e agir.

  • A nossa missão exige independência face aos poderes políticos e económicos. 
  • Testamos e analisamos uma grande variedade de produtos para garantir que a escolha dos consumidores se baseia em informação rigorosa. 
  • Tornamos o dia-a-dia dos consumidores mais fácil e seguro. Desde uma simples viagem de elevador ou um desconto que usamos todos os dias até decisões tão importantes como a compra de casa.
  • Lutamos por práticas de mercado mais justas. Muitas vezes, o País muda com o trabalho que fazemos junto das autoridades e das empresas. 
  • Queremos consumidores mais informados, participativos e exigentes, através da informação que publicamos ou de um contacto personalizado com o nosso serviço de apoio.

A independência da DECO PROTESTE é garantida pela sustentabilidade económica da sua atividade. Manter esta estrutura profissional a funcionar para levar até si um serviço de qualidade exige uma vasta equipa especializada.

Faça parte desta comunidade. Registe-se para conhecer todas as vantagens, sem compromisso. Subscreva em qualquer momento.

 

Junte-se a nós


 

 

O conteúdo deste artigo pode ser reproduzido para fins não-comerciais com o consentimento expresso da DECO PROTESTE, com indicação da fonte e ligação para esta página. Ver Termos e Condições.