Dicas

Trabalhar no estrangeiro: guia antes de partir

Vistos e outras burocracias

Se vai permanecer no Espaço Económico Europeu, que inclui, além dos 28 Estados-membros da União Europeia, a Noruega, a Islândia e o Liechtenstein, ou se for para a Suíça, não necessita de visto de trabalho ou de autorização de residência, devido ao princípio da livre circulação de trabalhadores. Contudo, poderá ter de fazer prova de residência, através de um registo, junto do município, da polícia ou de outro organismo público, para ter acesso aos serviços disponíveis para os residentes.

Nestes países, tem os mesmos direitos e deveres dos nacionais quanto a acesso ao trabalho e apoio dos serviços públicos de emprego. Pode ser possível, por exemplo, pedir apoio financeiro para encontrar ou criar o seu emprego.

A deslocação para outros países exige, em princípio, mais formalidades, nomeadamente a necessidade de passaporte e a obtenção prévia de vistos de trabalho e/ou residência. Estes vistos têm duração limitada, mas podem ser renovados e até convertidos, mais tarde, em autorizações permanentes.

Antes de partir, contacte a embaixada ou o consulado do país de destino para obter informação e os próprios vistos e as autorizações. Será mais fácil obtê-los se apresentar um contrato de trabalho já assinado ou uma proposta. O apoio da empresa que pretende contratá-lo também poderá ser útil. Sem visto de trabalho ou de residência, corre o risco de ser expulso e enviado de volta a Portugal.

Não se esqueça de confirmar que o passaporte está válido ou renová-lo, caso tenha expirado.

É importante saber se a profissão que pretende exercer está condicionada. O processo de reconhecimento profissional pode ser demorado e requerer documentação, bem como a realização de provas, cujos custos, por vezes, são elevados. Procure informação junto da sua ordem profissional ou de outro órgão representativo (associação, sindicato), se for o caso. As embaixadas e os consulados em Portugal também podem ajudar. Caso se trate de um país da União Europeia, pesquise na página da Comissão Europeia (informação apenas disponível em inglês, francês e alemão).