Dicas

Reconhecer e agir contra a discriminação no trabalho

A lei impede o tratamento desigual no local de trabalho. Conheça as principais regras e o que pode fazer para denunciar situações ilegais.

  • Dossiê técnico
  • Nuno Carvalho
  • Texto
  • Sofia Frazoa e Filipa Nunes
23 julho 2018
  • Dossiê técnico
  • Nuno Carvalho
  • Texto
  • Sofia Frazoa e Filipa Nunes
discriminacao trabalho

iStock

Todos os trabalhadores e candidatos a emprego devem ter tratamento igual por parte do empregador. O direito à igualdade de oportunidades e de tratamento inclui o acesso ao emprego, à formação e promoção profissional e às condições de trabalho.

Segundo a lei, não pode haver discriminação em função da ascendência, idade, género, raça, etnia, religião, orientação sexual, estado civil, situação familiar ou económica, instrução, origem ou condição social, património genético, língua, nacionalidade, território de origem, convicções políticas ou ideológicas, filiação sindical, deficiência, doença crónica ou capacidade de trabalho reduzida.

Direitos iguais para mulheres e homens

Qualquer tipo de discriminação está proibido no local de trabalho, seja direta ou indireta. 

discriminação direta quando um trabalhador tem um tratamento menos favorável do que um colega, numa situação comparável. Por exemplo, quando exerce a mesma função e recebe menos.

Trata-se de discriminação indireta quando alguém é colocado em desvantagem por um critério ou prática que até pode parecer neutro. Uma grande desproporção entre homens e mulheres numa empresa, por exemplo, pode indiciar discriminação em função do género.

A discriminação entre homens e mulheres verifica-se, por vezes, logo no recrutamento de trabalhadores. Os anúncios de oferta de emprego, apesar de não poderem fazer distinções ou determinar preferências com base no género, nem sempre respeitam a lei. Uma vez recrutados, todos os trabalhadores devem continuar a ser tratados de modo igual, com o mesmo direito de desenvolverem a sua carreira profissional.

Outro fator de discriminação entre homens e mulheres é a atitude dos empregadores em relação a mulheres em idade fértil ou com filhos pequenos. A lei proíbe que o estado civil e a situação familiar prejudiquem as mulheres. No entanto, muitos empregadores violam este princípio e fazem perguntas relacionadas com estes aspetos durante o processo de seleção.

A lei também proíbe discriminações baseadas no gozo de licenças, faltas e dispensas relativas à proteção na parentalidade. Um trabalhador que não tem filhos não deve ser favorecido por ser mais assíduo.

A lei estabelece que a entidade patronal deve afixar, num local adequado, a informação sobre os direitos e deveres do trabalhador em relação à igualdade e não discriminação.

Empresas obrigadas a manter registos de recrutamento

Para se poder fiscalizar um eventual caso de discriminação sexual nos processos de seleção, as empresas têm de manter, durante 5 anos, o registo do recrutamento feito.

No registo deve haver separação por sexos e referência a vários elementos, como convites feitos para preencher vagas em aberto, anúncios publicados com ofertas de emprego, número de candidaturas recebidas e de entrevistas de pré-seleção, assim como os resultados dos testes ou provas de admissão ou seleção.

Trabalho igual, salário igual

 Outro princípio importante é a igualdade salarial entre trabalhadores que tenham exatamente as mesmas funções e as desempenhem do mesmo modo.

Segundo a lei, para existir "trabalho igual" é necessário que estejam preenchidos três critérios: a quantidade do trabalho (que abrange a duração e a intensidade); a natureza do trabalho (relacionada com o grau de dificuldade ou com os riscos em causa); e a qualidade do trabalho (deve implicar exigência idêntica em conhecimentos, mérito e capacidade).

Mas há exceções em que a entidade patronal pode remunerar melhor um trabalhador quando as funções são idênticas. Para tal, tem de provar que o trabalhador é mais competente, empenhado ou assíduo (desde que estejam em causa faltas injustificadas de um colega). Outra exceção é a antiguidade do trabalhador, cuja dedicação pode ser premiada com outro nível salarial.

Reagir perante as desigualdades

O trabalhador pode denunciar situações em que considere ser vítima de discriminação:

  • caso se sinta discriminado pelo superior hierárquico imediato, denuncie o que se passa a quem esteja acima deste;

  • se, na estrutura da empresa, não houver ninguém acima de quem o discrimina, apresente queixa a alguma estrutura em que esteja representado (comissão de trabalhadores ou sindicato) ou a uma entidade fiscalizadora, como a Autoridade para as Condições do Trabalho ou a Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego. Também pode utilizar a mediação laboral, na qual será tentada uma conciliação entre as partes;

  • nos casos mais graves, pondere a hipótese de avançar com uma ação em tribunal contra o empregador. Terá de ser o trabalhador a apresentar argumentos que mostrem a diferença de tratamento. Quando se verifiquem indícios de distinções, tem de ser o empregador a provar que não são motivadas por discriminação.

Se a discriminação for provada, a entidade patronal pode ser condenada a indemnizar o trabalhador pelos danos sofridos ou a reparar a situação, por exemplo, passando a pagar-lhe o mesmo que paga aos colegas. Como a prática de discriminação é uma contraordenação grave, a empresa poderá ter de pagar coimas elevadas, que variam de acordo com o volume de negócios da empresa e a gravidade da situação.

 

Este artigo pode ser reproduzido para fins não-comerciais se for indicada a fonte e contiver uma ligação para esta página. Ver Termos e Condições.