Dicas

Como pesquisar trabalho na Internet

01 julho 2020
homem sentado numa mesa ao computador

O sucesso na procura de emprego requer foco, dedicação, preparação e planeamento. Saiba como usar sites, redes sociais e candidaturas espontâneas para encontrar trabalho.

O anúncio continua a ser um canal fundamental para estabelecer contactos e pesquisar oportunidades no mercado de trabalho, mas existem muitos outros canais. Os jornais nacionais e locais continuam a publicar anúncios, mas a eficácia já não é a de outros tempos. A Internet, com as suas múltiplas oportunidades sob a forma de portais de emprego e redes sociais dedicadas ao mercado de trabalho, é um vasto meio de pesquisa. Na rede, tudo é mais fácil, rápido e barato. Mas algumas ofertas não passam de fraudes. Redobre os cuidados. Como pretende arranjar emprego e não ficar com mais despesas, recuse pagar para trabalhar.

Adote uma atitude proativa e explore as oportunidades com energia e motivação. Aproveite a situação para valorizar as qualificações. Objetivo: voltar ao mercado de trabalho o mais rapidamente possível.

Os incentivos à criação do próprio emprego podem ser uma saída se deseja o sucesso com base no talento empreendedor. A rede de contactos é também uma fonte crucial de informação sobre o mercado que permite reajustar a estratégia de procura de emprego.

Dicas para começar a pesquisa de trabalho

Complete e atualize os campos do seu currículo virtual. Ganhará visibilidade nas páginas. Quando escrever, faça como se estivesse numa entrevista de trabalho. Partilhe os dados que podem ajudar. Comece por criar uma conta de correio apenas para pesquisar trabalho.

Em matéria de salário, pense antes de apresentar um número. As empresas podem não considerar quem exige muito e, se pedir pouco, aproveitar para propor um salário baixo logo à partida. Informe-se dos valores pagos no setor e para o posto concreto ao qual se candidata. Introduza o valor bruto anual em euros.

Nalgumas páginas, pode anexar cartas de recomendação ou certificados de línguas. Envie o que se relaciona com o tipo de trabalho ao qual se candidata. Esqueça a informação sem mais-valia.

Ao entrar numa oferta, terá de responder às questões sobre o nível de um idioma, o conhecimento da área ou a experiência. Servem de filtro para afastar candidatos. Não minta, nem se subvalorize.

Na Internet é fácil inscrever-se em 100 ofertas numa hora. As empresas que contratam os serviços destas páginas podem analisar o historial e saber quantas vezes se candidatou. Se descobrirem que se “ofereceu” para 3 postos diferentes dentro da mesma empresa, perde credibilidade.

Evite procurar emprego durante o horário de serviço, se ainda tem trabalho e o deseja manter. Use apenas o número e correio eletrónico pessoais.

Sites de pesquisa de emprego

As publicações online estão em rápido crescimento e a quantidade de páginas que publicam anúncios e permitem carregar o currículo também tem vindo a aumentar. Quase todas têm igualmente uma parte destinada aos conselhos para procurar emprego. A busca pode ser otimizada, mas alargar demasiado o leque de opções pode levar à dispersão. 

Tente ter o registo de todas as páginas em que se inscreveu, manter o currículo atualizado nessas plataformas e passar algum tempo todas as semanas a ler os anúncios publicados. Pode ser vantajoso inscrever-se, nas plataformas que o permitam, no serviço que o avisa por e-mail sempre que é publicado um anúncio com as características que lhe interessam. Deste modo, não corre o risco de perder uma oportunidade se estiver alguns dias sem visitar a página.

O funcionamento das páginas é idêntico: tem de registar-se (basta uma conta de e-mail) e preencher os dados do currículo para começar a pesquisar. Pode ver as propostas mais recentes ou pesquisar pelas palavras-chave e o nome da cidade. Pode ainda saber o tipo de contrato e horário (a tempo inteiro ou parcial).

Quanto mais tráfego online, mais movimento e maior eficácia. As empresas estão saturadas pelo grande número de ofertas e candidatos. Muitas especializaram-se por áreas. Por exemplo, as páginas de recrutamento focam os esforços na pesquisa de candidatos para vagas ou postos de quadros médios e superiores.

Na área das tecnologias e informática, um perfil muito específico domina as atenções em páginas como o IT Jobs e o TecnoEmprego.

Na área da comunicação, design e criatividade, as poucas ofertas à vista são sérias e especializadas. Comece a procura em Carga de Trabalhos ou Creativepool, por exemplo.

Eis alguns exemplos dos sítios que publicam anúncios online, de todos os setores do mercado, mais pesquisados em Portugal:

  • www.indeed.pt - sítio de pesquisa de oportunidades de emprego nacionais;
  • www.careerjet.pt – sítio de pesquisa de oportunidades de emprego nacionais e internacionais;
  • www.pt.jobrapido.com – sítio de pesquisa de oportunidades de emprego em todo o mundo;
  • www.empregosonline.pt – sítio de pesquisa de oportunidades de emprego nacionais, por categoria profissional e zona geográfica;
  • www.itjobs.pt – sítio de pesquisa de empregos no setor de tecnologias de informação;
  • www.expressoemprego.pt – sítio com o caderno de emprego do jornal Expresso, com pesquisa por categoria profissional e localidade;
  • www.net-empregos.com – maior sítio de empregos nacionais e internacionais, com pesquisa por categoria e zona geográfica;
  • www.emprego.pt (portal de emprego) – sítio de pesquisa de oportunidades nacionais e internacionais;
  • www.alertaemprego.pt – sítio de pesquisa de oportunidades nacionais e internacionais;
  • www.ofertas-emprego.com – sítio de pesquisa de oportunidades por áreas profissionais;
  • www.empregoxl.com – sítio de pesquisa de oportunidades por localização e categoria profissional;
  • www.emprego.sapo.pt – sítio de ofertas de emprego nacionais e internacionais, por categoria e distrito/local;
  • www.trabalhar.pt – sítio de pesquisa de oportunidades nacionais e internacionais;
  • www.jobtide.com – sítio de pesquisa de oportunidades nacionais, por região, e internacionais;
  • www.jooble.com.pt – sítio de pesquisa de oportunidades nacionais e internacionais;
  • www.bep.gov.pt – sítio de pesquisa de oportunidades de emprego na administração pública;
  • www.trabalharnauniaoeuropeia.eu/empregos – sítio dos concursos a decorrer para trabalhar nos organismos da União Europeia;
  • https://ec.europa.eu/eures/page/homepage?lang=pt – sítio da Comissão Europeia que ajuda a encontrar oportunidades de formação e de trabalho em toda a Europa. 

Oportunidades de emprego nas redes sociais

As redes sociais são lugares virtuais onde as possibilidades de diálogo sobre os mais variados assuntos, incluindo o trabalho, são enormes. Além do aspeto lúdico, de puro entretenimento, estas plataformas podem revelar-se úteis para conhecer melhor o mercado e como canal para encontrar potenciais empregadores. Não estar conectado tem inconvenientes, até porque cada vez mais empresas usam as redes como o Facebook ou o LinkedIn para se dar a conhecer e, também, para recrutar.

LinkedIn

Para entrar no LinkedIn basta registar-se gratuitamente, mas, se tenciona usufruir deste meio para aumentar a sua rede de contactos e fazer-se notar, não basta apresentar o seu currículo. É preciso incluir todas as experiências profissionais relevantes, especificando bem quais foram as competências adquiridas e os projetos concluídos. Em seguida, é necessário destacar as habilitações literárias e os idiomas conhecidos e selecionar as palavras-chave que melhor descrevem o que faz, o que fez e o que sabe fazer. A compor o perfil não pode faltar uma fotografia sua com imagem profissional, de preferência em primeiro plano. Na verdade, está aqui para obter o máximo de publicidade e tornar-se visível para as empresas que procuram pessoas para contratar.

O seu perfil está completo? Então está dado o primeiro passo, mas o trabalho verdadeiramente útil começa agora. Procure, na lista de endereços da caixa de correio que usou para se inscrever, os nomes das pessoas que conhece e que estão inscritas no LinkedIn e comece a criar a sua rede de contactos.

Procure empresas do setor que lhe interessa e selecione aquelas cujas atualizações quer seguir. Inscreva-se em grupos de discussão sobre o setor e os temas que mais lhe interessam (do ponto de vista profissional, evidentemente): sempre que houver atualizações será informado e poderá participar na discussão. Alterando as definições do seu perfil poderá escolher a frequência com que receberá por e-mail as atualizações relativas aos seus contactos, grupos e empresas que segue. Para evitar ser inundado por mensagens e, ao mesmo tempo, garantir que não fica fora da discussão, escolha uma frequência semanal.

O LinkedIn é o irmão profissional do Facebook. A linguagem deve ser formal. Escolha com cuidado o que pretende partilhar. Construa a sua rede e ligue-se às pessoas que conhece, como o antigo chefe ou um colega de trabalho na área. Manter as ligações é essencial para abrir as portas do mercado.

Mostre o seu talento com resultados. Atualize os contactos e as definições de privacidade. Atualize o perfil ativamente.

Facebook

Se está no Facebook e não quer inscrever-se noutras redes sociais, utilize-o para procurar novos projetos profissionais. Pode fazê-lo de diversas formas. Por exemplo, criando um perfil no Branchout, uma rede profissional dentro do Facebook, que aproveita as relações já consolidadas da rede principal para criar ligações úteis na procura de emprego e nos negócios. Consultando os anúncios de emprego, pesquisáveis por categoria, setor e área geográfica, terá também acesso às conexões dos seus amigos que estiverem mais próximos desse emprego. Permite manter bem separadas as atividades lúdicas e pessoais e as atividades mais “sérias” e profissionais. No entanto, este tipo de redes têm pouca expressão em Portugal e, por isso, poderão ser úteis, sobretudo, em contexto internacional.

No Facebook, pode ainda integrar e consultar grupos de pesquisa e partilha de informação acerca do mercado de trabalho, como, por exemplo, o Manda-te, Emprego no Estrangeiro; o Quer Emprego?Dá Emprego? e o JobOpportunity. Esteja atento aos conteúdos partilhados pelos seus amigos e “Goste” das páginas das empresas-alvo e de recrutamento para estar a par das oportunidades.

As candidaturas espontâneas

Outra forma de abordar o mercado de trabalho é através de candidaturas espontâneas. Ou seja, enviar o currículo para empresas que lhe interessam, por sua iniciativa, sem ser em resposta a anúncios. Em qualquer circunstância, para encontrar um emprego que satisfaça as suas expectativas, seja proativo: procure as empresas e os empregos que mais lhe interessam e candidate-se.

Além de estar a fazer uma abordagem mais direcionada ao mercado de trabalho, muitas vezes os lugares vagos não são divulgados através de anúncios, chegando ao conhecimento dos interessados apenas através da sua rede de contactos. E até é possível que a empresa em causa esteja a recrutar colaboradores, mas não esteja a usar os canais tradicionais.

Escrever o currículo

É essencial apresentar o currículo atualizado, bem construído e adaptado à oferta. Um currículo bem escrito e estruturado é um passo básico.

1. A regra de ouro é adaptá-lo à oferta. O mesmo CV não vale para duas empresas. Informe-se sobre o que a empresa procura e em que consiste a função. Indique o que faz sentido: elimine formações ou experiências sem valor para o cargo e destaque aquelas com uma relação direta. Se a oferta exige experiência em cargos de gestão, destaque essa informação. Outro exemplo: o facto de organizar todos os anos um festival de marisco não interessa quando se candidata para a função de designer. Atualize o currículo para ficar pronto a disparar quando descobrir uma oferta.

2. Seja breve: não é a história da sua vida. Trata-se apenas de um resumo preciso sobre quem é e o que sabe fazer. Simples e incisivo, resuma o CV a uma ou duas folhas.

3. Pense na estrutura como uma notícia. Primeiro o mais importante, como os seus pontos fortes, depois o resto. Reserve as últimas linhas para os dados menos relevantes. O habitual é começar pela experiência na ordem cronológica inversa (da mais recente à mais antiga) e seguir com a formação.

4. Atenção ao detalhe. O CV combina um exercício de escrita com trabalhos manuais. Vista a pele de quem vai ler o currículo. Este par de folhas resume o que vão saber sobre si. Rigor máximo e clareza com exatidão nas datas de emprego: a maioria das empresas quer ver os meses e não apenas os anos.

5. Não minta. Uma mentira pode garantir a entrevista, mas depois motivar o fracasso. Um simples dado pode revelar se exagerou ou não nas competências. Provoca má impressão e a empresa não volta a pensar no seu nome para futuros processos.

6. Escrita cuidadosa. O currículo será lido rapidamente. Deve escrevê-lo de modo claro. Utilize frases curtas e simples, mas não adote um tom sem ritmo ou maçador. Evite palavras rebuscadas e não asfixie com parágrafos intermináveis. Use o espaço entre linhas e o negrito. Faça a revisão da ortografia: um erro elimina o candidato da corrida.

7. Fotografia e aparência. A foto pode dizer muito e assustar se for inapropriada (corpo inteiro ou durante uma festa). Escolha uma natural e formal.

8. Use verbos dinâmicos e ricos em ação. As frases mais usadas são “responsável por” ou “participou em”. Estes termos servem uma ou duas vezes, mas é melhor usar “organizei”, “presidi”, “desenvolvi” ou “ensinei”.

9. Evite destacar a vertente salarial, as referências de antigos chefes ou as razões por que deixou o último trabalho. Reserve-as para a entrevista. Não desperdice tempo com elementos óbvios. Esqueça o gosto e rasgos de personalidade fora do contexto.

10. Foque o importante. As empresas querem conhecer aquilo que sabe fazer. O número de cargos interessa, mas o mais pertinente é o que fez e como desenvolvia a função. Destaque os projetos de sucesso e não as rotinas. Combine a atividade diária com as grandes vitórias. Não esqueça o nome e contacto. Destaque os seus blogs ou perfil nas redes com orientação profissional.

11. Complete o currículo com uma carta. Aproveite a carta de apresentação para mostrar que sabe escrever e expressar-se. Exiba um tom próximo, certeiro e profissional. Exponha o interesse pela empresa e explique porque é o candidato ideal.

12. Inove. O objetivo é conquistar a atenção de quem lê centenas de currículos todas as semanas. Os videocurrículos são o último grito: ligue a câmara e apresente-se da melhor forma. Pode descarregá-lo no YouTube e incluir o link para o CV clássico. Consoante a área, o currículo convencional pode ser mais acertado.

Junte-se à maior organização de consumidores portuguesa

Num Mundo complexo e com informação por vezes contraditória, a DECO PROTESTE é o sítio certo para refletir e agir.

  • A nossa missão exige independência face aos poderes políticos e económicos. 
  • Testamos e analisamos uma grande variedade de produtos para garantir que a escolha dos consumidores se baseia em informação rigorosa. 
  • Tornamos o dia-a-dia dos consumidores mais fácil e seguro. Desde uma simples viagem de elevador ou um desconto que usamos todos os dias até decisões tão importantes como a compra de casa.
  • Lutamos por práticas de mercado mais justas. Muitas vezes, o País muda com o trabalho que fazemos junto das autoridades e das empresas. 
  • Queremos consumidores mais informados, participativos e exigentes, através da informação que publicamos ou de um contacto personalizado com o nosso serviço de apoio.

A independência da DECO PROTESTE é garantida pela sustentabilidade económica da sua atividade. Manter esta estrutura profissional a funcionar para levar até si um serviço de qualidade exige uma vasta equipa especializada.

Faça parte desta comunidade.

Registe-se para conhecer todas as vantagens, sem compromisso. Subscreva a qualquer momento.

Junte-se a nós