Notícias

Contas à ordem: custos sempre a subir

22 fevereiro 2017
comissões contas à ordem

22 fevereiro 2017
Quem não cobrava passou a cobrar. E quem já cobrava cobra agora ainda mais. As exceções à regra são as nossas Escolhas Acertadas. Entre zero e 230 euros é quanto pode custar anualmente a movimentação de uma conta à ordem.

Cinco maiores bancos: grandes nos custos

Mais clientes, mais depósitos, maior carteira de crédito... e mais custos. Eis uma imagem muito fidedigna dos cinco maiores bancos a operar em Portugal. Banco BPI, Novo Banco, CGD, Santander Totta e Millennium bcp praticam uma média de 149,95 euros anuais para as condições do nosso primeiro cenário: saldo médio inferior a 1000 euros, sem domiciliação de ordenado, mas com cartões de débito e de crédito e uma transferência por mês. São mais 18,57 euros, ou seja, mais 14% do que a concorrência. 

Analisando cada um dos produtos nos nossos cenários, verificamos que nestes bancos as anuidades dos cartões de débito estão no topo dos custos praticados pelo mercado. O valor mais baixo, de 15,60 euros, é cobrado pelo Banco BPI. Os demais exigem montantes próximos dos 20 euros. Nas transferências pela net, os custos mantiveram-se face ao último estudo. A exceção foi o Novo Banco, que passou a cobrar 1,04 euros por operação. Aliás, quem utiliza o homebanking destes bancos e não tem o ordenado domiciliado viu o custo médio agravar-se em 2,2%, bem mais do dobro da inflação em 2016.

Mas a parte de leão dos aumentos nos cinco grandes incidiu sobre as contas-ordenado. O Novo Banco e o Santander Totta deixaram de proporcionar estas contas: quem quer domiciliar aqui o salário tem de optar por uma conta pack, e pagar. Para o segundo cenário, com os mesmos produtos que o primeiro e ainda domiciliação do ordenado, os custos médios nestes cinco bancos agravaram-se uns exuberantes 47% desde o último estudo quando o meio de movimentação é a net, hoje em dia o mais comum. Bem demonstrativo da nova estratégia dos bancos, este aumento meteórico em apenas um ano não encontra nenhuma justificação relacionada com as exigências do mercado. É simplesmente arbitrário.