Notícias

Cartão de crédito: aproveite as vantagens

01 agosto 2016
cartões de credito

01 agosto 2016

Além de pagamentos e levantamentos em dinheiro, o cartão pode oferecer assistência médica e seguro de bagagem. Mas leia as condições do contrato de adesão.

Nalguns países, os estabelecimentos comerciais e caixas automáticos aceitam melhor os cartões Visa do que os Mastercard ou vice-versa. Para obter informações sobre a aceitação do cartão no estrangeiro, interrogue o seu banco. Pode também consultar os sítios na Internet das redes Visa, Mastercard e American Express.

Respostas a dúvidas sobre o cartão de crédito

Prefira os pagamentos aos levantamentos em dinheiro
Durante a sua estada no estrangeiro, é provável que utilize mais o cartão para pagar, por exemplo, os bilhetes de avião ou de comboio, o hotel e as refeições. Para não esgotar o plafond, peça ao seu banco um aumento temporário, válido pelo período acordado.

Regra geral, o cartão é válido por 2 anos. A data-limite é indicada no verso, com mês e ano. Por exemplo: fim de 10/15. Neste caso, o cartão é utilizável até ao último dia de outubro de 2015. A partir do primeiro dia de novembro é recusado em qualquer operação. Se partir de viagem no final de outubro ou início de novembro, confirme junto do banco que receberá o novo cartão a tempo.

Leve consigo os números da entidade emissora, útil para pedir o cancelamento do cartão em caso de perda ou roubo, e da assistência médica ou seguradora, que figuram no contrato de adesão. Poderá precisar destes contactos para o repatriamento médico ou ativar um eventual seguro de perda de bagagem.

Privilegie os pagamentos com cartão. Na zona euro, são gratuitos: Alemanha, Áustria, Bélgica, Espanha, França, Finlândia, Grécia, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Holanda, Portugal, Eslovénia, Chipre e Malta. O Reino Unido e a Dinamarca, apesar de fazerem parte da União Europeia, não aderiram ao euro. Mesmo assim, nestes países, as comissões aplicadas aos pagamentos com cartão são mais baixas do que nos levantamentos em dinheiro. A Suécia também não aderiu à moeda única, mas os pagamentos estão isentos, porque assinou um acordo nesse sentido.

Acabou o dinheiro que levava no bolso e precisa de mais algum para as pequenas despesas diárias? O melhor é levantar algumas notas num caixa automático (ATM). Faça-o com o cartão de débito, já que tem menos custos do que o de crédito. Fora da zona euro, evite retirar pequenas quantias de cada vez, pois é mais caro. Esta operação implica uma comissão fixa. Quanto mais vezes recorrer à máquina, mais paga. A maioria dos bancos cobra ainda uma comissão variável sobre a transação, à qual acresce imposto de selo.

Se, por algum motivo, não puder levantar dinheiro no Multibanco, resta-lhe a alternativa mais cara: levantar com o cartão de crédito ao balcão de um banco (cash-advance). Na zona euro, estão sujeitos a comissões uniformes, mas, fora dela, o banco pode cobrar taxas específicas, que variam com o país.

Alguns cartões incluem seguro para indemnizá-lo das despesas com produtos de primeira necessidade, caso as bagagens cheguem com atraso. Para tal, a viagem tem de ser paga com o cartão. Se ficar doente ou ferido, nalguns casos, pode beneficiar de assistência médica e repatriamento. Para conhecer as condições e respetivas exclusões, consulte o contrato de adesão.

Quando fizer um pagamento, certifique-se de que é passado num único equipamento, para não ser clonado. Se lhe pedirem para repetir a operação, faça-o apenas se o terminal apresentar uma mensagem em como a anterior foi anulada. Exija um comprovativo.

Caso venha a perder o cartão, este se extraviar ou lhe for roubado, contacte de imediato a entidade emissora (Unicre: 00 351 213 159 856), a SIBS, Sociedade Interbancária de Serviços (00 351 217 918 780) ou o banco. Para facilitar, tenha à mão o número do seu cartão e da conta que lhe está associada, bem com o nome da entidade emissora. Avise também as autoridades e peça uma prova desta participação. Alguns emissores exigem-na para acionar o seguro do cartão.


Imprimir Enviar por e-mail