Notícias

Rendas das casas vão aumentar em 2022

As rendas das casas vão aumentar em 2022. Saiba como calcular a atualização do valor do arrendamento e, se é senhorio, veja como comunicá-la ao inquilino.

  • Dossiê técnico
  • Sofia Lima
  • Texto
  • Sofia Frazoa e Alda Mota
23 setembro 2021
  • Dossiê técnico
  • Sofia Lima
  • Texto
  • Sofia Frazoa e Alda Mota
Três prédios com fachadas amarela e branca e varandas disponíveis para arrendamento

iStock

Depois de em 2021 os valores do arrendamento terem ficado congelados, as rendas vão voltar a aumentar em 2022. De acordo com o coeficiente de atualização dos diversos tipos de rendas (urbano e rural), de 1,0043, estabelecido para o próximo ano, o custo do arrendamento irá sofrer um agravamento. Apurado anualmente pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), este coeficiente define a atualização do valor das rendas em função da inflação (sem habitação) e foi publicado em Diário da República, através do Aviso n.º 17989/2021, de 23 de setembro.

Em 2021, o coeficiente de atualização fixado em 0,9997 levou a que as rendas não tivessem sido aumentadas, mas os anos precedentes já haviam assistido a subidas e descidas com impacto no valor do arrendamento:

  • 1,0054 em 2017;
  • 1,0112 em 2018;
  • 1,0115 em 2019;
  • 1,0051 em 2020;
  • 0,9997 em 2021.

Como comunicar ao inquilino o aumento?

A comunicação do aumento da renda deverá ser feita pelo senhorio com uma antecedência mínima de 30 dias antes da data de pagamento da nova renda, através de uma minuta própria.

Para esse efeito, a carta deverá ser registada, com aviso de receção, ou entregue em mão contra a assinatura do inquilino. Além da referência ao valor atual da renda, a carta deverá ainda indicar o montante que resulta da aplicação do coeficiente e a data a partir da qual produzirá efeito.

Como se calcula a atualização da renda?

Para saber que valor de renda pode vir a pagar, com base no coeficiente de atualização anual das rendas, tome a atualização do ano 2022 e multiplique o montante da renda atual por 1,0043.

Por exemplo: a uma renda de 500 euros somam-se 2,15 euros, passando a totalizar 502,15 euros. Se for necessário o arredondamento do valor, este deve ser feito à unidade de cêntimo imediatamente superior. Assim, se o cálculo da renda der 502,733 euros, a renda é arredondada para 502,74 euros. Já se o resultado for 99,001 euros, a renda final será 99,01 euros.

Quer já seja senhorio ou pretenda vir a ser, aceda ao nosso simulador e calcule o impacto do aumento da renda na sua rentabilidade.

O senhorio pode aumentar a renda antiga? 

Se o contrato for anterior a 1990, a lei prevê um regime especial de atualização tendo em vista a aproximação da renda aos valores de mercado. Mas há regras a cumprir.

A carta indicando o aumento da renda pretendido pelo senhorio tem de indicar:

  • os direitos do inquilino (por exemplo, o direito a recusar a proposta de aumento);
  • prazo de resposta, que são 30 dias seguidos;
  • valor da renda pretendido;
  • valor do imóvel, avaliado de acordo com o Código do Imposto Municipal sobre Imóveis;
  • as consequências da falta de resposta (e a forma como esta deve ser apresentada) e da não-invocação de qualquer das circunstâncias excecionais previstas na lei.

Junto com a carta, deve seguir uma cópia da caderneta predial urbana.

O inquilino pode recusar a proposta de aumento de renda?

Face à proposta de atualização dos valores da renda, o inquilino tem quatro opções:

  • pode aceitar a proposta;
  • pode fazer uma contraproposta;
  • pode pôr fim ao contrato;
  • pode informar o senhorio de que beneficia, sendo esse o caso, de uma das situações de exceção previstas na lei para o aumento das rendas (idade igual ou superior a 65 anos, carência económica, deficiência ou incapacidade igual ou superior a 60 por cento).

A comprovação anual de carência económica, chamada “rendimento anual bruto corrigido”, é feita pelo inquilino apenas a pedido do senhorio, que pode solicitá-la só até ao dia 1 do mês de setembro de cada ano. O arrendatário terá de fazer a prova até ao final desse mês, isto é, até ao dia 30 de setembro. 

Caso decida denunciar o contrato, o inquilino deverá fazê-lo respeitando a antecedência prevista na lei, que pode variar consoante as situações.

No prazo de 30 dias, o inquilino pode reclamar sobre o valor patrimonial tributário do imóvel, junto do serviço de Finanças. Caso tenha razão, o valor desce e, logo, a renda será mais baixa.

A reclamação não suspende a atualização da renda, mas, se o inquilino tiver razão, vai recuperar o que pagou a mais entre a atualização da renda e a resposta das Finanças.

É nosso subscritor e precisa de esclarecimentos personalizados? Contacte o nosso serviço de assinaturas. Relembramos ainda que pode aceder a todos os conteúdos reservados do site: basta entrar na sua conta

Se ainda não é subscritor, conheça as vantagens da assinatura.

Subscrever

 

O conteúdo deste artigo pode ser reproduzido para fins não-comerciais com o consentimento expresso da DECO PROTESTE, com indicação da fonte e ligação para esta página. Ver Termos e Condições.