última atualização: 08/09/2020

Linha de crédito para estudantes do ensino superior: o que precisa de saber

A falta de dinheiro não deve ser um entrave para quem quer entrar na universidade ou completar a sua formação: a linha de crédito para estudantes do ensino superior existe para financiar as despesas académicas de alunos universitários, que frequentam ou venham a frequentar cursos técnicos superiores profissionais, de licenciatura, mestrado ou doutoramento, em Portugal.

O que a diferencia esta linha de crédito? O Estado funciona como fiador. Ou seja, os bancos que a comercializam estão impedidos de pedir qualquer outro tipo de aval ou garantia complementar, pessoal ou patrimonial. Contudo, quando o montante solicitado é superior a 15 mil euros, a instituição pode exigir ao estudante, e nunca a qualquer outra pessoa, uma livrança. 

Como funciona
O montante financiado varia entre 1000 e 5000 euros por ano de curso, não podendo ultrapassar os 30 mil euros, no total. É disponibilizado em tranches mensais, trimestrais, semestrais ou anuais, durante o tempo de duração do curso. Após o primeiro ano, a atribuição do dinheiro fica sujeita ao bom aproveitamento do estudante, que deve ser comprovado junto do banco, com um documento emitido pelo estabelecimento de ensino.

As taxas de juro são inferiores às dos comuns créditos ao consumo, há isenção de algumas comissões, os prazos de reembolso são mais longos e, na maior parte dos casos, enquanto se está a estudar, paga-se apenas os juros.

Como aceder à linha de crédito para estudantes do ensino superior
Para ter acesso, o estudante deve apresentar o certificado de matrícula no curso técnico superior profissional, licenciatura, mestrado, etc., devendo assinar uma declaração em como assume o compromisso de o prosseguir e de ter aproveitamento durante o contrato de financiamento.

Tem ainda de apresentar uma certidão de não dívida, que comprove que nada deve à Autoridade Tributária nem à Segurança Social. Basta aceder ao portal das Finanças ou ao serviço Segurança Social Direta para a conseguir.

Preencher os requisitos significa apenas que é elegível ao empréstimo. A última palavra é sempre do banco, que aceita ou não a proposta. 

Como poupar no crédito
Evite usar o período de carência

No período de carência só paga juros, e quanto mais tempo estiver a pagar juros, mais caro lhe sai o crédito.

Opte pelo capital em tranches
Uma vez que os juros são pagos sobre o capital já libertado, esta é uma forma de ir adiando parte desse encargo, enquanto o montante não é disponibilizado na totalidade.

Não caia na tentação dos prazos demasiado longos
Sim, podem garantir uma prestação mais baixa. Mas, quanto mais tempo levar o reembolso, mais demorada se torna a amortização de capital e mais juros acaba por pagar.

Se já tem um crédito e os seus rendimentos foram afetados pela covid-19, tem até 30 de setembro para pedir a suspensão do pagamento das prestações na totalidade, ou apenas da parte referente ao capital. Se optar pela primeira, os juros decorridos durante o tempo de suspensão são, depois, adicionados ao capital em dívida.

Já se candidatou à linha de crédito para estudantes? Partilhe a sua experiência nos comentários e ajude outros estudantes na mesma situação.


Equipa DECO PROTESTE

User name

Junte-se a esta conversa

Participe nesta conversa, deixando o seu comentário ou questão em Ajude-nos a melhorar da comunidade Teste Connosco

Comentários

Seja o primeiro a comentar