última atualização: 01/12/2022

Venda de energia elétrica à rede - o que é preciso?

Boa tarde.

Gostava de saber o que é necessário adquirir (licenciamento, etc), para ter a minha própria unidade de produção de energia fotovoltaica, um conjunto de painéis destinados exclusivamente à venda.

E se o contrato é negociado diretamente com a empresa elétrica a que irei vender a energia? Com a REN?

Muito obrigado,

João Santos

User name

Junte-se a esta conversa

Participe nesta conversa, deixando o seu comentário ou questão em Produzir eletricidade da comunidade Energias Renováveis

203 Comentários

Filtrar por :
Ver comentários anteriores
Melhor resposta
Faça login para aceder a este conteúdo. 
01/01/2022
Melhor resposta

Bom dia, tenho uma instalação de autoconsumo de produção máxima de 1800W, a instalação foi feita por empresa certificada que tratou de informar a DGEG. Além disso já tenho também contador bidirecional e inteligente. Não fiz qualquer registo para vender o excedente da produção, a minha dúvida é se este excedente é completamente "desperdiçado" para a rede ou há algum cálculo para acerto entre o consumido e o produzido. Isto sem qualquer ação.

Faça login para aceder a este conteúdo. 
21/01/2022
, Respondeu:

Bom dia,

No seguimento do seu email, vimos por este meio informar que:

No caso de possuir uma instalação trifásica e a sua UPAC apenas estiver ligada a uma das fases, é feito esse acerto, mas apenas em certas condições, ou seja, se por exemplo estiver a injetar 500W numa fase e a consumir 500W noutra fase, o seu consumo é de zero KWh.

O comercializador de energia não disponibiliza essa informação, pois a E-redes apenas lhe envia o valor consumido em KWh.

Para que possa acompanhar com maior precisão aquilo que acontece na sua instalação elétrica, deve solicitar a ativação da porta HAN do seu contador de energia inteligente. Para proceder a essa ativação consulte: https://www.e-redes.pt/pt-pt/redes-do-futuro-redes-inteligentes/servicos-redes-inteligentes/acesso-porta-serie-de-comunicacao. Tem um custo de 14,00€ + IVA.

Após essa ativação pode ligar um equipamento de medição, e conseguir visualizar a informação que é disponibilizada pelo seu contador, nomeadamente os consumos elétricos e a energia injetada na rede. Um dos utilizadores da nossa comunidade sugeriu o equipamento da marca eot (www.eot.pt).

Faça também o registo no site da E-redes e verifique se esta informação também aparece disponível.

Se desejar envie-nos mais informação sobre a instalação que foi realizada, nomeadamente a quantidade de painéis aplicados, sua potência, assim com o tipo de inversor, sua potência e marca.

Cumprimentos,

Equipa das energias renováveis

Faça login para aceder a este conteúdo. 
21/01/2022
, Respondeu:

Boa tarde, a instalação é monofásica, 6 painéis de 300W com 3 microinversores de 600W casa. Tenho um aparelho da Shelly que me mede a produção dos painéis assim como a entrada "geral", tendo noção do que consumo/injeto na rede. Já tenho registo na eredes onde vejo as leituras do consumo e do produzido, a minha dúvida é se o que é produzido é de alguma forma descontado ao que é consumido.

Obrigada pela resposta,
Diana Costa

Faça login para aceder a este conteúdo. 
07/02/2022
, Respondeu:

Bom dia,
Para também ter essa resposta, ligue à e-Redes para ter melhor informação, e a resposta foi:
- Se estiver a produzir o suficiente para o meu consumo, obviamente não haverá consumo da rede e-Redes.
- Se estiver a produzir acima do que estou a consumir, o excedente é injetado na rede a custo zero.
Ou seja, se não tiver contrato de venda da minha produção, o meu excedente é literalmente dado à e-Redes. Uma pura injustiça. O justo seria fazer um acerto de contas. Penso que a Deco deveria de tomar alguma iniciativa neste tema. Existe um numero elevado de pequenos produtores em PT que a Deco deveria associar nesta iniciativa de alteração da legislação de forma a ser mais justo. Estamos em tempos que temos obrigatoriamente pensar nas alterações climáticas, e não há Drivers para incentivar a colocação de micro produção.
Obrigado

Faça login para aceder a este conteúdo. 
01/05/2022
, Respondeu:

Boa noite
Verifico que continua a haver muita informação que circula que não está correta.
Instalação monofásica registada (deve ter um *** de consumo e um *** de produção), com contador bidireccional.
A legislação em vigor obriga a ser feito um acerto em períodos de 15 minutos. Nesse período de 15 minutos terá

1) Energia consumida da rede pela sua habitação
2) Energia produzida pela sua instalação fotovoltaica
3) Energia que lhe será debitada pelo comercializador
4) Energia exportada para a rede (do seu ponto de vista, perdida para terceiros)

A energia debitada 3) é calculada fazendo a diferença entre a energia consumida 1) menos a energia produzida 2). No caso da diferença ser negativa (está a produzir nesses quinze minutos uma energia total maior do que a que consome ) a energia debitada é zero e a energia exportada é a diferença 2) - 1).

Não é portanto inteiramente verdade que toda a energia produzida não consumida no instante da produção seja perdida para a rede, porque o cálculo da energia debitada é feito em período de 15 minutos.

A título ilustrativo se estiver a produzir 1KWh durante 15 minutos e se ligar uma máquina que consuma 2KWh durante 7 minutos, nada lhe será debitado.


No balcão digital da e-redes no histórico dos consumos do local tem informação sobre a energia 1) 3) e 4).

PS: demorei bastante tempo a navegar em informações erradas e contraditórias que persistem em circular e bastante tempo também a pressionar a e-redes a fazer a contabilização da energia de acordo com a legislação em vigor.



Faça login para aceder a este conteúdo. 
29/07/2022
, Respondeu:

Boa noite PL.
Obrigado pelo esclarecimento, é útil para todos.
Efectivamente a Deco poderia fazer um guia / manual para PV.
Desde a instalação, marcas e instaladores.
Legalização e investimentos
Comercializadores / legislação.
Valores / créditos.

Relativamente aos pontos partilhados, tenho as seguintes dúvidas que certamente serão idênticas a de muitos consumidores.
O contrato é feito via e-redes ou via distribuidor?
Caso seja injectado mais que é consumido nesse período de 15min o excedente fica em crédito (kWh) para consumir ao longo do dia / semana / mês/ ano, ou será creditado / transferido para a conta do cliente em valor monetário?
Caso seja pagamy monetário, qual é o valor do kWh que estão a pagar?
Houve alterações nesse valor desde o início do ano? Visto que algumas pessoas estão a pagar quase o dobro por kWh.

Faça login para aceder a este conteúdo. 
19/10/2021

Olá! Boa tarde a todos,
Instalei um sistema de produção de energia para autoconsumo e venda da produção excedentária. Já estou registado na DGEG e eRedes.
Tentei junto de alguns comercializadores de energia e todos me disseram que não compram energia.
Agradeço informação se conhecem alguam entidade que compre este tipo de energia e qual o preço.
Obrigado

Faça login para aceder a este conteúdo. 
05/07/2022
, Respondeu:

www.copernico.org É uma cooperativa que compra; veja na página.

Faça login para aceder a este conteúdo. 
20/10/2021
, Respondeu:

Bom dia Sr. Manuel da Cunha,

Para vender a energia excedente injetada na RESP, pode fazer o contrato com o comercializador de ultimo recurso (CUR) https://www.erse.pt/eletricidade/funcionamento/comercializacao/#comercializadores-de-ultimo-recurso-(cur) ou com outro comercializador do mercado livre. Poderá consultar a ACEMEL (Associação de comercializadores de energia no mercado liberalizado) e obter a informação relativa aos comercializadores que neste momento estão a comprar energia proveniente das UPAC`S.

O seu valor é calculado tendo em consideração a indexação do preço de energia elétrica no mercado diário (OMIE) com uma penalização sobre esse valor. O valor dessa penalização depende da entidade que está a comprar a energia, e pode ser um valor fixo ou um valor indexado ao preço de compra da energia. O valor do preço fixo pode variar entre os 0,030€/kWh e os 0,045 €/kWh.

Para que se possa vender o excedente, é necessário: 1) a UPAC tem de estar registada na DGEG; 2) ter contador bidirecional; 3) ter um CPE (código de ponto de entrega) de produção à semelhança do seu CPE de consumo; 4) contrato de venda de energia e 5) Abrir atividade nas finanças, podendo utilizar o código nº 35113 do código de atividades económicas (CAE) ou o código nº 1519 do código do Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (CIRS).

Cumprimentos,

Equipa das energias renováveis

Faça login para aceder a este conteúdo. 
11/03/2022
, Respondeu:

Boa tarde,
Uma dúvida, no registo MCP da minha UPAC a tenho, entre outras, as seguintes indicações:

• Injeta energia na rede: Não
• CPE de produção: PTxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
• Fonte: Solar
• Potência instalada: 1.38 kW
• Potência de ligação à IU: 1.50 kW
• Potência de injeção na RESP: 0.00 kW

Como indica não injectar na rede, tenho de fazer novo registo para poder vender o excedente?
Obrigado

Cumprimentos

Faça login para aceder a este conteúdo. 
02/05/2022
, Respondeu:

Boa noite

Tive uma situação igual à sua. Quando fiz o registo da minha UPAC na DGEG, por lapso, não coloquei o visto no quadrado que referia "injeta energia na rede".
Conforme instruções da DGEG (atendimento telefónico ao fim de 52 minutos!) anulei o registo e registei de novo com essa indicação.
Estou neste momento a aguardar o procedimento da E-Redes.

Faça login para aceder a este conteúdo. 
13/10/2021

Boa noite,
para venda do excedente de uma instalação de 2,7 Kwh foi-me indicado da obrigatoriedade de abrir atividade na AT.
Alguém sabe se ao iniciar actividade para venda do excedente e na eventualidade de ficar desempregado isso possa implicar o não direito a subsidio de desemprego?

Faça login para aceder a este conteúdo. 
19/10/2021
, Respondeu:

Bom dia Sr.ª Cláudia Pereira,

Para vender a energia excedente injetada na RESP, pode fazer o contrato com o comercializador de ultimo recurso (CUR) https://www.erse.pt/eletricidade/funcionamento/comercializacao/#comercializadores-de-ultimo-recurso-(cur) ou com outro comercializador do mercado livre. Poderá consultar a ACEMEL (Associação de comercializadores de energia no mercado liberalizado) e obter a informação relativa aos comercializadores que neste momento estão a comprar energia proveniente das UPAC`S.

O seu valor é calculado tendo em consideração a indexação do preço de energia elétrica no mercado diário (OMIE) com uma penalização sobre esse valor. O valor dessa penalização depende da entidade que está a comprar a energia, e pode ser um valor fixo ou um valor indexado ao preço de compra da energia. O valor do preço fixo pode variar entre os 0,030€/kWh e os 0,045 €/kWh.

Para que se possa vender o excedente, é necessário: 1) a UPAC tem de estar registada na DGEG; 2) ter contador bidirecional; 3) ter um CPE (código de ponto de entrega) de produção à semelhança do seu CPE de consumo; 4) contrato de venda de energia e 5) Abrir atividade nas finanças, podendo utilizar o código nº 35113 do código de atividades económicas (CAE) ou o código nº 1519 do código do Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (CIRS).

Relativamente à questão do subsidio de desemprego é preferível perguntar na segurança social. Se for possível partilhe essa informação com a comunidade.

Relativamente à potência instalada é possível informar qual a solução que foi adotada? Tipo de painéis e inversor? Consegue utilizar toda a energia produzida ao longo do dia?

Cumprimentos,

Equipa das energias renováveis

Faça login para aceder a este conteúdo. 
16/12/2021
, Respondeu:

Olá, esqueceu de mencionar que o vendedor precisa de um seguro de responsabilidade civil, pelo menos é o que fala no contrato com a LuzBoa para a venda de excedente...

Faça login para aceder a este conteúdo. 
17/12/2021
, Respondeu:

Boa tarde,

A empresa que refere foi contactada e informaram que no caso de não haver esse seguro é efetuado o contrato de compra de energia excedente.

Cumprimentos,

Equipa das energias renováveis

Faça login para aceder a este conteúdo. 
07/01/2022
, Respondeu:

Boa tarde, muito obrigado por essa informação, foi bastante útil para mim, entrei em contacto com eles, informei isso e falaram que não é obrigatório o seguro.

Faça login para aceder a este conteúdo. 
07/01/2022
, Respondeu:

Agora surgiu outra questão, mudei de comercializador, dai a última leitura (3-12-21) foi de V131KWh P55KWh C140KWh (EDP) e quando fui informar a leitura no dia 3-01-22 estava V076KWh P127KWh C287KWh, dai entrei em contacto com o novo comercializador a goldenergy informei o ocorrido, e fui informada que enquanto a leitura estivesse abaixo da última leitura enviada pela E-Redes, não teria que pagar nada, e também falaram que como somos autoconsumo não seria necessário informar a leitura mensalmente, antes havia sido informada ao contrario que deveria informar a leitura mensalmente já que a E-Redes poderia informar a leitura para eles qualquer dia do mês, dai para evitar a estimativa, eu deveria informar a leitura sempre na data correta, porém para minha surpresa desagradável acabei de receber a fatura no valor de 64 ,89 euros (V232KWh P97KWh C245KWh) sinceramente é uma situação bastante lamentável, já estou arrependida de ter escolhido esse comercializador, esse valor é mesmo com a tarifa social elétrica, aqui em casa somos 10 pessoas, eu meu marido, nossos 7 filhos e minha mãe, estamos com quebra no rendimento, fizemos esse investimento no inicio já foi difícil pois devido a um erro no sistema da DGEG e da EDP tive que passar mais de ano ofertando e continuando a pagar caro pele energia pq não conseguia fazer o registo na DGEG, e agora quando parece que as coisas estão caminhando acontece isso... Agora o que vou fazer após esse valor ser debitado na minha conta é pedir o reembolso e cancelar o debito direto pois não tenho mais confiança ...

Faça login para aceder a este conteúdo. 
29/01/2022
, Respondeu:

Bom dia Sr.ª Ana Oliveira,

 

Sugiro que em primeiro lugar faça o registo sua instalação elétrica no site da E-redes (https://online.e-redes.pt/login) e desta forma irá poder aceder à informação relativa ao seu consumo e produção, ou seja a energia que é injetada na rede que não foi consumida por si.

 

No caso do seu contador já estar ligado à rede inteligente as leituras são enviadas pela E-redes, de forma automática, ao dia 20 de cada mês. É importante que a fatura do comercializador seja feita posteriormente a esta data para evitar estimativas. Através de contacto telefónico com o departamento de autoconsumo fomos informados que pode solicitar ao comercializador esse ajuste.

 

Se for possível depois partilhe com a comunidade se a situação ficou resolvida.

 

Cumprimentos,

Equipa das energias renováveis

Faça login para aceder a este conteúdo. 
22/04/2022
, Respondeu:

Se actividade for só de microproducao não tiver outros rendimentos na categoria B tem direito ao subsídio de desemprego.

Faça login para aceder a este conteúdo. 
14/10/2021
, Respondeu:

Bom dia ,nos vendemos a S.u o exedente da produção e não abrimos atividade na AT.
Só pagamos a licença a Direção das energias

Faça login para aceder a este conteúdo. 
19/11/2021
, Respondeu:

Boa tarde, se não houve alterações, a venda de electricidade como microprodutor tem legislação diferente, não tem que pagar a.s. e e não influencia em nada com o subsídio de desemprego caso venha a necessitar, mas o melhor é informasse na s.s. que estão sempre a alterar.
Precisa sim de abrir actividade nas Finanças e pode escolher sem movimentação de IVA que evita ter que enviar o IVA trimestralmente, e não necessita de passar factura a empresa comercializados emite a factura e devolve o IVA ao estado,é só declarar os rendimentos no IRS anexo b.

Faça login para aceder a este conteúdo. 
18/12/2021
, Respondeu:

O site da S.U. refere explicitamente que tem de ter atividade na A.T., transcrevo a seguir:
"Informação de que tem atividade inscrita na Autoridade Tributária com o CAE 35113 (produção de eletricidade de origem eólica, geotérmica, solar e outras não especificadas).
Em caso de dúvidas contacte a Autoridade Tributária (AT). O produtor (individual ou empresa) se não tiver atividade iniciada com o CAE 35113 deverá fazê-lo junto da AT, ou preenchendo uma declaração de início de atividade (se não tiver nenhuma atividade aberta) ou uma declaração de alterações (onde adicione o CAE 35113)"

Faça login para aceder a este conteúdo. 
28/08/2021

Bom dia Sr. Pedro Pampulha, agradeço a sua resposta/aconselhamento!

Instalei também medidor da marca Huawei e acompanho a produção/consumo, estou a ter excedente superior a 10-15Kwh por dia. Também já pesquisei preços das baterias recondicionadas de carros elétricos, as quais ainda não têm preço atrativo para o consumo que eu tenho, talvez num futuro próximo o investimento justifique.

Já questionei a Huawei se o meu inversor tem essa funcionalidade, de atuar uma carga externa, disseram que ainda não, que talvez num futuro próximo.

Não estou muito inclinado para a venda do excedente, pois os preços que estão a praticar são uma vergonha.

Posto isto, tenho pesquisado muito sobre esta matéria, estou muito inclinado para os sistemas/equipamentos que fazem a gestão da produção excedente e a desviam para por exemplo um termoacumulador, como as resistências podem trabalhar com potências variáveis, se o excedente forem 100W é o envia, se forem 1000W é o que será enviado, etc.

Pelo que pesquisei em Portugal ainda estão pouco divulgados estes equipamentos, ainda não descobri quem comercialize cá, no Reino Unido e noutros países já existem há alguns anos, peço por favor se tem conhecimento de alguma marca ou empresa que comercialize equipamentos deste género em Portugal, mandar vir do estrangeiro podem ser complicadas as garantias ou devoluções, etc.

Obrigado!

Atenciosamente com os meus cumprimentos,

Pedro Letras









Faça login para aceder a este conteúdo. 
03/09/2021
, Respondeu:

Boa tarde Sr. Pedro,

Tendo em conta que tem uma instalação com 8 painéis de 455W, a sua produção média anual por dia será de aproximadamente 14,560KWh. Visto que nesta fase, não vai colocar baterias, proponho que faça um contrato de venda da energia excedente injetada na rede elétrica, para que assim consiga obter um retorno do investimento de forma mais rápida. Se por exemplo injetar 10KWh dia, a um valor fixo de venda de 4,5centimos irá conseguir anualmente um valor de 162€, que não é muito, mas irá ajudar na redução do custo de manutenção do sistema instalado. Relativamente aos sistemas que fazem a gestão da energia excedente pode ver a marca “Shelly” que tem representação em Portugal. Neste momento não lhe podemos aconselhar um modelo especifico, pois estamos a analisar as diversas soluções que esta marca possui e assim que obtivermos mais informações partilharemos consigo.

Cumprimentos,

Equipa das energias renováveis

Faça login para aceder a este conteúdo. 
04/09/2021
, Respondeu:

Bom dia,

Agradeço a atenção, vou analisar também e se o Sr. obtiver mais informações aguardo então a partilha. Obrigado...

Faça login para aceder a este conteúdo. 
28/08/2021

Temos instalados 5 paineis fotovoltaicos que, no verão produzem mais energia do que a que consumimos e de acordo com o D. Lei 162/2019 só pode ser aproveitada a energia produzida em excesso, nos 15 minutos seguintes, caso não seja consumida é perdida para a rede.
Porque é que o d. lei fixa um período tão reduzido? porque é que não fixou um período de 24 horas ou maior, por exemplo 1 mês? que seria muito mais justo para o produtor e evitava estar a fornecer energia grátis à rede.
Com a adesão à mobilidade elétrica, fazendo carregamentos domésticos durante a noite o período de 24 horas ou mensal permitiria o aproveitamento de toda a energia produzida.
O que é que o Estado Português pretende nesta matéria? como está não é, certamente, um sistema justo para os produtores domésticos.

Faça login para aceder a este conteúdo. 
30/11/2021
, Respondeu:

Olá Teresa, estou consigo, seria realmente um bom incentivo se o período fosse ao mês, como já acontece noutros países.

Faça login para aceder a este conteúdo. 
25/08/2021

Boa noite,
Tenho uma UPAC instalada e devidamente registada.
Já tenho o contador bidirecional, e para o processo ficar concluído só falta estabelecer o contracto para venda da energia excedente.
Acontece que a EDP exige para celebração do contracto, que eu faça o inicio de atividade nas finanças.
Gostaria de saber se por lei sou obrigado a fazer o inicio de atividade.
Se sim, qual o *** da atividade.
E se as outras distribuidoras exigem o mesmo.
Obrigado.

Faça login para aceder a este conteúdo. 
26/08/2021
, Respondeu:

Bom dia Sr. Waldemar,

Visto que irá fazer uma venda, existe a necessidade de abrir atividade nas finanças, registando o valor que recebeu em cada ano. Pode utilizar o código nº 35113 do código de atividades económicas (CAE) ou o código nº 1519 do código do Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (CIRS).

Relativamente ao IVA aconselhamos a leitura do ponto nº 5, do artigo 12º do Decreto Lei nº 363/2007. Em muitos casos o IVA é em autoliquidação, ou seja a empresa que lhe está a comprar a energia faz o acerto do IVA com o estado.

Poderá consultar a ACEMEL (Associação de comercializadores de energia no mercado liberalizado) e obter a informação relativa aos comercializadores que neste momento estão a comprar energia proveniente das UPAC`S.

Caso seja possível indique que tipo de equipamentos tem instalado e se está a acompanhar a produção versus o consumo de energia da sua casa.

 

Cumprimentos,

Equipa das energias renováveis

Faça login para aceder a este conteúdo. 
24/08/2021

Quando existe excesso de produção e o contador não seja bidirecional que ocorre? Existe o perigo de esse excesso ser contabilizado como consumo? Como se processa a alteração do contador e como funciona essa contabilidade?
Obrigados

Faça login para aceder a este conteúdo. 
12/03/2022
, Respondeu:

Sr César, se o seu contador não é bidireccional, possivelmente o seu sistema de produção poderá não estar registado na DGE que, creio, comunica posteriormente à EREDES, sendo que este último teria de entrar em contacto consigo caso o contador não seja o indicado.
O registado teria que ser feito pelo instalador. Caso não esteja registado e o contador não seja o indicado e não distinga a diferença entre o consumo e o excedente de produção, muito provavelmente este excedente está a ser cobrado como consumo. Analise a sua factura e veja se há um aumento nos kWh.

Faça login para aceder a este conteúdo. 
11/08/2021

Boa tarde a todos,

Instalei 8 placas de 455w da JA solar com 3640w total de potência com inversor híbrido de 4kw da huawei no mês passado de julho.
Estou a ter algum excedente de produção, estou a ponderar pôr armazenamento. Como o preço das baterias ainda está muito alto, pelo que pesquisei parece ser uma alternativa viável adquirir baterias recondicionadas de carros elétricos, as quais para uso estacionário com cerca de 70% da sua capacidade ainda estão muito capazes de apoiar uma solução deste tipo.
Peço por favor feedback de alguém que tenha algo igual ou conhecimento desta alternativa.

Outra alternativa é a venda desse excedente, podem-me informar se com a abertura de atividade nas finanças irei pagar alguma coisa de imposto, estamos a falar de valores de venda descabidos, se ainda tiver de pagar imposto sobre eles mais vale realmente dá-la de borla não sei bem a quem!!!

Agradeço toda a informação que puderem disponibilizar!!!

Faça login para aceder a este conteúdo. 
18/08/2021
, Respondeu:

Boa tarde Sr. Pedro,

Atualmente a marca do seu inversor já dispõe de baterias próprias, tendo unidades de 5KWh, podendo ser conectadas até 30KWh. A utilização de outro tipo de baterias não autorizadas pela marca, pode comprometer a garantia do inversor e por isso é preciso ter algum cuidado com este tipo de ligações.

Para uma solução com baterias tem de ter instalado um medidor de consumos. Este equipamento foi colocado? Está a acompanhar a instalação através do site da marca?

É importante que verifique qual a quantidade de energia excedente que está a ser produzida e se essa quantidade justifica o investimento nas baterias. Alguns inversores permitem fazer atuar uma carga, por exemplo bomba de calor, bomba da piscina ou outro equipamento quando existe excesso de produção. Esta pode ser também uma solução para uma melhor utilização da energia excedente.

Para a venda de energia, tem de já ter um CPE de produção e pode posteriormente fazer contrato com os comercializadores que atualmente estão a comprar a energia excedente proveniente das UPAC`S.

É difícil informar se irá pagar imposto, pois irá depender também dos seus outros rendimentos e despesas.

Cumprimentos,

Equipa das energias renováveis

Faça login para aceder a este conteúdo. 
24/08/2021
, Respondeu:

CPE de produção é necessário para pequenos excessos de produção, na venda claro

Faça login para aceder a este conteúdo. 
24/08/2021
, Respondeu:

Comentário anterior pretendia colocar como pergunta. Obg

Faça login para aceder a este conteúdo. 
26/08/2021
, Respondeu:

Bom dia Sr. César,
Sim. o CPE de produção só é necessário caso exista necessidade de vender o excedente de energia produzido pela UPAC.
Cumprimentos,
Equipa das energias renováveis

Faça login para aceder a este conteúdo. 
28/08/2021
, Respondeu:

Bom dia Sr. Pedro Pampulha, agradeço a sua resposta/aconselhamento!



Instalei também medidor da marca Huawei e acompanho a produção/consumo, estou a ter excedente superior a 10-15Kwh por dia. Também já pesquisei preços das baterias recondicionadas de carros elétricos, as quais ainda não têm preço atrativo para o consumo que eu tenho, talvez num futuro próximo o investimento justifique.

Já questionei a Huawei se o meu inversor tem essa funcionalidade, de atuar uma carga externa, disseram que ainda não, que talvez num futuro próximo.

Não estou muito inclinado para a venda do excedente, pois os preços que estão a praticar são uma vergonha.

Posto isto, tenho pesquisado muito sobre esta matéria, estou muito inclinado para os sistemas/equipamentos que fazem a gestão da produção excedente e a desviam para por exemplo um termoacumulador, como as resistências podem trabalhar com potências variáveis, se o excedente forem 100W é o envia, se forem 1000W é o que será enviado, etc.

Pelo que pesquisei em Portugal ainda estão pouco divulgados estes equipamentos, ainda não descobri quem comercialize cá, no Reino Unido e noutros países já existem há alguns anos, peço por favor se tem conhecimento de alguma marca ou empresa que comercialize equipamentos deste género em Portugal, mandar vir do estrangeiro podem ser complicadas as garantias ou devoluções, etc.

Obrigado!

Atenciosamente com os meus cumprimentos,

Pedro Letras





Faça login para aceder a este conteúdo. 
02/10/2021
, Respondeu:

Caro Pedro,
Gosto da solução que comenta sobre os excedentes de produção assim,se tiver novidades favor partilhar.
A venda não valido pelas burocracias adjacentes, próprias de pais do terceiro mundo.
Obg

Faça login para aceder a este conteúdo. 
04/10/2021
, Respondeu:

Bom dia,
No seguimento da sua mensagem e no caso de já possuir um contador inteligente, aconselho a que solicite a ativação da porta HAN do seu equipamento. Para proceder a essa ativação consulte: www.e-redes.pt/.../acesso-porta-serie-de-comunicacao.
Após essa ativação pode ligar um equipamento de medição, e conseguir visualizar a informação que é disponibilizada pelo seu contador, nomeadamente os consumos elétricos e a energia injetada na rede. Um dos utilizadores da nossa comunidade sugeriu o equipamento da marca eot (www.eot.pt) que é comercializado em Portugal.
A aplicação “Home Assistant” consegue ser interligada a este equipamento e a partir desta consegue fazer a ativação de cargas, caso esteja a ter energia excedente injetada na rede.
Caso opte por esta solução partilhe com a comunidade a sua experiência.
Obrigado
Cumprimentos,
Equipa das energias renováveis

Faça login para aceder a este conteúdo. 
11/08/2021

Boa tarde a todos,

Instalei 8 placas de 455w da JA solar com 3640w total de potência com inversor híbrido de 4kw da huawei no mês passado de julho.
Estou a ter algum excedente de produção, estou a ponderar pôr armazenamento. Como o preço das baterias ainda está muito alto, pelo que pesquisei parece ser uma alternativa viável adquirir baterias recondicionadas de carros elétricos, as quais para uso estacionário com cerca de 70% da sua capacidade ainda estão muito capazes de apoiar uma solução deste tipo.
Peço por favor feedback de alguém que tenha algo igual ou conhecimento desta alternativa.

Outra alternativa é a venda desse excedente, podem-me informar se com a abertura de atividade nas finanças irei pagar alguma coisa de imposto, estamos a falar de valores de venda descabidos, se ainda tiver de pagar imposto sobre eles mais vale realmente dá-la de borla não sei bem a quem!!!

Agradeço toda a informação que puderem disponibilizar!!!

Faça login para aceder a este conteúdo. 
15/06/2021

Informou-me a EDP há cerca de um mês atrás, que só têm a modalidade de autoconsumo para painéis solares para os clientes particulares.

Faça login para aceder a este conteúdo. 
19/07/2021
, Respondeu:

Bom dia Sr. Francisco Neves,

No site da empresa a que se refere tem a possibilidade que pretende. Pode ver em: https://www.edp.pt/empresas/servicos/energia-solar/

Aconselho a leitura do seguinte artigo: https://www.deco.proteste.pt/casa-energia/energias-renovaveis/noticias/como-avaliar-escolher-sistema-fotovoltaico-autoconsumo

Alguma duvida adicional disponha.

Cumprimentos,

Equipa das energias renováveis

Faça login para aceder a este conteúdo. 
22/04/2021

Bom dia
O processo a seguir para a venda de energia excedente de uma UPAC, é o seguinte:

1) Deve antes de mais ter a garantia que o seu atual contador de consumo é bidirecional. Após a submissão da MCP na DGEG a E-Redes irá contacta-lo para essa verificação ou parametrização. Nota: Mesmo que não pretenda vender os excedentes deve optar pela parametrização de modo a poder tirar proveito (do intervalo de 15Min de acumulação de saldos de produção e consumo)

2) Após garantir que tem um contador preparado, recebe um CPE de produção, referente à UPAC
3) Com a informação do CPE de produção contacta um comercializador de energia e informa que pretende vender os excedentes.
4) O comercializador interessado, envia as condições nas quais efetua a compra.
5) O processo termina com a oficialização de um contrato de venda de energia

Faça login para aceder a este conteúdo. 
13/04/2021

Boa tarde.

Gostava de saber o que é necessário adquirir (licenciamento, etc), para ter a minha própria unidade de produção de energia fotovoltaica, um conjunto de painéis destinados exclusivamente à venda.

E se o contrato é negociado diretamente com a empresa elétrica a que irei vender a energia? Com a REN?

Muito obrigado,
fcorreiapais@gmail.com

Faça login para aceder a este conteúdo. 
13/04/2021

Gostaria e agradeço a evolução deste assunto, pois produzo e poderei vender o excedente
fcorreiapais@gmail.com

Faça login para aceder a este conteúdo. 
12/04/2021

Boa tarde
Há uns seis anos, instalei dois painéis fotovoltaicos com capacidade de produção de 500 kw. Aquando da assinatura do contrato para a instalação com uma empresa privada e ainda antes desta sem feita, para meu espanto vieram cá a casa dois funcionários da EDP trocar o contador bi-horário, por isso ainda recente, que após eu ter perguntado a razão da troca, me perguntaram se eu ia instalar painéis para autoconsumo, ai que respondi que sim. Fiquei então a saber que a empresa a quem comprei o sistema de autoconsumo, terá comunicado a alguém que por sua vez comunicou à EDP que eu iria instalar os ditos painéis, e que o contador teria de ser trocado precisamente por esse motivo. A única explicação que me deram. foi que o novo contador estava preparado para fazer a leitura automática, sem ser preciso eu ter de dar a leitura ou ser feita por um funcionário da EDP. Outro dado que me foi dado, foi que eu conseguia ler através de um indicador, se eu estaria a consumir energia da rede, ou se o excesso de produção estaria a ser injectado na rede. Já lá vão seis anos e nunca mais os vi, continuando eu ter de comunicar a leitura porque o contador não o faz.
Aquilo que sei e posso garantir, é que ando a injectar na rede grande parte da produção que não consumo porque o tal indicador em forma de seta, aponta para o lado que indica a rede.
Confesso que desconhecia o facto da produção que é injectada, ser paga ou deduzida na facturação, o que não deixa de ser curioso a EDP não me ter informado desse facto, porque eu não os informei que ia instalar painéis fotovoltaicos e eles bateram-me à porta para trocar o contador. E aqui coloco a questão: Qual o interesse da EDP na urgência na troca do contador mesmo antes da instalação dos painéis ter sido efectuada? Porque não me informaram do benefício a que tinha direito no excesso de produção injectada na rede?
Porque é que quando é para o cidadão pagar, a informação é rápida, mas sendo para receber, a informação perde-se pelo caminho?
Uma vez que, ao fim de seis anos tenho conhecimento do facto através deste site, pergunto como e a quem posso pedir esclarecimento por estar a injectar energia na rede todos estes anos, sem que me tenham informado dos meus direitos.
Quanto à questão do custo dos contadores, aquando da troca do meu contador, não me foi cobrado nada e nem me passava pela cabeça fazê-lo caso me fosse apresentado algum custo. Por regra eu já sou contra o pagamento de qualquer contador, seja ele de luz, gás ou água, porque o contador é um equipamento pertença do operador e que está instalado em casa de cada um para benefício do operador.. Mas como já alguém aqui referiu, estamos em Portugal e aqui acontece de tudo, fenómenos inimagináveis, como na semana passada, num determinado tribunal, onde um determinado juiz absolveu um acusado réu acusado pelo próprio juiz de corrupção. Portugal é uma espécie de Entroncamento, mas em maior escala.
O meu obrigado a quem me possa ajudar a tornar a EDP uma empresa honesta.

Faça login para aceder a este conteúdo. 
22/04/2021
, Respondeu:

Bom dia,

A instalação da unidade de produção de energia em Autoconsumo (UPAC) tem de ser registada no site da Direção Geral de Energia e Geologia (DGEG) pela empresa ou técnico responsável que a executou e após esse registo a E-Redes (antiga EDP) é informada e o contador é trocado por um contador bidirecional e que possibilite o envio dos dados de forma automática.

O contador é trocado para que no caso de haver energia injetada na rede, a mesma não seja contabilizada como consumo.

Sugerimos que contacte a E-Redes, linha de Autoconsumo e peça para verificarem se o seu contador está a enviar as leituras ou se deve ser substituído.

Relativamente à possibilidade de vender o excesso de energia, essa informação consta da legislação em vigor (decreto de lei nº 162/2019) e no caso de desejar avançar com esse processo terá de solicitar a atribuição de um código de ponto de entrega (CPE) de produção e efetuar um contrato com o comercializador de ultimo recurso (CUR) ou por outro comercializador do mercado livre. Poderá consultar a ACEMEL (Associação de comercializadores de energia no mercado liberalizado) e obter a informação relativa aos comercializadores que neste momento estão a comprar energia proveniente das UPAC`S.

Visto que o valor de venda é baixo (0.035€ por KWh ou menos) é preferível que tente utilizar ao máximo a energia produzida sem que a mesma seja injetada na rede.

Contacte a empresa que lhe executou o trabalho e avalie junto dos mesmos a possibilidade de colocar um sistema de monitorização, para que assim possa saber o seu consumo e a produção dos painéis. Com base nesta informação pode perceber em que alturas tem excedente de energia e por exemplo colocar um equipamento a funcionar para aproveitar essa energia.

Cumprimentos,

Equipa das energias renováveis

Faça login para aceder a este conteúdo. 
09/04/2021

Boa tarde,
Necessito, por favor, de uma opinião.
Para uma vivenda com um consumo médio anual de 3600kWh, será que uma Unidade de produção para autoconsumo (UPAC) de 1,8 kWp (4 paineis de 450w) será a solução ideal?
Não tenho interesse em vender à rede, pois o preço de compra é baixíssimo e creio que não compensa o investimento necessário.

Obrigado.

Faça login para aceder a este conteúdo. 
14/04/2021
, Respondeu:

Bom dia,
A avaliação do consumo através de faturas não é 100% correta e o ideal seria a colocação de um equipamento de medição no seu quadro elétrico para que assim possa perceber qual a variação do consumo ao longo do dia. No caso de ter corrente trifásica também irá permitir perceber se as fases estão equilibradas.
Com base nesta informação então deve escolher a UPAC que melhor se adequa ao seu perfil de consumo, tendo em conta também as condições para a aplicação dos painéis fotovoltaicos, nomeadamente a área disponível, orientação e inclinação do telhado ou cobertura.
Considerando que o valor anual de consumo é de 3600KWh, teríamos em média 300KWh mensais e 10KWh diários. Se considerarmos a instalação de uma UPAC com 1.8KW, em média irá produzir 7,2KWh dia. Mas não conhecendo o perfil de consumo diário, pode haver excedente e ser injetado na rede.

Pode optar pela colocação de um inversor hibrido (permite upgrade para baterias de Lítio) colocado numa zona técnica e interligado com o quadro elétrico principal (QP). É importante que exista internet junto do inversor e uma tubagem desde o inversor ao quadro elétrico principal (QP) para a colocação de cabo de comunicação. Também deve ser garantido no QP um espaço para o equipamento de medição de consumos, mas algumas marcas utilizam transformadores de intensidade.
Tendo em conta que os inversores híbridos começam com potências de 3KW, implica que terá de ter instalada essa potência em painéis fotovoltaicos ou um pouco menor, mas que seja suficiente para fazer arrancar o inversor.
Numa primeira fase aconselho a que não sejam instaladas as baterias e posteriormente com base na produção versus o consumo pode fazer o “upgrade” à instalação.
Contacte duas ou três empresas da sua zona de residência e solicite uma visita técnica e respetivos orçamentos.
Cumprimentos,
Equipa das energias renováveis

Faça login para aceder a este conteúdo. 
12/03/2022
, Respondeu:

Boa tarde.
Agradeço a sua resposta. Instalei um sistema de 4 paineis de 450W cada e um inversor da Huawei SUN2000 2KTL – L1.
Desde o início do ano e tal como referiu está a produzir uma média de 7 kWh/dia (últimos 70 dias)
Mais tarde, dia 2 deste mês coloquei um smart power, que faz as leituras do sistema e a média dia deste período (9 dias) são:

Produção: 7.56kWh; auto-consumo: 3.25 kWh

sendo portanto a injecção na rede a diferença de 4.31kWh.
Na minha página pessoal da Eredes o valor injectado é muito similar (4.25), pois deve reflectir os acertos de 15/15 minutos.
Vou-me informar sobre a aplicação "Home Assistant", no sentido de ver se posso utilizar a produção excedente no sistema solar de aquecimento de água, evitando a alternativa do gás. Não sei de será rentável, pois de verão o sol chega e de inverno, só valerá a pena se a aplicação desviar para a caldeira apenas o que seria injectado na rede e não estiver a fazer falta no meu consumo "caseiro".

Já agora alerto para o facto de os sistema terem de ser imediatamente registados na DGE/EREDES, para alterar o contador para bi-direccional, pois senão o excedente injectado na rede será considerado como consumo.

Saudações

Faça login para aceder a este conteúdo. 
17/03/2022
, Respondeu:

Bom dia,

 

A utilização da energia excedente produzida no aquecimento das AQS pode não ser muito viável, pois a resistência elétrica tem normalmente uma potência de 2KW, ou seja consome 8Amperes, superior à sua produção de energia.

Se a potência da resistência fosse variável varia sentido, ou eventualmente se utilizasse uma bomba de calor para AQS que em termos de consumo é inferior.

 

Analise a venda de energia excedente, pois o valor de compra pode não ser fixo e ser variável de acordo com o valor de compra de energia e atualmente face a situação atual pode compensar.

É necessário que o registo feito na DGEG tenha a indicação que está a injetar energia e tem de abrir atividade nas finanças para vender essa energia.

 

Verifique também qual o preço para aquisição de bateria de lítio da mesma marca, visto que o seu inversor é hibrido só teria de fazer a interligação que é simples. A potência mínima é de 5KWh.

 

Cumprimentos,

Equipa das energias renováveis

Melhor resposta
Faça login para aceder a este conteúdo. 
28/03/2021
Melhor resposta

Acabei de instalar 6 paineis fotovoltaicos. Verifico que produz energia a mais e que é perdida na rede. Aínda não contactei a EDP.
Dizem que pagam 3 centimos. E se eu pensar em armazenar em bateria. O que me dizem? Obrigado

Faça login para aceder a este conteúdo. 
19/07/2021
, Respondeu:

Bom dia Sr. Alberto Moreira,

Para que o passamos ajudar necessitamos que nos envie uma descrição do equipamento que foi instalado, nomeadamente:

  • Potencia, marca e modelo dos painéis fotovoltaicos;
  • Potência, marca e modelo dos microinversores ou inversor que foi instalado;
  • Marca e modelo do equipamento de medição dos consumos elétricos, colocado no quadro principal;

 A E-Redes é contactada pela DGEG para substituição do seu contador, após o registo da UPAC no site da DGEG, feito pelo técnico certificado de instalações elétricas ou empresa certificada.

 Relativamente ao valor pago, este pode variar entre os 3 cêntimos e os 4,5 cêntimos (valores fixos), pois depende da entidade que lhe comprar a energia. Poderá consultar a ACEMEL (Associação de comercializadores de energia no mercado liberalizado) e obter a informação relativa aos comercializadores que neste momento estão a comprar energia proveniente das UPAC`S.

 A acumulação em baterias só é possível em alguns situações e irá depender da marca dos equipamentos que estão instalados.

 Cumprimentos,

Equipa das energias renováveis

Faça login para aceder a este conteúdo. 
08/08/2021
, Respondeu:

Boa noite Sr Pedro Pampulha. Desculpe o atraso com o envio dos dados. Seis módulos c/ potencia de 2.250Wp, TIER1 s-ENERGY Monocristalino, Perc 375W.
Um Inversor HUAWEI SUN2000-4KTL-MO trifásico.
A marca e modelo do aparelho de medição dos consumos eletricos colocado no quadro principal é: Smart PoweSensor DTSU666-H 250A/50mA 230/4000V,3~
Ao contratar a instalação pedi para que ficasse preparado para colocar bateria.
Comprimentos e obrigado.

Faça login para aceder a este conteúdo. 
16/03/2021

Bom dia,

Já tenho um contador bidirecional, instalado a cerca de 1 ano e a E-Redes enviou uma carta a indicar que tenho que pagar um contador novo porque o meu não é adequado, o que não corresponde à verdade.
Enviei novo contacto a informar que não era verdade, que o meu contador era um dos que estavam a instalar atualmente e que já era bidirecional.
O Problema é não estar numa zona ainda com capacidade de comunicar com este contador, terá que ser um por GPRS.

A minha duvida é, até por incapacidade da rede, temos que pagar contador novo?

A E-Redes vai cobrar um novo e depois ainda irá utilizar o meu para outro cliente, que até poderá pagar por ele, lucrando por um contador que já estava instalado.

Faça login para aceder a este conteúdo. 
17/03/2021
, Respondeu:

Olá Hélder, 

Respondendo à sua questão sobre os custos na substituição do contador: de acordo com o site da E-redes (https://www.e-redes.pt/pt-pt/unidades-de-producao-para-autoconsumo "Encargos com os equipamentos de medição"): 

"No caso das instalações Baixa Tensão Normal (BTN), e apenas quando se encontra planeada pelos operadores de rede a instalação na Instalação de Utilização (IU) de um equipamento de medição inteligente, no prazo máximo de 12 meses a contar da data do respetivo pedido de instalação, os operadores das redes são responsáveis pelos encargos associados à aquisição do equipamento de medição no ponto Contagem Consumo/Produção. Se o autoconsumidor quiser antecipar a substituição do referido equipamento, poderá fazê-lo, assumindo os encargos associados à aquisição do equipamento de medição.

Quando não se encontra planeada pelos operadores das redes a instalação na IU de um equipamento de medição inteligente, os autoconsumidores são responsáveis pelos encargos associados à aquisição do equipamento de medição a instalar no ponto de Contagem Consumo/Produção, e caso optem por adquirir o equipamento junto do respetivo operador de rede, aplica-se o preço regulado definido pela ERSE…”

No site, pode encontrar, também, as datas e os locais onde os contadores vão ser substituídos, consultando os Concelhos e Freguesias abrangidos pelo Plano de 2021 e 2022.

Assim, não é necessário qualquer pagamento pela substituição do contador, desde que esteja planeada a substituição do mesmo pela E-Redes num período até 1 ano a partir da data do respetivo pedido de instalação.

Se desejar antecipar a troca do equipamento, a carta que normalmente irá receber da E-Redes apenas apresentará duas opções:

  • Opção 1.1 - A E-Redes procede à troca do contador existente por um contador bidirecional, cujos custos estão definidos na diretiva nº 1/2021 da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) e são os seguintes: contadores monofásicos – 79,99€ + IVA e contadores trifásicos – 115,39€ + IVA.

  • Opção 1.2 - Aquisição do equipamento bidirecional junto de outra entidade, de acordo com os requisitos de interoperabilidade aplicáveis aos equipamentos de medição, desde que conste da lista de equipamentos de medição qualificados. A instalação e parametrização deste equipamento será realizada pela E-Redes, sem qualquer custo adicional.

Obrigado, 
Equipa de Energias Renováveis

Faça login para aceder a este conteúdo. 
29/03/2021
, Respondeu:

Boa tarde ,instalei 20 paneis solares há cerca de 1 ano.
Fiz o registo na devida entidade e paguei a taxa para poder vender o excedente.
De fevereiro a junho de 2020 ,tudo funcionou bem ,recebemos por parte da S.U o valor do excedente de energia(a S.U so paga o excedente de 3 em 3 meses). Eram meses de inverno ,a nossa fatura da Efp comercial reduziu muito ,estávamos nos satisfeitos.
A partir de junho de 2020,comecei a receber faturas com leituras de consumo estimado e não consumo real,faturas essas com valores elevadíssimos!
Entrei em contacto com a Edp comercial que me disse que a culpa eta da edp distribuição, entrei em contacto com essa entidade que atirou as culpas para a edp comercial. Uma vergonha!
Em janeiro deste ano ,recebi uma nota de crédito que supostamente me devve o que paguei a mais de junho a dezembro.
Em fevereiro recebo uma fatura para pagar de 412 €,já fiz reclamações, inclusive no livro online. A resposta por parte da e-redes é que está tudo a funcionar bem agora e que as contagens estão a ser feitas com sucesso.
Acho impossivel depois de ter 20 paneis a produzir ,6 baterias para acumular excedente,pagar contas tão elevadas.
Posso pedir a vistoria ao contador por outra entidade ?
A e redes já enviou um funcionário em Outubro mas via se bem que ele não percebia nada de UPAC,nem sabia que a contagem era feita em periodos de 15min.

Faça login para aceder a este conteúdo. 
15/07/2021
, Respondeu:

Boa tarde

Caso para a freguesia onde resido ainda não esteja planeado a troca por equipamentos de medição inteligente, sou obrigado a adquirir um desses equipamentos e suportar os custos, ou posso simplesmente aguardar que a e-redes decida fazer a troca?

Obrigado

Faça login para aceder a este conteúdo. 
19/07/2021
, Respondeu:

Bom dia Sr.ª Olinda Moura,

Vimos por este meio perguntar se o problema ficou resolvido ou se necessita de alguma ajuda da nossa parte.

Relativamente à questão do contador, pode solicitar por exemplo ao Instituto de Soldadura e qualidade (ISQ) uma inspeção ao nível da instalação elétrica e desta forma verificar se existe algum problema associado à instalação da UPAC e sua interligação com o contador bidirecional.

De acordo com a legislação e visto estar descontente com o serviço prestado pode alterar os contratos de fornecimento e venda de energia excedente. pode fazer o contrato com o comercializador de ultimo recurso (CUR) https://www.erse.pt/eletricidade/funcionamento/comercializacao/#comercializadores-de-ultimo-recurso-(cur) ou com outro comercializador do mercado livre. Poderá consultar a ACEMEL (Associação de comercializadores de energia no mercado liberalizado) e obter a informação relativa aos comercializadores que neste momento estão a comprar energia proveniente das UPAC`S.

O Sistema que está instalado permite o seu acompanhamento através do portal da internet da marca, conseguindo assim visualizar a produção, consumo, armazenagem e injeção na rede? Esta informação é essencial para perceber se o sistema está a funcionar corretamente e quais as ações necessárias para o seu melhoramento, como por exemplo a aquisição de mais uma bateria para não estar a injetar energia na rede. Consegue enviar-nos uma descrição da UPAC que foi instalada, com indicação da potência e marca, dos painéis, inversor e baterias?

Com os melhores cumprimentos,

Equipa das energias renováveis

Faça login para aceder a este conteúdo. 
11/03/2021

Acabei de instalar painéis fotovoltaicos para produção de energia para auto consumo sou obrigado a comprar a E-Redes o contador bidirecional?

Faça login para aceder a este conteúdo. 
12/03/2021
, Respondeu:

gostaria que alguém me responde se a minha pergunta.

Faça login para aceder a este conteúdo. 
14/03/2021
, Respondeu:

Bom dia,
De acordo com a legislação em vigor, a UPAC tem de ter um equipamento de medida da energia adequado para registo quer da energia consumida como cliente, quer da energia injetada como produtor, em períodos de contagem de 15 minutos.
Após registo da UPAC no site da DGEG, a E-Redes envia-lhe um email informando que tem duas opções:
Opção 1.1 - A E-redes procede à troca do contador existente por um contador bidirecional, cujos custos estão definidos na diretiva nº 1/2021 da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) e são os seguintes: contadores monofásicos – 79,99€ + IVA e contadores trifásicos – 115,39€ + IVA.
Opção 1.2 - Aquisição do equipamento bidirecional junto de outra entidade, de acordo com os requisitos de interoperabilidade aplicáveis aos equipamentos de medição, desde que conste da lista de equipamentos de medição qualificados. A instalação e parametrização deste equipamento será realizada pela E-redes, sem qualquer custo adicional.
Cumprimentos,
Equipa das energias renováveis

Faça login para aceder a este conteúdo. 
03/03/2021

Boa Tarde
No final do ano passado coloquei um sistema fotovoltaico de 1.5kW, e em certas alturas do dia tenho algum excedente, a minha questão prende-se com o facto de ter recebido na altura uma carta da EDP renováveis a informar que deveria alterar o contador para um bidirecional por um custo de 63€, será que vale a pena gastar estes 63€ alguma vez vou ter o retorno na venda de energia?

Faça login para aceder a este conteúdo. 
09/03/2021
, Respondeu:

Bom dia,
As unidades de produção em autoconsumo (UPAC) estão sujeitas a um registo no site da Direção Geral de Energia e Geologia (DGEG) e tendo em conta que a potência instalada é inferior a 1,5KW apenas é necessária uma Mera Comunicação Prévia (MCP). Após esse registo ser efetuado, a DGEG informa a E-Redes e é feita a troca do contador existente por um contador bidirecional, cujos custos estão definidos na diretiva nº 1/2021 da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) e são os seguintes: contadores monofásicos – 79,99€ + IVA e contadores trifásicos – 115,39€ + IVA.
No caso de não efetuar essa troca a energia injetada, pode ser considerada como consumo, pelo que aconselhamos a instalação do referido contador.
Neste momento como sabe que está a injetar energia? Qual o dispositivo que foi instalado?
Cumprimentos,
Equipa das energias renováveis

Faça login para aceder a este conteúdo. 
02/05/2022
, Respondeu:

Boa noite

Julgo conveniente fazer uma pequena (que afinal é grande) correção.
O limite de potência das UPAC para mera comunicação prévia (MCP) é de 30kW e não de 1,5kW.
Decreto-lei 162/2019 de 25 de Outrubro, artº 3º.

Faça login para aceder a este conteúdo. 
22/02/2021

Sr. Paulo Santos,
E qual o valor do kWh que é creditado no mês seguinte?
É o mesmo valor que paga, 14 ou 15 cêntimos/kWh?
Ou é o valor do mercado energético, 3 ou 4 cêntimos/kWh?
Ainda não vi nenhuma informação sobre este assunto...