última atualização: 18/05/2020

Venda de excedente solar á rede, passo a passo

Já li vários post sobre este assunto inclusive aqui neste fórum mas nenhum foi esclarecedor, apenas se limitam a fazer copy paste da legalidades.

O que me falta saber é os passos que se devem tomar, com quem falar primeiro EDP, ERSE, DGEG ?

E o que preciso de cada um.

Já falei com estas entidades e nunhuma me soube dizer como proceder.

Tenho uma UPAC com perto de 5kw e 12.6kWh em baterias está e tenho um número MCP "não sei o que é"

Este sistema permite fazer injeção 0 ou de outro valor qualquer.

Quero vender o excedente á rede, como proceder logísticamente .

Obrigado

Alex

User name

Junte-se a esta conversa

Comentários

User name Moderator
14/05/2020
Ricardo José Coimbra Paiva Pereira | Moderador

Caro Alex, boas tardes.

O "número MCP" que indica é a referência da "Mera Comunicação Prévia" que deve ter sido efetuada. Contudo, achamos estranhos ter apenas e só a MCP pois indica que quer vender o excedente à rede o que obrigam ao cumprimento de obrigações legais e técnicas muitíssimo superiores a uma mera e simples comunicação prévia (reservada para UPACs de baixa potência e/ou quando não há venda de excedente à rede até certos patamares de potência instalada. Parece-nos existir aqui alguma confusão e que aconselhamos a que seja rapidamente esclarecida.

O primeiro passo é entrar em contacto com a DGEG pois é esta Entidade a responsável pelo registo e coordenação de todas as unidades de produção para autoconsumo e de pequena produção. Colocamos aqui o link do site da DGEG com os contactos: http://www.dgeg.gov.pt/?cn=636364478673AAAAAAAAAAAA. Também poderá aceder ao antgo SERUP (agora Portal do Autoconsumo) aqui: http://apps.dgeg.gov.pt/DGEG/.

Uma vez que já tem uma MCP, deverá consultar com a DGEG quais os procedimentos a seguir de modo a conseguir registar a sua UPAC corretamente (para fique com a possibilidade de vender o excedente à rede, desde que a sua instalação apresente já todos os requisitos técnicos necessários - por exemplo, a existência de um contador específico para a medição da eletricidade injetada na rede), pagar as taxas e esperar que a DGEG regularize a sua UPAC enquanto UPAC com venda de excedente à rede. Posto isto, deverá negociar com um operador de rede a compra do excedente e colocar a UPAC em funcionamento - repetimos, considerando que todos os requisitos técnicos e legais da instalação estão válidos.

Contudo, estranhamos a ausência, neste processo, do instalador do sistema de autoconsumo fotovoltaico. É muito importante que as empresas instaladoras dos sistemas fotovoltaicos para autoconsumo procedam a todo o registo burocrático dos sistemas, entregando o sistema no final em modo total de funcionamento - aliás, requisito bem presente no artigo do atual DL 162/2019.

A Equipa Energias Renováveis

User name
14/05/2020
alex ramos , Respondeu:

Que grande confusão, quando disse á empresa instaladora, Solar Impact, que queria vender o excedente a única coisa que recebi foi o MCP.
Vou voltar a falar com eles.
Obrigado

User name
18/05/2020
HENRIQUE JOSE ANTUNES DUARTE , Respondeu:

Neste momento é ERSE é a única responsável por não se estar a conseguir fazer contratos de venda de energia porque não regula essa situação ....

eu disclaimer

O projeto que deu origem a esta comunidade recebeu financiamento através do programa de investigação e desenvolvimento “Horizon 2020”, sob o contrato de subvenção nº749402. Nem a EASME nem a Comissão Europeia são responsáveis pela informação veiculada nem pela utilização das informações contidas na mesma.