última atualização: 21/10/2020

Quem compra excedente energia. Nova legislação autoconsumir.

Bom Ano Novo a todos!

Tenho 3 painéis solares, num total de 750w. Este ano de 2020 vou aumentar a instalação, por razões de economia, principalmente para contribuir para redução da pegada ecológica, para mais 20 painéis, 6000wp, 10 a nascente e 10 a poente.

Tenho disponibilidade financeira, no entanto gostaria de optimizar o meu investimento.

Questões práticas:

Quem compra o excedente de energia produzido;

A que preço;

Qual o meu investimento em contador de energia ou outras custas para a venda da energia?

Para mim já é negócio suficiente produzir uma boa parte da energia que consumo e injetar, mesmo de forma gratuita energia desde o nascer ao pôr do Sol.

Um Bom 2020 com mudança de paradigma energético.

User name

Junte-se a esta conversa

Participe nesta conversa, deixando o seu comentário ou questão em Produzir eletricidade da comunidade Energias Renováveis

4 Comentários

Filtrar por :
Faça login para aceder a este conteúdo. 
21/10/2020

Caro Pedro,
O preço da venda do excedente é ridiculamente baixo, inferior a 0,05€, enquanto compramos a cerca de 0,20€. Se tem disponibilidade financeira o melhor a fazer é instalar um inversor híbrido com baterias associadas para acumular a energia excedente durante o dia e gastá-lo à noite.

Melhor resposta
Faça login para aceder a este conteúdo. 
03/01/2020
Melhor resposta

Olá Pedro,

Agradecemos o seu contacto e aproveitamos para lhe desejar um excelente ano.

Valorizamos a sua preocupação na diminuição da pegada ecológica. No seu exemplo, e se tem disponibilidade financeira para investir, pode e deve não só diminuir a sua pegada ecológica como obter retorno financeiro, evitando a injeção de grandes quantidades de kWh para a rede a custo zero.

O investimento no contador e registo será pouco significativo para o que pode obter de acordo com a tarifa de venda €/kWh.

Aconselhamos em primeira análise a verificar toda a informação disponibilizada referente às Unidades de Pequena Produção (UPP) em SERUP da DGEG (http://www.dgeg.gov.pt/) e no novo portal do Autoconsumo (https://apps.dgeg.gov.pt/DGEG/).

Em http://www.dgeg.gov.pt?cr=16664 encontram-se respondidas algumas das dúvidas que possa ter. Caso continue com alguma dúvida, estamos disponíveis para esclarecer.

Sobre o orçamento na caixa e no contador e todo o equipamento que tenha que ser instalado e ligado, apenas uma empresa devidamente acreditada o poderá fazer. É aconselhada uma visita prévia ao local para verificar necessidades, entre elas, a localização possível do contador e distância do inversor, entre outros aspetos.

Um questão importante que gostava de salientar é a orientação dos painéis fotovoltaicos. É usual a instalação orientada para sul (ângulo 30º) para uma maior optimização diária. A orientação a nascente e poente também é possível, mas queremos alertar para as suas limitações e cuidados a serem levados em consideração.

As strings que ligam ao inversor devem ter seguimento MPTT independentes consoante as orientações e existem tecnologias fotovoltaicas, como por exemplo os de filme fino (silício amorfo), que conseguem um pequeno aumento da sua eficiência nestes casos.

A inclinação também é um fator importante pelo que a orientação a nascente ou poente reflete numa inclinação mais elevada para uma maior optimização.

Em https://re.jrc.ec.europa.eu/pvg_tools/en/tools.html#PVP pode verificar as diferenças de produção consoante a orientação, alterando os valores de azimute.

O tipo de orientação que descreve já é muito comum em países da Europa central/norte como a Alemanha, para que se tenha uma potência instalada superior para uma limitação de espaço.

Esperamos ter ajudado.
Caso tenha mais alguma questão, disponha.

Obrigado,
Equipa Energias Renováveis

Faça login para aceder a este conteúdo. 
16/01/2020
, Respondeu:

Boa tarde,

Agradecido pelo esclarecimento, no entanto mantenho uma dúvida que é essencial. Com a actual legislação, o excedente de energia terá que ser vendido ou oferecido entre cooperativas de produtores ou existe alguma limitação legal para as distribuidoras de energia comprarem o excedente.

Assim, seria muito mais conveniente que a empresa a quem o produtor compra energia, EDP Comercial, Iberdrola, Endesa, Galp Energia, Energia Simples ou muitas outras comprassem o excedente, mesmo com valores inferiores ao mercado MIBEL.

Esses acordos comerciais deveriam ser simples e que permitissem a mudança de fornecedor de uma forma fácil. Existe alguma empresa actualmente com interesse em comprar energia verde a baixo custo?

Obrigado,

Pedro Martins

Faça login para aceder a este conteúdo. 
17/01/2020
, Respondeu:

Olá Pedro,
Agradecemos a questão e aproveitamos para abrir esta discussão a toda a comunidade.

Entretanto, sugerimos que consulte a informação disponibilizada no site do OMIE. Verificará que no ano de 2019 a média aritmética foi na ordem dos 60 EUR/MWh em janeiro. No início deste ano, o valor médio de mercado caiu abaixo dos 40 EUR/MWh.

Para finalizar, consulte, também, o site da Coopérnico – Energia verde, sustentabilidade e cidadania, com quem partilha a preocupação pelo desenvolvimento sustentável!

Obrigado,
Equipa Energias Renováveis

eu disclaimer

O projeto que deu origem a esta comunidade recebeu financiamento através do programa de investigação e desenvolvimento “Horizon 2020”, sob o contrato de subvenção nº749402. Nem a EASME nem a Comissão Europeia são responsáveis pela informação veiculada nem pela utilização das informações contidas na mesma.