última atualização: 28/04/2020

Monocristalino ou Policristalino melhor Produção

Boas tardes, estou para adquirir um KIT de paineis FV, mas como no vosso simulador os mesmos não estão referidos, venho por este meio solicitar, qual a melhor opção:

  • Kit Autoconsumo 1450W com 5 Módulos Rec TwinPeak 290W Policristalinos  + 1 Inversor Solax X1 1.5
  • Kit Autoconsumo 1340W com 4 Módulos LG Neon 2 335W Monocristalinos  + 1 Inversor Solax X1 1.5

Sendo a minha casa virada a sul com telhado plano e amplo na zona de Oeiras, qual a melhor decisão, monocristalino ou policristalino, assim o que premitir uma maior rentabilidade e eficiencia anual sendo que a proposta apresenta preços identicos.

Cumprimentos

Vasco 

 

User name

Junte-se a esta conversa

Comentários

User name Moderator
24/05/2019
Bruno Miguel | Moderador

Olá Vasco,

Será importante explicitar um pouco as diferenças entre as duas tecnologias que refere: um módulo fotovoltaico é composto por várias células de silício, que são produzidas a partir de "bolachas" submetidas a vários processos, com a impressão dos contactos metálicos frontais e posteriores para possibilitar a recolha dos eletrões libertados através do efeito fotovoltaico.
A tecnologia é similar para ambos os casos descritos, mas a pureza do silício é um pouco superior, no caso das células monocristalinas, podendo significar uma eficiência, por m2, um pouco superior, quando comparado com as de policristalino.
Sendo um pouco superior, no caso do monocristalino, por vezes podemos encontrar painéis que têm menos área de captação aproveitada. A diferença de tecnologias tem um grande impacto quando existe limitações de espaço. Pode até encontrar painéis fotovoltaicos de tecnologia policristalina que produzem mais energia que um painel monocristalino. Depende do aproveitamento total da área do módulo com as células.

Na maioria dos casos as células de silício monocristalinos são produzidas a partir de “bolachas” (em inglês: “Waffles”) onde as extremidades são cortadas, sendo a sua área de captação mais diminuta, não diferenciando, em muito, a diferença de produção de um painel monocristalino para policristalino, pois, apesar da célula menos eficiente (poli), a área de absorção é maior.

Chamo a atenção que um dos módulos (LG Neon2) apresentados é bifacial, sendo usado um "transparente" na folha de trás. Assim, possibilita uma maior área de captação, em alturas em que o sol se apresenta pela direção mais a norte, absorvendo maior irradiância durante o dia (no verão) e, se a sua disposição assim o permitir.

Equipa Energias Renováveis

User name Moderator
28/04/2020
Ricardo José Coimbra Paiva Pereira | Moderador , Respondeu:

Bons dias.

Só uma questão: não temos 100% de certeza de que os módulos da LG sejam bifaciais (não sendo indicado uma referência de produto, não conseguimos clarificar essa informação). Isto porque a LG lançou a série NeOn2, NeOn 2 Black e NeON 2 Bifacial.

A Equipa Energias Renováveis

User name
27/04/2020
Joaquim Costa

estou a pensar por um kit de 6 painéis para autoconsumo de energia tendo já duas propostas mas gostava de ajuda de qual será melhor
paineis monocristalino fabricante alemão e o inversor da sma de 1.5kw
o outro
solius módulos solar performance 300 wp (fpa300a) inversor solax x1-mini 1.5 kw

Agradeço a ajuda.

User name Moderator
28/04/2020
Ricardo José Coimbra Paiva Pereira | Moderador , Respondeu:

Caro Joaquim,

Com a escassa informação que partilha connosco, pouco ou nada poderemos dizer. Se tem duas propostas, presumimos que as mesmas, para a localização da habitação (zona do país, inclinação e orientação dos paineis), paineis de cada sistema e inversores utilizados, comprimentos de cablagem... apresentem simulações de produção anual, certo?

Se as propostas não indicam, peça essa mesma simulação: os instaladores têm à sua disposição ferramentas profissionais que lhes permitem simular o desempenho de cada sistema fotovoltaico, atendendo a todas as particularidades individuais de cada sistema.

Não há "um sistema melhor que outro": há "n" soluções possíveis, com "n" particularidades que deverá verificar. Qual o sistema que mais eletricidade produz? Qual o custo destes sistemas? Quais as garantias de cada componente do sistema? Qual a confiança e força das marcas dos componentes? E isto são só alguns dos critérios que se devem considerar...

Depois, presumimos também que um sistema de autoconsumo com quase 1500W tenha sido verificado pelos instaladores. Ou seja, assumimos que, em pico de produção do sistema fotovoltaico (no intervalo 11h - 14h, mais coisa, menos coisa) a sua habitação tem, todos os dias, um consumo de eletricidade superior sempre aos 1500W, correto?

Ou seja, os instaladores (ou o Joaquim) procederam à medida e tipificação do perfil de consumo do local de instalação e verificaram que o perfil de consumo da mesma está totalmente alinhado com o da produção do sistema fotovoltaico, correto?

Fazemos esta questão pois é um costume assistirmos a sistemas fotovoltaicos para autoconsumo completamente sobredimensionados - por exemplo, basta que as habitações estejam vazias durante o dia, com consumos residuais dos eletromésticos (em pico, na casa dos 200 a 300W) para que os sistemas fotovoltaicos estejam o dia todo a entregar eletricidade à borla à RESP.

Obrigado, 
Equipa Energias Renováveis.

eu disclaimer

O projeto que deu origem a esta comunidade recebeu financiamento através do programa de investigação e desenvolvimento “Horizon 2020”, sob o contrato de subvenção nº749402. Nem a EASME nem a Comissão Europeia são responsáveis pela informação veiculada nem pela utilização das informações contidas na mesma.