última atualização: 20/09/2018

Custos e documentação necessária em fotovoltaico

Boa tarde 

Gostaria de instalar um kit solar com a seguinte configuração:

18 painéis 280w

1 inversor 5kw 48v

4 baterias 12v 250ah agm

Mas gostaria de saber quais as taxas a pagar pela instalação e os trâmitos brucraticos que existem para instalação do mesmo. 

Obrigado

Junte-se a nós

Esta informação foi útil e ajudou-o? Para apoiar a nossa comunidade, registe-se no site. É gratuito, demora menos de um minuto.

  • Pode perguntar e pedir conselhos
  • ler as contribuições dos nossos membros
  • dar o seu contributo 
  • receber o feedback de um especialista em energias renováveis.

Registe-se em DECO PROTESTE para participar.
Entrar ou Registar

Comentários

User name Moderator
Bruno Miguel | Moderador
21/08/2018

Olá Abílio Dias,

A DGEG é a entidade que gere os trâmites burocráticos sobre a produção de eletricidade por intermédio de Unidades de Produção (UP), sendo regulada pelo Decreto- Lei nº 153/2014 de 20 de outubro, que estabelece:

- A produção de eletricidade vendida na sua totalidade à rede elétrica de serviço público (RESP),   por intermédio de instalações de pequena potência (UPP), a partir de recursos renováveis;


- A produção de eletricidade destinada ao autoconsumo na instalação de utilização associada à   respetiva unidade produtora, com ou sem ligação à rede elétrica, baseada em tecnologias renováveis   ou não renováveis.

Na área dedicada ao SERUP é possível verificar o enquadramento Legal do Decreto- Lei nº 153/2014 e seguintes Portarias. 

Para uma melhor adequação dos trâmites burocráticos é necessário uma correta definição do tipo de unidade de produção que pretende instalar, se um sistema de Autoconsumo (UPAC) ou Unidade de pequena Produção (UPP) com injeção na rede e venda da energia elétrica.

A exemplo, a Portaria n.º 32/2018, de 23 de janeiro define a tarifa de referência aplicável às unidades de pequena produção (UPP) para o ano de 2018. Neste caso a produção anual deverá ser inferior a 2x consumo da instalação sendo necessário Registo + certificado de exploração + Inspeções obrigatórias.

Se pretender um sistema de Autoconsumo (UPAC) é necessário Registo+certificado de exploração: Entre 1,5 kW e 1MW via plataforma electrónica. No caso de instalar 5kWn de potência fotovoltaica com a possibilidade de venda do excedente instantâneo ao CUR ou armazenamento em baterias. Um dos requisitos para esta solução é a produção anual dever ser inferior às necessidades de consumo.

Aconselho nesta fase inicial que aceda ao link RESPOSTAS A PERGUNTAS FREQUENTES e as tarifas de referência para cada ano civil para uma melhor obtenção de informação de acordo com o que pretende.

O artigo 24º do Decreto-Lei 153/2014 define valor da energia injetada pelo produtor como 90% dos preços de fecho do Operador do Mercado Ibérico de Energia (OMIE). Isto significa que o valor varia mensalmente, podendo verificar em http://www.omie.es/pt/inicio

Permita-me que pergunte, como dimensionou e chegou à conclusão do sistema referido de 5kW e baterias?

Com os melhores cumprimentos

Equipa Energias Renováveis

User name
ABILIO DIAS ,Respondeu:
28/08/2018

Boa noite

Desde já agradeço as respostas.

E pelo que entendi para um sistema de autoconsumo apenas é necessário o registo na DGER , certificado de exploração e a instalação não ser autosuficiente, certo?

Quem emite esse certificado?

Quanto ao cálculo foi realizado com base numa previsão de consumo.

500kw/mês

Ou seja

16.7kw/dia
Considerando média 5 horas de sol diário

16.7/5=3.34kwh

Sendo o sistema de 48V temos que ter mutiplos de 3 painéis em série.

Ou seja, 3340w/250w=13.36 painéis
O próximo mutiplo de 3 são 15 painéis.

Penso estar a calcular bem Sr. Bruno

User name Moderator
Bruno Miguel | Moderador ,Respondeu:
07/09/2018

Boa tarde Abílio,

Estive a analisar o seu perfil de consumo, e antes de falarmos num possível dimensionamento das baterias, chamo a atenção sobre potência fotovoltaica de pico que pretende instalar Vs consumo previsto.

Para 18 painéis de 280W resulta em aproximadamente 5040 Wp. Em Portugal no inverno é normal utilizarmos para um cálculo simplificado as horas solares, correspondendo a 3h no inverno e até 6h no verão pese zonas geográficas dispares.

Assim apesar de no inverno produzir aproximadamente o que consome por mês, 15kWh/dia, no verão terá um grande excedente que será enviado para a rede possivelmente a custo zero ou a tarifa geral. Esta solução justifica-se para uma solução de sistema autónomo com dias de autonomia superior a 1 dia, evitando possíveis falhas no consumo elétrico nos dias onde o sol está encoberto.

O dimensionamento do sistema fotovoltaico é diferente consoante está ligado à rede ou sistema autónomo (independente).

 Está previsto a ligação à rede? Pretende instalar 15 painéis 250W ou 18 painéis de 280W?

 Com os melhores cumprimentos

 Equipa Energias Renováveis

User name
ABILIO DIAS ,Respondeu:
08/09/2018

Bom caro Bruno

Obrigado pela resposta.

Gostaria que me indicasse se tiver disponibilidade, na qual a potência de pico solar a instalar, na sua opinião, para um consumo estimado de 500kw mês, com ligação á rede.
Obrigado

User name
PAULO GOMES ,Respondeu:
16/09/2018

Boa Tarde Sr Bruno, pelo que postou é possível uma instalação de autoconsumo e vender o excedente há rede para isso a produção anual deve ser inferior às necessidades?

Cumprimentos

User name Moderator
Bruno Miguel | Moderador ,Respondeu:
20/09/2018

Olá, Abílio Dias.

Não sabendo como é distribuído durante o dia o consumo de 500 kWh/mês apenas conseguimos fazer considerações aproximadas, correndo o risco de sub-dimensionar ou sobredimensionar o sistema.

A DECO Proteste publicou, na edição de setembro 2018, testes comparativos aos sistemas de monitorização mais representativos e comercializados em Portugal. Nesse artigo, explicamos como obter os consumos elétricos diários, providenciando um histórico energético elétrico. Estes equipamentos podem ser instalados nos quadros elétricos ou em tomadas, caso pretenda saber o consumo específico de um determinado eletrodoméstico.

Nos referidos testes, foram testados — em laboratórios independentes — os dispositivos provenientes de marcas como a Smappee, Mirubee, Cloogy, IPDOMO, Efergy e Owl USB. Como resultado, atribuímos o selo de “Melhor do Teste” ao Smappee Energy e a “Escolha Acertada” ao Mirubee box. Alerto para verificar a intensidade de corrente máxima admissível (A) no dispositivo.

Existem várias possibilidades de cálculo sobre o dimensionamento fotovoltaico e algumas delas podem ser inviáveis devido aos altos investimentos agregados, sendo imprescindível ter uma noção do historial de consumo durante o dia. Caso não tenha possibilidade de instalar um sistema de monitorização prévio, para verificar o seu historial de consumo, deve fasear a instalação e no futuro fazer "upgrades" para ajustar ao seu perfil de consumo.

Assim, pode começar por um Autoconsumo (sem baterias), menor investimento e simplificação burocrática.

A exemplo, se 500kWh/mês e supormos 15kW/h/dia em que apenas 5 kWh são consumidos uniformemente durante o horário solar, 1,5 kWp de poténcia instalada PV seriam totalmente consumidos no inverno. No verão produzia aproximadamente 7-9 kWh excedendo o consumo previsto. Lembre-se sempre que o que produz deve ser automaticamente consumido pela casa. Pode estar a produzir 1,5kWh num determinado instante, mas se apenas está a consumir 1kWh, 500W serão injetados na rede ou para uma bateria.

O nosso conselho vai no seguimento de verificar o consumo durante em horário solar. Para a escolha acertada, a análise dos consumos deve ser criteriosa.

Caso o consumo seja maioritariamente fora do horário solar, o autoconsumo pode torna-se inviável podendo pensar realmente no dimensionamento de sistemas com baterias.

O seu consumo como está distribuído durante o dia?

Com os melhores cumprimentos
Equipa Energias Renováveis

eu disclaimer

O projeto que deu origem a esta comunidade recebeu financiamento através do programa de investigação e desenvolvimento “Horizon 2020”, sob o contrato de subvenção nº749402. Nem a EASME nem a Comissão Europeia são responsáveis pela informação veiculada nem pela utilização das informações contidas na mesma.