última atualização: 06/07/2018

Aproveitar o vento

Vivo numa zona muito ventosa, como posso saber se é rentavel aproveitar a energia do vento seja para autoconsumo ou vender à rede, se é que é possivel?

 

Obrigado

Junte-se a nós

Esta informação foi útil e ajudou-o? Para apoiar a nossa comunidade, registe-se no site. É gratuito, demora menos de um minuto.

  • Pode perguntar e pedir conselhos
  • ler as contribuições dos nossos membros
  • dar o seu contributo 
  • receber o feedback de um especialista em energias renováveis.

Registe-se em DECO PROTESTE para participar.
Entrar ou Registar

Comentários

Melhor resposta
User name Moderator
Bruno Miguel | Moderador
03/07/2018
Melhor resposta

Olá João,


A sua pergunta é pertinente e pouco discutida em fóruns. A informação respeitante a este setor é ainda muito carente.

A unidade de produção para autoconsumo (UPAC) permite produzir localmente a própria energia e contribuir diretamente para o abatimento dos custos energéticos da habitação. Os sistemas para autoconsumo podem utilizar mais que uma fonte de energia, como por exemplo solar fotovoltaico e eólico. Neste sentido, e de acordo com o Decreto Lei n.º 153/2014, se utilizar uma míni eólica para UPAC, toda a energia produzida pode ser consumida. Numa UPP (venda à rede), o mesmo já não acontece, a tarifa a aplicar varia consoante o tipo de energia primária utilizada, sendo determinada mediante a aplicação da percentagem de 100% para fotovoltaico e 80% para eólico (calculada à tarifa de referência).

O Consumidor ao investir em uma míni eólica deve ter em consideração a possível produção de energia elétrica 24h/dia. Ao contrário do fotovoltaico, com um intervalo específico durante o dia solar para produção elétrica. Apesar de o espaço temporal, e a possibilidade de autoconsumo à noite ser uma vantagem, a sua produção é menos previsível que o fotovoltaico e pode demonstrar resultados pouco satisfatórios quando mal dimensionada ou instalada.

Uma avaliação correta do potencial eólico tem de se basear em medições de vento efetuadas especificamente para esse efeito para além da avaliação das características do local. Apresentamos alguns dos principais fatores de influência, no regime de ventos: 
• Características topográficas do local. O relevo que pode causar efeito de aceleração ou desaceleração no escoamento do ar;
• A variação da velocidade com a altura;
• A rugosidade do terreno, que é caracterizado pela vegetação, utilização da terra e construções;
• A presença de obstáculos nas redondezas A turbulência afeta a conversão de energia, principalmente devido às variações na direção do vento. Deste modo, por estar “muito vento” não significa que tenhamos um vento de “qualidade” para produção elétrica.
Outro fator é o investimento e as potências encontradas no mercado.

O autoconsumo teve um grande crescimento devido à potencialidade de as famílias poderem instalar pequenas potências com 200W a baixo custo.
É difícil encontrar turbinas eólicas com potências abaixo dos 350W sendo o investimento relativamente mais alto em comparação à instalação de um simples painel fotovoltaico de 300W.

Aconselhamos para que não confie em vendas à distância pois cada caso é um caso e deverá pedir que o instalador visite a sua habitação para que estude não só as condições físicas da mesma, mas também, o seu perfil, para lhe propor um sistema que se adeque de forma mais eficiente.

Com os melhores cumprimentos
Bruno Miguel

User name
JOAO PAULO LAZARO ,Respondeu:
06/07/2018

Muito Obrigado

eu disclaimer

O projeto que deu origem a esta comunidade recebeu financiamento através do programa de investigação e desenvolvimento “Horizon 2020”, sob o contrato de subvenção nº749402. Nem a EASME nem a Comissão Europeia são responsáveis pela informação veiculada nem pela utilização das informações contidas na mesma.