última atualização: 05-09-2019

Ariston Velis Evo, Lydos Hibrid ou Nuos EVO

Boa tarde, 

Estou neste momento a remodelar uma casa para a minha família (3 adultos e 3 crianças) e estamos altamente indecisos quanto à melhor solução para o aquecimento de águas sanitárias.

Na nossa casa actual temos termoacumulador de 100lts e estamos contentes com a rapidez com que temos água quente nas banheiras, apesar de termos uma factura de electricidade elevada. 

Ainda assim a nossa opção para a casa nova iria seguir a mesma opção, provavelmente com o Ariston Velis Evo de 100lt pois pelo marketing (e pela etiqueta energética) é mais eficiente do que os termoacumuladores "normais". O problema é que nas nossas pesquisas encontrei um estudo da DECO (de Janeiro de 2017) que simplesmente demonstra que o termoacumulador eléctrico é de longe a solução mais cara: www.deco.proteste.pt/.../bombas-de-calor-poupe-ate-1157-ao-ano-na-agua-quente

Ficámos espantados ao ver que a solução mais eficiente é a bomba de calor seguida de um simples esquentador a gás natural o que baralhou completamente a nossa opinião inicial para o nosso apartamento.

Em relação ao esquentador, e apesar de haver gás natural no prédio, não nos agrada o facto de haver um aparelho de queima dentro de casa nem o barulho associado à queima e à ventilação, pelo que se possível gostaríamos de evitar. Assim resta-nos procurar uma solução a electricidade mas mais eficiente do que o termoacumulador "normal".

Em relação à bomba de calor, penso que é a mais eficiente, sendo que há a possibilidade de não instalar máquina no exterior. Num cenário um pouco mais em conta encontrei o Ariston Lydos Hybrid, que parece ser um aparelho intermédio entre o termoacumulador convencional e a bomba de calor. Não percebi bem a diferença entre estes dois equipamentos. Alguém tem conhecimento? O que aconselham?

Além disso gostaria de saber se nestes dois últimos casos é possível instalar estes equipamentos dentro de um móvel ou por causa da circulação de ar tem de estar "à vista"? Alguém sabe dizer se a máquina faz muito barulho? Por último, os 100lts destes 2 equipamentos equivalem ao mesmo perfil de utilização de um termoacumulador convencional ou por demorarem mais a aquecer a água devemos optar por uma capacidade superior?

Muito obrigado pela vossa atenção e disponibilidade. 

Junte-se a nós

Esta informação foi útil e ajudou-o? Para apoiar a nossa comunidade, registe-se no site. É gratuito, demora menos de um minuto.

  • Pode perguntar e pedir conselhos
  • ler as contribuições dos nossos membros
  • dar o seu contributo 
  • receber o feedback de um especialista.

Registe-se em DECO PROTESTE para participar.
Entrar ou Registar

Comentários

User name Moderator
Bruno Miguel | Moderador
10-07-2018

Olá Sofia,

Estamos a investigar para responder da melhor maneira à sua questão e publicaremos assim que possível. 

Convidamos os membros desta comunidade a partilhar sugestões e experiências sobre este tópico. As vossas informações podem ser úteis para outros consumidores! 

A posição da DECO Proteste é neutra em relação a este equipamento publicitado como sendo hibrido entre termoacumulador e bomba de Calor.

Esta neutralidade deve-se ao facto de o equipamento referido ainda não ter sido testado pelo nosso centro de estudos.

Equipa Energias Renováveis

User name
HELENA MARTINS
24-11-2018

A EDP está precisamente a publicitar este equipamento (Ariston Lydos Hibrid) e confesso que também gostaria de saber a opinião dos especialistas. Atualmente tenho um esquentador inteligente já antigo (18 anos) que nunca sofreu uma avaria. Se bem que dê conta das nossas necessidades (2 pessoas), gostaria de saber se o Hibrid é mais ou menos eficiente. Obrigada.

User name
RITA MARIA GONCALVES F. NUNES
06-12-2018

Olá, também gostaria de saber até que ponto o Ariston Lydos Hybrid vale a diferença de preço para o melhor termoacumulador do vosso teste mais recente.
Obrigado.

User name
JOSE ALEXANDRE RIBEIRO
09-12-2018

Também gostaria de saber qual a opinião da DECO em relação a este equipamento e se possível comparar com o melhor termo acumulador elétrico do seu teste.

User name Moderator
Bruno Miguel | Moderador
10-12-2018

Olá a todos os membros da comunidade,

Frisando que a DECO Proteste não tendo feito, até ao momento, um teste laboratorial ao equipamento descrito, a mesma não tem atualmente qualquer dado que suporte a aprovação ou reprovação dos dados publicitados pela marca. 

Podemos executar atualmente uma análise aos documentos públicos do equipamento nomeadamente em termos normativos e certificado energético disponível.

Analisando o certificado energético chegamos à conclusão que o mesmo está caraterizado como bomba de calor com um valor assente em 652 kWh/annum e com classe A mas que é publicitado como termoacumulador, muito devido possivelmente as características físicas e mercado no qual tenta concorrer. 

Revendo a norma EN 50440 utilizado para o teste laboratorial dos aquecedores convencionais no qual se insere os termoacumuladores e a EN 16147 para as bombas de calor no qual possivelmente foi testada a Ariston hibrid, ambas as normas são comparáveis no sentido em que o Tapping cycle M são os mesmos. Isto significa que tanto uma como outra norma têm condições de teste idênticos para determinação dos consumos padrão num dado ciclo.

Se a etiqueta energética apresentada corresponde a 652 kWh de consumo ano e por exemplo um termoacumulador usual apresenta um valor de 1400 kWh/annum, não temos razões de momento para desconfiar na poupança preconizada pela marca de 50% em comparação aos termoacumuladores usuais presentes no mercado.

Com os melhores cumprimentos

Equipa Energias renováveis

User name
ARMANDO RIBEIRO JORGE
16-12-2018

Bom dia,

O termo acumulado de 100 Litros que tinha para aquecer as águas sanitárias, avariou.Entretanto, para aquecer as águas, passei a usar um esquentador antigo que tinha de reserva, mas não me resolveu o problema, porque emite muitos gases. Neste momento, ando à procura de uma solução melhor, que pode passar por um dos aparelhos deguintes: Ariston Velis Evo, Lydos Hibrid ou Nuos EVO.A minha Familia é constituída por 4 pessoas;.gostaria de saber a opinião dos especialistas.
Obrigado

User name Moderator
Bruno Miguel | Moderador
19-12-2018

Olá Armando,
Existem várias hipóteses que o Armando pode ter em consideração para substituição do acumulador elétrico que avariou.

A nossa recomendação incide sobre equipamentos recentes com certificação energética elevada. Aconselhamos sempre equipamentos que tenham uma fonte energética amiga do ambiente, mas, por vezes, devido a contenções de orçamento, poderão não ser uma opção para o consumidor.

Substituir o equipamento avariado por um “esquentador antigo” não é a melhor opção tanto em termos energéticos como de segurança para os seus utilizadores. O gás natural continua a ter ainda um custo competitivo vs produção de calor. Resta resolver o problema que afirma resultar na “fuga de gases”.

O termoacumulador, apesar de ter um investimento mais em conta, tem custos de utilização muito elevados, podendo ser 3 vezes, ou mesmo 4 vezes mais dispendioso na sua utilização que outras soluções. A Lydos Hibrid poderá ser uma boa solução, não podendo a DECO Proteste avalizar a performance apregoada pelo fabricante, pois não foi testado por nós.
Outras soluções, apesar de um pouco mais dispendiosas a longo prazo, podem justificar, devido ao retorno que é significativo.

O Armindo já pensou na opção renováveis? Existe essa possibilidade na sua casa? Estamos a falar de um apartamento ou moradia?

Com os melhores cumprimentos

Equipa Energias Renováveis

User name
JORGE BATISTA
02-04-2019

Bom dia,
Entretanto alguém comprou ou testou o termoacumulador Híbrido? Qual a vossa opinião?

User name
MARIO MATOS HEITOR
05-06-2019

Também estou interessado... Tarda o teste da Deco e o feedback das pessoas por enquanto é nulo.

User name
SUSANA MARQUES
15-07-2019

Boa noite
Gostaria de saber qual destes equipamentos Ariston Velis Evo, Lydos Hibrid ou Nuos EVO, será o mais económico, para aquecimento de aguas e para uma familia de dois.
Antecipadamente vos agradeço.

User name Moderator
Bruno Miguel | Moderador
16-07-2019

Olá Susana,

Se o agregado familiar for composto por uma a três pessoas e estiver a pensar em instalar um termoacumulador (por exemplo: o Ariston EVO) e os equipamentos a gás não forem uma solução, o Ariston Lydos Hybrid é um ótimo negócio.

Embora o custo de aquisição deste equipamento seja mais pesado, o investimento compensa ao fim de 3 ou 4 anos (qualquer que seja a tarifa). O Lydos Hibrid é conhecido como um termoacumulador, mas, na verdade, trata-se de uma bomba de calor com apoio elétrico capaz de produzir água quente sanitária de modo muito eficiente.
O Nuos Evo é já publicitado corretamente, ou seja, como bomba de calor. Os custos de consumo energéticos são igualmente competitivos, mas tem um investimento mais elevado.
Para um agregado de duas pessoas, uma acumulação de 80L é suficiente para lhe proporcionar os banhos quentes que necessita.

Encontra no mercado, bombas de calor com acumulação superior a 100L. Quanto maior for o seu agregado familiar mais benefícios económicos vai retirar face à capacidade deste equipamento, tanto na eficiência energética como no respetivo retorno do investimento (mais rápido).

Com os melhores cumprimentos
Equipa energias renováveis

User name
SUSANA MARQUES
18-07-2019

Muito obrigada pela resposta mas gostaria também de perguntar se este equipamento Lydos hybrid colocado no r/c é suficiente para chegar a água quente à casa de banho no 1º andar (tenho outro wc no r/c) e a cerca de 10 metros de distancia, ou em caso negativo qual será a melhor solução. Não vou ter acesso a gás, só eletricidade. No caso de optar por este equipamento valerá a pena comprar o de 100l, já que a diferença de preço não é significativa?
Desde já agradeço a sua resposta.

User name
SUSANA MARQUES
22-07-2019

Estando a restaurar uma moradia, precisava muito de saber se este equipamento Lydos hybrid colocado no r/c é suficiente para chegar a água quente à casa de banho no 1º andar (tenho outro wc no r/c) e a cerca de 10 metros de distancia, ou em caso negativo qual será a melhor solução. Não vou ter acesso a gás, só eletricidade. No caso de optar por este equipamento valerá a pena comprar o de 100l, já que a diferença de preço não é significativa?
Desde já agradeço a sua resposta.

User name Moderator
Bruno Miguel | Moderador
23-07-2019

Boa tarde Susana,

Para quem escolha um termoacumulador, também aqui a sua localização será determinante para uma maior ou menor poupança de energia na utilização. Como tal, quanto mais perto estiver dos espaços que precisam de água quente, melhor. Isto porque estará a reduzir as perdas de calor que muitas vezes ocorrem no transporte da água quente quando esta tem que percorrer grandes distâncias. Isto não quer dizer que 10 metros horizontais seja uma distancia não comportada pelo equipamento, é perfeitamente aceitável , tal como 1 andar superior. É usual a exemplo de moradias a instalação de um equipamento de produção de águas quentes sanitárias no R/C ou área técnica (cave). Isolar os tubos de água quente com material próprio também reduz as perdas de calor ao longo tubagem.

No entanto, na instalação de sistemas compactos, deve ser confirmada a compatibilidade dos equipamentos a adquirir com as instalações sanitárias existentes. Nomeadamente com as alturas manométricas - pressões da bomba circuladora. A Instalação de sistemas de circulação e retorno de água quente, nos edifícios, deve ser feita quando o comprimento da canalização de distribuição de água quente, entre o aparelho produtor e o ponto mais afastado da rede o justifique.

Com os melhores cumprimentos

Equipa Energias Renováveis

User name
RICARDO SILVA
03-09-2019

Boa tarde Susana,

Entretanto optou pela Lydos Hibrid? Gostava de ter algum feedback sobre este modelo, comprei recentemente um apartamento duplex e estou a considerar esta solução. Tenho um wc no piso superior e dois no inferior. De momento somos dois adultos, mas a ideia é ter uma solução que comporte 3 a 4 duches diarios.

A ideia seria instalar o equipamento numa arrecadação que já tem toda a tubagem necessária. Os 5 m2 da arrecadacao colocam algum problema à instalação deste tipo de equipamento?
Agradeço todo o feedback que me possam dar!

User name Moderator
Bruno Miguel | Moderador
03-09-2019

Olá Ricardo,

A DECO Proteste já testou o Lydos Hybrid, no qual publicou os seus resultados na revista em Julho passado. Chegou a ler o artigo?

Cumprimentos

Equipa Energias Renováveis

User name
RICARDO SILVA
05-09-2019

Olá Bruno!

Não li o artigo, como posso ter acesso ao mesmo?

Obrigado!

User name Moderator
Bruno Miguel | Moderador
05-09-2019

Tendo o artigo sido publicado apenas em revista e não sendo o Ricardo associado, está previsto a disponibilização dos resultados no site da DECO Proteste mas em data ainda não determinada.

Pode sempre subscrever em aqui

Posso desde já adiantar que o veredicto enquadra-se:

"Se já tem equipamento AQS e funciona, não mexa. Esta alternativa só interessa em caso de substituição ou nova compra. Se o agregado familiar for composto por uma a três pessoas e estiver a considerar um esquentador a butano, mudar para o Ariston Lydos Hybrid é uma excelente opção, mesmo em tarifa simples e sobretudo em tarifa bi-horária. Se considera comprar um termoacumulador e os equipamentos a gás não são uma solução, o Ariston Lydos Hybrid é um ótimo negócio. Embora o custo de aquisição seja mais pesado, o investimento compensa em três a quatro anos, qualquer que seja a tarifa. Caso se
prepare para comprar um esquentador a gás natural, o Ariston Lydos é uma alternativa com um prazo de retorno superior. O preço de aquisição é o maior inimigo, mas a prazo pode compensar."

Para mais informações divulgaremos o lançamento do artigo online aqui na comunidade.

Com os melhores cumprimentos

Equipa Energias Renováveis

User name
RICARDO SILVA
03-09-2019

Boa tarde!

Alguém já com experiência de utilização da lydos hibrid?

Obrigado!

eu disclaimer

O projeto que deu origem a esta comunidade recebeu financiamento através do programa de investigação e desenvolvimento “Horizon 2020”, sob o contrato de subvenção nº749402. Nem a EASME nem a Comissão Europeia são responsáveis pela informação veiculada nem pela utilização das informações contidas na mesma.