Notícias

Internet móvel em banda larga: domine as tecnologias de ligação

02 janeiro 2014 Arquivado

02 janeiro 2014 Arquivado

O acesso em banda larga há muito deixou de ser domínio do serviço fixo. Da GPRS à LTE ou 4G, compare as velocidades anunciadas e reais.

A chegada das redes móveis de terceira geração inaugurou a banda larga móvel, embora na altura a velocidade fosse inferior à maioria dos acessos fixos. Com introdução da tecnologia de terceira geração e meia passou a ser possível contratar serviços móveis com velocidades equiparáveis às do acesso fixo.

Face ao serviço fixo, o móvel pode ser utilizado quase em qualquer lado. Atualmente, é possível aceder à Internet de banda larga através das redes móveis de três operadoras: Optimus, TMN e Vodafone.

GPRS (General Packet Radio Service)
Não se trata de uma tecnologia de banda larga. Mas, como utiliza a rede GSM, permite que esteja presente em quase todo o lado. Também identificada por tecnologia de segunda geração e meia, a GPRS aumenta as taxas de transferência de dados nas redes GSM existentes.

Permite o transporte de dados por pacotes (comutação por pacotes) e oferece uma taxa de transferência muito mais elevada do que tecnologias anteriores, que usavam a comutação por circuito. As operadoras anunciam uma velocidade de download de 56 Kbps, mas a real ronda os 40 kbps.

EDGE (Enhanced Data Rate for GSM Evolution)
Tecnicamente, a EDGE é uma tecnologia da 3.ª geração, mas geralmente é classificada como um padrão 2,75G, pois é uma melhoria nas redes 2,5G (GPRS) e não a criação de um sistema propriamente dito.

É uma parte integral do processo de migração das redes GSM para a 3G. Foi desenvolvida para capacitar a transmissão de uma grande quantidade de dados a altas taxas de velocidade, até 560 Kbps. Em condições reais, os resultados são consideravelmente inferiores, mas mais rápidos do que os oferecidos pelas redes GSM.

UMTS (Universal Mobile Telecommunications Service)
É um dos protocolos da terceira geração de telemóveis que sucede ao GSM. Permite transmitir dados a uma velocidade que já se considera banda larga: pode atingir 384 Kbps de download e 64 Kbps de upload.

HSPA (High-Speed Packet Access)
É um conjunto de dois protocolos de telefonia móvel (HSDPA e HSUPA), resultantes da evolução do UMTS e que melhoram bastante o seu desempenho. O HSDPA (High-Speed Downlink Packet Access), também designado de tecnologia de terceira geração e meia (3,5G) permite aumentar a velocidade de download de dados: em teoria, alcança 14,4 Mbps de download e 384 Kbps de upload.

O HSUPA (High-Speed Uplink Packet Access) aumenta a velocidade de upload e atinge, em teoria, 5,76 Mbps.

HSPA + (High-Speed Packet Access Evolution)
Como o nome denuncia, é uma evolução do HSPA (HSPA Evolution). Aumenta exponencialmente as velocidades suportadas pela tecnologia: até aos 43,2 Mbps no download e até aos 22 Mbps no upload, em teoria. Os serviços que disponibilizam esta tecnologia anunciam velocidades máximas de download de 21,6 Mbps e de 5,76 Mbps no upload.

LTE (Long Term Evolution)
Significa “Evolução de Longo Prazo” e é designada por 4.ª geração móvel ou 4G. Esta possibilita débitos mais elevados de transferência de dados que se equiparam aos das redes fixas de nova geração. Numa primeira fase, anuncia até 150 Mbps de download e até 50 Mbps de upload.

Mas a vantagem desta tecnologia vai mais além: a latência (tempo de resposta) da rede é reduzida, as ligações mais estáveis e o sinal de melhor qualidade. Possibilita a utilização mais eficiente dos recursos da rede e um maior número de utilizadores em simultâneo sem perda considerável de desempenho.

Com a 4G, é possível aceder a serviços em mobilidade atualmente só disponíveis nas redes fixas de nova geração: difusão de televisão em alta definição, partilha de vídeo de alta definição, jogos online com vários jogadores e VoIP (chamadas pela Net) com baixa latência e descarga rápida de músicas ou filmes, entre outros.


Imprimir Enviar por e-mail