Notícias

Resíduos: já sabe onde vai cortar os seus 35 quilos por ano?

02 fevereiro 2016
Resíduos: já sabe onde vai cortar os seus 35 quilos por ano?

Até 2020, temos de reduzir em 10% a nossa produção de lixo se quisermos atingir as metas do Plano Estratégico para os Resíduos Sólidos Urbanos, imposto ao nível europeu.

Separamos metade do que é preciso

O PERSU 2020 estabelece o aumento mínimo para 70% do peso dos resíduos a reutilizar, reciclar ou valorizar ambientalmente. Desse total, 50% têm de incluir a reutilização e reciclagem do papel, cartão, plástico, vidro, metal, madeira e resíduos urbanos biodegradáveis. Os restantes 20% podem ser atingidos por outras formas de valorização material, como compostagem ou incineração com recuperação de energia.

O princípio da hierarquia dos resíduos está bem definido e deve seguir a seguinte ordem de prioridades: prevenção e redução; preparação para a reutilização; reciclagem; outros tipos de valorização e eliminação.

Entre 2008 e 2013, houve um aumento pouco significativo (2% por ano) da quantidade destinada à reutilização e à reciclagem, crescimento que não está em linha com os grandes esforços e investimentos feitos para aproximar as populações dos equipamentos de deposição seletiva.

A quantidade de resíduos enviados para reutilização e reciclagem tem aumentado, mas de forma tímida. Estamos longe da meta para 2020.
A quantidade de resíduos enviados para reutilização e reciclagem tem aumentado, mas de forma tímida. Estamos longe da meta para 2020.

Os 28% de resíduos recicláveis recolhidos em 2013 encontram-se bastante aquém da meta definida para 2020 (50%) e representam apenas 8,4% do total de resíduos produzidos esse ano.

A maior parte dos recicláveis (cerca 77%) corresponde a embalagens e resíduos de embalagens. Daí a importância de os consumidores separarem os resíduos corretamente e colocarem-nos nos ecopontos corretos para o vidro, papel/cartão, embalagens de plástico e metal, pilhas, óleos alimentares usados, equipamento elétrico e eletrónico, etc. Os materiais recuperados a partir da triagem de lixo indiferenciado são mais difíceis de voltar ao mercado, pois têm menos qualidade do que os recolhidos seletivamente.

O curto intervalo de tempo até que a meta seja aplicável exigirá um esforço considerável se quisermos atingir os objetivos do PERSU. Tal só será possível através de uma aposta forte na recolha seletiva, a par do aumento da eficiência de triagem e recuperação de resíduos recicláveis da valorização de resíduos orgânicos. O não cumprimento das metas pode desencadear um processo ao nível europeu que, em última instância, pode implicar o pagamento de uma multa.