Dicas

Separar o lixo em 10 respostas

Como separar bem os resíduos

Aumentar o tempo de vida de um bem significa poupar recursos com o fabrico de outro de substituição. Evite produtos com um tempo de vida curto, quando existem alternativas mais duradouras.

Posso pôr o saco de lixo no contentor a qualquer hora?

Pode, mas não é boa ideia. Quando a recolha dos resíduos indiferenciados se faz porta-a-porta, há horas específicas para a passagem do camião de recolha. Cada município estabelece a hora mais conveniente para a colocação na rua do saco ou do contentor.

Já quando o destino do lixo indiferenciado é o contentor coletivo, que serve várias moradias ou prédios, os sacos podem aí ser depositados a qualquer hora. Já se o condomínio tiver os seus contentores, alguém do prédio é responsável por os colocar na rua a partir de determinada hora para que a recolha seja feita, de noite ou de madrugada. Se, ainda assim, tiver dúvidas, informe-se na câmara da área de residência sobre as soluções adotadas para a recolha e eventuais sanções em caso de desrespeito. Há resíduos que não devem ser depositados no saco de lixo indiferenciado, por serem nocivos (medicamentos e substâncias tóxicas, por exemplo) ou existirem soluções para a reciclagem ou reutilização (papel, plástico e vidro, por exemplo).

O PC ainda funciona, mas já não satisfaz. Posso abandoná-lo na rua indicando “Dá-se” numa tabuleta?

A intenção é boa, mas a resposta é não. Um aparelho eletrónico, a funcionar ou avariado, é considerado lixo abandonado na via pública a partir do momento em que é depositado em locais não autorizados. Para se desfazer de um eletrodoméstico ou aparelho a funcionar, recorra a lojas de artigos em segunda mão. Também pode doá-lo a uma instituição de apoio social. Algumas fazem a recolha porta-a-porta. Se o abandonar, o mais provável é ser recolhido por alguém que o desmantela sem cuidado, queimando componentes, com libertação de fumo tóxico e deixando outros resíduos em locais inadequados.

Os equipamentos que já não funcionam podem ser entregues na loja onde comprar um novo ou depositados num ecoponto ou ecocentro, onde será feito o desmantelamento de forma segura e aproveitamento de peças viáveis. Os restantes materiais serão enviados para recicladores ou aterros para materiais perigosos. Alguns supermercados e zonas comerciais disponibilizam contentores para pequenos eletrodomésticos ou aparelhos eletrónicos.

Descobri vários medicamentos fora de prazo em casa. Posso pôr no lixo?

Não se deve deitar medicamentos fora de prazo no caixote do lixo ou no esgoto. Possuem substâncias que precisam de ser neutralizadas de forma segura. As farmácias asseguram a recolha e o reencaminhamento para os locais onde é feita uma triagem, seguindo depois para incineração com valorização energética. Se ao arrumar a farmácia caseira encontrar caixas antigas de comprimidos, xaropes ou ampolas, deite as embalagens de cartão e os folhetos no papelão e entregue os blisters ou frascos ao farmacêutico ou deposite-os nos contentores adequados. Coloque os acessórios utilizados para facilitar a administração dos medicamentos (colheres, copos, seringas doseadoras, conta-gotas, cânulas, etc.). Não coloque nestes contentores seringas ou agulhas, termómetros ou outros produtos proibidos. As radiografias também têm destino adequado, mas só devem ser entregues quando a AMI lança a campanha anual.

Posso despejar na sanita o óleo da fritadeira?

Deitar os óleos de fritura usados pelo ralo do lava-loiça ou pela sanita tem um impacto gravíssimo. Começa em casa: as canalizações da casa ou da sanita correm o risco de ficarem entupidas, com custos elevados de reparação e manutenção.

Além disso, contaminam as águas subterrâneas e superficiais e os solos, e interferem no bom funcionamento das estações de tratamento das águas residuais. Para substituir o óleo da fritadeira, despeje-o com a ajuda de um funil numa embalagem antiga e deposite-o num contentor para óleos usados. Há cada vez mais pontos de recolha (os chamados “oleões”), na via pública e nos supermercados. Os óleos usados e recolhidos nestes locais são valorizados e transformados em biocombustíveis, produtos de limpeza para a casa ou até cosméticos.

Posso pôr embalagens de iogurte ou de manteiga no contentor amarelo?

Estas embalagens são feitas de plásticos mistos, para os quais não havia, até há alguns anos, processo de reciclagem. Esse obstáculo foi ultrapassado e já podem ser depositadas no contentor amarelo, tal como acontece com os restantes tipos de plástico.

Os pacotes de leite e sumos, tal como as restantes embalagens de cartão para líquidos alimentares, devem ser colocados neste contentor, apesar de conterem uma percentagem de papel/cartão. Uma vez encaminhado para um centro de triagem, os resíduos do contentor amarelo são separados, garantindo-se que todas as embalagens deste tipo são repartidas por fardos específicos e encaminhadas para recicladores capazes de separar as três frações: papel/cartão, plástico e metal.

Por sua vez, as embalagens de metal têm lugar no ecoponto amarelo, mas não a folha de alumínio que usamos na cozinha. O destino certo desta é o lixo indiferenciado. Ao contrário das embalagens de metal, não se pode fundir para originar novos produtos.

E os lenços de papel? Devo deitá-los no lixo indiferenciado ou no papelão?

Só se pode pôr papel e cartão limpo no papelão, para que possam ser reciclados. Os restantes resíduos devem ser eliminados, como os invólucros de plástico que envolvem as revistas. Os papéis sujos também não podem ser colocados no papelão. Uma caixa de cartão de piza, uma embalagem de papel de batatas fritas, autocolantes, papel de cozinha e lenços de papel usados devem ir para o lixo indiferenciado. De facto, as substâncias que se encontram nestes papéis sujos, sobretudo quando têm cola ou gorduras, não facilitam a tarefa na altura de os reciclar.

O telhado da garagem está coberto com placas de amianto. Como agir?

O amianto é nocivo e cancerígeno se as fibras forem inaladas, sobretudo em grandes quantidades ou por longos períodos. Contudo, ainda encontramos esta substância em muitas construções, como coberturas de edifícios e de garagens, em armazéns, caves ou mesmo em reservatórios individuais de água. Caso as placas com este material se mantenham intactas e sem fissuras, não representam risco.

Contudo, se ficarem danificadas e as fibras de amianto começarem a libertar-se, constituem um problema grave. É preferível usar um equipamento de proteção e uma máscara para as eliminar. Todos os resíduos de construção que incluem amianto são perigosos e devem ser depositados num ecocentro que aceite este tipo de resíduo. Não podem, de modo algum, ser misturados com os restantes materiais de construção. Caso pedaços ou fibras de amianto se libertem aquando de obras de manutenção, contacte de imediato uma empresa especializada para eliminar esse produto segundo as boas práticas.

A placa de vidro do forno partiu-se. Posso depositar os estilhaços no vidrão?

Não, o vidrão destina-se apenas às garrafas e aos frascos de vidro. Não tem de passá-los por água. Retire só as tampas e deposite-as no contentor amarelo. As rolhas de cortiça têm também o seu destino: o “rolhinhas”, disponível em vários espaços comerciais. Os espelhos, os vidros das janelas, o cristal e as porcelanas não podem ser depositados no vidrão. Estes materiais têm uma composição química diferente. Resistem a temperaturas mais elevadas, o que significa que não derretem à temperatura dos restantes vidros. Tal pode causar problemas durante a reciclagem. As lâmpadas incandescentes, as economizadoras e as tubulares também não são consideradas vidro. As primeiras podem seguir para o saco do lixo indiferenciado. Já as restantes exigem cuidados adicionais: devem ser colocadas em pontos de recolha específicos ou nos ecocentros.

Posso deitar as pilhas no lixo comum?

As pilhas fazem parte do que denominamos pequenos resíduos perigosos. Se as pilhas forem antigas, poderão conter mercúrio e cádmio, metais pesados muito poluentes e nocivos. As pilhas não podem ser misturadas com o lixo comum. Há vários pontos de recolha, sobretudo em supermercados, zonas comerciais e contentores específicos na via pública.

Comprei pneus novos. O que posso fazer aos usados?

Mude os pneus num local apropriado, para garantir o destino correto. A responsabilidade por cada pneu é do dono. Em caso de dúvida, contacte um dos pontos de recolha. O sistema funciona com a entrega dos pneus em qualquer operadora, sem custos. Os pneus são armazenados e entregues à entidade responsável pelo tratamento ou eliminação.

A Valorpneu é responsável pela gestão dos pneus usados, sendo financiada pela cobrança de um Ecovalor na venda dos novos. Disponibiliza locais de recolha em muitos pontos do País. Também pode entregar a bateria usada do carro no local onde comprar a nova, sem encargos ou num dos pontos da Valorcar, criada para gerir os carros em fim de vida e os componentes.