Primeiras impressões

Novos tarifários Galp On: não valem a pena

19 julho 2013 Arquivado

19 julho 2013 Arquivado

Anunciam descontos entre 5% e 40%, mas estes não correspondem a poupanças semelhantes porque incidem apenas sobre a potência contratada. As tabelas de desconto são complexas. Esteja atento: para sair de alguns tarifários da Galp on pode ter de pagar.

A publicidade promete descontos fantásticos, mas a poupança não acompanha os valores anunciados. Se quer contratar um serviço de eletricidade e gás natural, ou só este último, os três planos da Galp On não compensam, porque existem opções mais económicas.

O plano Base anuncia um desconto entre os 5% e os 15 por cento. O plano Online garante um desconto entre os 10% e os 20%, mas exige a subscrição exclusivamente online, com obrigatoriedade de adesão à fatura eletrónica e ao débito direto. O plano Confort publicita um desconto entre os 10% e os 40%, mas implica a contratação de um serviço adicional (com um custo mensal entre € 3,90 e € 5,90) que, em caso de rescisão, o consumidor terá de continuar a pagar até perfazer 1 ano de contrato. Na prática, trata-se de uma penalização por resolução antecipada, o que representa um claro retrocesso face às ofertas mais recentes. Os descontos anunciados pelos três planos incidem sobre o termo fixo e estão indexados aos preços das tarifas transitórias do mercado regulado, o que representa outra desvantagem.

Tarifários são complexos e caros
Façamos as contas, para tornar tudo mais claro. Se aderir ao plano Confort para eletricidade e gás natural, terá de pagar no mínimo € 3,90 mensais pelo serviço adicional para usufruir de um desconto de 40 por cento. Na potência elétrica contratada mais comum em Portugal - 3,45kVA -traduz-se num desconto mensal de € 2,25, portanto tem de desembolsar mais 1,65 euros. A situação na contratação do plano Confort para o gás natural é idêntica. Este plano “confortável” sai mais caro do que as atuais tarifas reguladas.

Para contratar somente a eletricidade, o plano Online pode, em algumas situações, ser vantajoso, mas use o nosso simulador antes de decidir. Embora as percentagens de desconto anunciadas sejam aparentemente elevadas, representam um retrocesso face aos tarifários que surgiram em resposta ao leilão de eletricidade promovido pela DECO. As contas, mais uma vez, não enganam. Para um consumo anual de 1700kWh/ano e potência contratada de 3,45kVA, a mais comum, o tarifário anterior Galp Online (em vigor entre maio e junho) representava uma fatura anual de € 389,5 (tarifa simples) ou de 385,97 euros (tarifa bi-horária). Com o novo Galp Online, a fatura anual é de € 395,91 (tarifa simples) ou de 393,19 euros (tarifa bi-horária).

Além do preço mais elevado, o consumidor vê agora esta poupança indexada às tarifas transitórias definidas pelo regulador, o que é menos vantajoso. A DECO não pode ainda deixar de notar que esta maior complexidade na construção dos tarifários não facilita a correta perceção e escolha pelos consumidores quanto à solução mais adequada. Em pleno mercado liberalizado, as comparações devem ser fáceis e intuitivas para que a decisão não seja um quebra-cabeças.

Fora dos planos da Galp ficam todos os consumidores com potência elétrica contratada inferior a 3,45kVA. Quem pretender tarifa elétrica bi-horária, só vê desconto se contratar um serviço adicional ou simultaneamente gás natural, mas também nestes casos existem soluções mais económicas.