Notícias

Portugueses dizem sim a cidades inteligentes, mas falta informação

O nosso inquérito a 1010 portugueses revela que, no geral, a inteligência artificial é considerada muito útil para gerir a iluminação e a recolha de lixo urbano, por exemplo. Mas há falta de informação, sobretudo sobre a forma como os dados são utilizados.

  • Dossiê técnico
  • Carlos Morgado
  • Texto
  • Paula Melo dos Santos e Alda Mota
16 dezembro 2021 Exclusivo
  • Dossiê técnico
  • Carlos Morgado
  • Texto
  • Paula Melo dos Santos e Alda Mota
Uma grande cidade futurista ligada por redes luminosas

iStock

Nas “cidades inteligentes”, as infraestruturas e os serviços tradicionais são geridos de forma mais eficiente graças à utilização de tecnologias digitais, entre as quais a inteligência artificial (IA). Os sistemas de IA analisam os dados que são massivamente recolhidos junto dos cidadãos através de aplicações de GPS e de estacionamento, câmaras de vigilância urbana e dados de utilização de outras aplicações móveis, mencionando apenas alguns meios. Através desses dados, monitorizam-se questões como a mobilidade e a utilização de espaços públicos, para oferecer serviços (sobretudo na forma de aplicações) que permitem utilizar de forma mais sustentada os recursos da cidade, como a energia e os meios de transporte, entre outros.

Inteligência artificial é útil nas cidades

A maioria dos portugueses considera muito útil a implementação de determinados sistemas de inteligência artificial na cidade em que vive ou trabalha, sobretudo para otimizar a recolha de lixo urbano e os transportes públicos e controlar a iluminação das localidades de forma mais eficiente, mas também para identificar criminosos em fuga e pessoas desaparecidas.

Atividades em que a inteligência artificial é muito útil

Please fill the source and the alt text 

Há, no entanto, um desconhecimento generalizado sobre os aspetos envolvidos na utilização de sistemas de inteligência artificial. Por exemplo, apenas 8% dos inquiridos afirmam estar bem informados sobre a lógica por detrás destes sistemas, nomeadamente a forma como os dados recolhidos junto dos consumidores são utilizados; quase dois terços admitem saber muito pouco ou mesmo nada sobre este assunto.

Aspetos da inteligência artificial em que o conhecimento é insuficiente

Please fill the source and the alt text

Os inquiridos mais velhos, os que têm piores condições financeiras e as mulheres são quem se sente menos informado acerca das questões relacionadas com a IA. Além disso, 68% defendem que os consumidores deveriam receber mais informação quando são confrontados com um sistema de decisão automático. Um exemplo destes sistemas são as aplicações GPS que decidem o percurso numa viagem (com base no trânsito, no tempo para chegar ao destino, etc.).

Cerca de metade dos inquiridos considera que a legislação atual é inadequada para regular de forma eficiente as atividades baseadas em IA. A convicção de que estas tecnologias irão originar uma significativa perda de postos de trabalho em vários setores foi também demonstrada por 40% dos participantes.

Portugueses valorizam mais os serviços de saúde com a pandemia

No nosso estudo, pretendemos também avaliar o impacto que a pandemia de covid-19 teve na forma como os portugueses encaram a sua vida nas cidades. Se antes da pandemia o fator que mais pesava era a proximidade de lojas de conveniência e de retalho, agora há mais consumidores a valorizar o acesso a serviços da área da saúde.

É também na saúde que mais portugueses querem ver investidos os fundos disponibilizados pela União Europeia para a recuperação económica dos países (a chamada “bazuca”). As políticas de emprego estão igualmente no topo das prioridades.

Áreas preferenciais para aplicação da “bazuca” financeira

Please fill the source and the alt text

Andar mais a pé está no horizonte dos portugueses

Quisemos ainda saber de que forma é que a pandemia afetou as condições de trabalho dos portugueses. O teletrabalho ficou inquestionavelmente mais presente. Para 40% dos inquiridos cujo trabalho pode ser feito remotamente, trabalhar em casa tornou-se uma realidade que não existia antes.

Quase 60% dos participantes profissionalmente ativos consideram que as tecnologias virtuais no trabalho vieram alargar as oportunidades de emprego, ensino e comunicação. Mas 39% estão convictos de que, ultrapassada a pandemia, o trabalho remoto tenderá a regredir, bem como a utilização de tecnologias virtuais.

A maioria dos portugueses considera também que, depois de ultrapassada a pandemia, os seus hábitos de mobilidade irão regressar ao que era antes. Ainda assim, 45% preveem vir a utilizar, pelo menos, um meio de transporte sustentável (bicicleta, bicicleta elétrica, trotineta elétrica, andar a pé) com maior frequência. Dois quintos consideram vir a andar mais a pé, enquanto 27% pensam utilizar de forma mais frequente bicicleta elétrica, 26% bicicleta e 22% trotineta elétrica.

Os resultados do estudo foram apresentados em primeira mão no Fórum Internacional Anual Euroconsumers, que decorreu a 2 de dezembro e no qual se discutiram as questões que atualmente afetam os consumidores e que irão moldar o futuro, como a inteligência artificial, a sustentabilidade, a inovação e as ações coletivas, entre outras. Um dos objetivos do fórum era explorar como os consumidores podem estar no centro de uma economia renovada e sustentável no pós-covid-19, impulsionando mudanças não apenas em temas para os quais precisam de proteção, mas pressionando pela inovação e pelo desenvolvimento da economia para a transição verde e digital.

CONHEÇA O PORTAL MAIS SUSTENTABILIDADE

O nosso estudo

Entre 11 e 19 de outubro de 2021, fizemos um inquérito online a uma amostra da população adulta portuguesa, entre 18 e 74 anos. No total, obtivemos 1010 respostas válidas, que foram ponderadas para refletirem a opinião da população em termos de género, idade, nível educacional e região. Os resultados refletem a opinião e a experiência dos inquiridos, mas podem ser considerados tendências representativas da população nacional.

Junte-se à maior organização de consumidores portuguesa

A independência da DECO PROTESTE é garantida pela sustentabilidade económica da sua atividade. Manter esta estrutura profissional a funcionar para levar até si um serviço de qualidade exige uma vasta equipa especializada.

Registe-se para conhecer todas as vantagens, sem compromisso. Subscreva a qualquer momento.

Junte-se a nós

 

O conteúdo deste artigo pode ser reproduzido para fins não-comerciais com o consentimento expresso da DECO PROTESTE, com indicação da fonte e ligação para esta página. Ver Termos e Condições.