Notícias

Qual a conta à ordem para condomínio mais barata?

Início

É cada vez mais difícil encontrar contas à ordem para condomínio que não sejam um encargo extra. Ao optar pela nossa Escolha Acertada, pode poupar até 114 euros por ano.

  • Dossiê técnico
  • Nuno Rico
  • Texto
  • Cláudia Sofia Santos
27 fevereiro 2020
  • Dossiê técnico
  • Nuno Rico
  • Texto
  • Cláudia Sofia Santos
homem e mulher a falarem em frente a prédios

iStock

Os custos associados a uma conta à ordem para condomínio podem pesar no orçamento do prédio, sobretudo para aqueles que lutam para equilibrar as finanças.

Por exemplo, abrir uma conta na Caixa Geral de Depósitos implica pagar mais de 180 euros por ano. É o banco com as comissões de utilização mais elevadas, segundo o nosso estudo sobre as melhores opções em contas à ordem para condomínio.

Nos últimos anos, o aumento dos custos foi bastante significativo. Comparado com o estudo que efetuámos há cinco anos (2014), os custos aumentaram quase 89%, para um saldo médio de 2000 euros. Ou seja, subiram a um ritmo de quase 18% ao ano. Com facilidade ultrapassam a centena de euros anuais.

Além de terem de suportar as despesas com a manutenção do edifício, os condóminos devem prestar atenção aos custos com o banco. Tal como tem vindo a acontecer com os clientes particulares, os saldos médios das contas já não beneficiam quem tem contas abertas.  

Contas para condomínio em poucos bancos

Das 17 instituições bancárias analisadas, apenas seis oferecem soluções específicas: Abanca (apenas através do nosso protocolo Condomínio DECO+), Atlântico Europa, Millennium bcp, Banco Montepio, Novo Banco e Santander.

Pelos dados recolhidos, mais cinco instituições bancárias permitem utilizar as contas para empresas no âmbito do condomínio: Banco BPI, Best Bank, CGD, Crédito Agrícola e EuroBic. 

oferta de contas para condomínio é bastante limitada, apesar de os principais bancos nacionais estarem incluídos. As vantagens oferecidas são também quase nulas. A maioria dos bancos cobra comissões de manutenção de conta, transferências interbancárias e anuidade do cartão de débito, o que, tendo em conta a realidade de um pequeno ou até médio condomínio, acarreta mais prejuízos do que mais-valias. 

A única oferta diferenciadora é a do protocolo Condomínio DECO+, comercializado pelo Abanca. Além das transferências gratuitas realizadas através da internet e da anuidade do cartão de débito, oferece dois módulos de 11 cheques por ano, tendo apenas de suportar o respetivo imposto do selo. Mesmo sendo um meio de movimentação de conta a cair em desuso, no caso dos condomínios, devido às especificidades da conta à ordem e à forma como são autorizadas as operações, o custo ainda pode pesar.

 

O conteúdo deste artigo pode ser reproduzido para fins não-comerciais com o consentimento expresso da DECO PROTESTE, com indicação da fonte e ligação para esta página. Ver Termos e Condições.