Notícias

Kit de sobrevivência: como se preparar para uma catástrofe natural

31 outubro 2019
Kit de sobrevivência: como se preparar para catástrofes naturais

Defina um plano de emergência com toda a família, para agir em caso de sismo. A cobertura de fenómenos sísmicos no seguro é cara, mas importante.

Preparar a família e a casa em caso de sismo

Defina locais seguros na casa e partilhe-os com toda a família (por exemplo, devem abrigar-se debaixo de mesas e camas, em caso de sismo). Compre um extintor, ensine os mais velhos a usá-lo e faça uma revisão periódica ao equipamento. Também é importante que todos saibam desligar o gás, a água e a eletricidade.

O 112 é o número único europeu de emergência. Deve contactá-lo por telefone ou telemóvel para pedir ajuda em situações de catástrofe em qualquer país da União Europeia. A chamada é gratuita. Informe a família, inclusive as crianças, sobre este número.

Prepare a casa de forma a facilitar os movimentos, libertando os corredores e objetos que impeçam a circulação. Fixe as estantes ou móveis pesados, as garrafas de gás, os vasos e floreiras às paredes. Coloque os objetos pesados no chão ou nas estantes mais baixas. Se possível, não coloque as camas perto de janelas ou debaixo de candeeiros.

Nem sempre todos os membros da família estão em casa quando a catástrofe acontece. Combine entre todos um ponto de encontro fora de casa, caso seja preciso reunirem-se.

Seguros a contratar

A cobertura de fenómenos sísmicos está entre as menos subscritas em Portugal. O elevado custo e o caráter não obrigatório ajudam a compreender esta tendência. No entanto, é uma cobertura com âmbito alargado, que cobre danos resultantes de tremores de terra, erupções vulcânicas e maremotos.

O prémio referente à cobertura de fenómenos sísmicos é calculado em função do capital seguro, da zona do País em que o imóvel se situa e do ano de construção. Ou seja, é mais caro quanto maior for o capital seguro, quanto mais antigo for o imóvel e maior for o risco sísmico associado à zona.

Todas as seguradoras garantem uma indemnização até ao limite do capital seguro e, regra geral, impõem uma franquia mínima de 5 por cento do capital. Pode optar por contratar franquias superiores ou assumir parte do risco em troca de uma diminuição do prémio, mas desaconselhamos as duas hipóteses.

A correta avaliação da casa e do respetivo conteúdo é fundamental para garantir que, em caso de sinistro, recebe o valor suficiente para repor os bens danificados. No caso do imóvel, o capital seguro deverá corresponder ao valor de reconstrução, geralmente inferior ao valor de mercado, pois não considera o terreno. Por sua vez, o capital seguro para o recheio deverá corresponder ao valor de substituição em novo, ou seja, quanto teria de gastar para adquirir os objetos que tem em casa.