Notícias

Como escolher um termoventilador seguro

31 janeiro 2017
Saiba identificar termoventiladores perigosos

31 janeiro 2017
Um termoventilador que sobreaquece 15 minutos após estar ligado, derretendo o cabo elétrico, não é ficção. É o relato de uma consumidora. Conheça os modelos chumbados no nosso teste para evitar a compra de modelos perigosos.
A nossa leitora M.P. comprou um aquecedor cerâmico de 2 000 W, da marca própria do Le Roy Merlin. Quando o usava, notava que o cabo da eletricidade ficava muito quente. Um dia ligou-o e, passados 15 minutos, sentiu um cheiro a queimado. Quando tirou o cabo da ficha, estava derretido. Este é um dos vários problemas identificados nos 14 termoventiladores chumbados no nosso teste.

Termoventiladores perigosos

Não
comprar
FLAMA 2321FL
Preço de referência
 37,63
Não
comprar
CROWN ACREFH806
Preço de referência
 9,90
Não
comprar
JATA C204
Preço de referência
 62,24
Não
comprar
EQUATION DL15 Turbo 2000W Ref:17611741
Preço de referência
 39,96
Não
comprar
MEI HL1013
Preço de referência
 12,99
Não
comprar
DÉLONGHI HVA0220
a partir de
 26,90
Não
comprar
TRISTAR KA-5034
Preço de referência
 20,24
Não
comprar
TAURUS TROPICANO 2400 946.875
a partir de
 25,80
Não
comprar
ELECTRIC CO. TVENT 20
Preço de referência
 16,90

Detetámos plásticos exteriores e da estrutura de vários aparelhos que não estavam de acordo com os requisitos mínimos, o que aumenta o risco de acidente. Nalguns modelos, é possível chegar facilmente com os dedos a partes como a ventoinha ou a resistência. Noutros, isso acontece após testes de funcionamento anormal, onde simulámos situações de sobreaquecimento ou queda.

Também é normal encontrar no mercado modelos "indicados para a casa de banho", mas que não apresentam proteção adequada para esse espaço (indicação IP21 ou superior indicação IP21 ou superior na placa de características).

Se comprou recentemente um dos modelos que chumbámos no teste, na loja, tente trocar por outro sem problemas de segurança elétrica. M.P. conseguiu o reembolso do termoventilador. No entanto, a loja não é obrigada a trocar se o aparelho funcionar normalmente.

Como escolher e usar

Caso esteja à procura de um aquecedor portátil, veja o nosso teste e evite os modelos chumbados, mesmo que sejam mais baratos, pois não garantem os critérios de segurança mínimos.

Conte com cerca de 1 000 W por cada 10 a 15 metros quadrados. Numa sala de 30 metros quadrados, opte por um aparelho de 2 000 a 2 500 Watts. Regule os termoventiladores potentes em pequenas divisões. Por exemplo, se for de 2 000 W, programe-o para metade da potência máxima num quarto de 15 metros quadrados.

Apesar de mais rápidos a aquecer, os modelos com ventoinha são ruidosos, pelo que não são ideais para os quartos. Para estes espaços, prefira um modelo sem convector.

Verifique se o aparelho é leve, fácil de transportar e manobrar e se tem um painel de fácil leitura. Prefira com termóstato digital, para uma maior precisão nas temperaturas selecionadas. Um temporizador poderá ser útil para desligar automaticamente o aparelho, por exemplo, à noite ou quando atingir a temperatura de conforto.

Verifique se pode usar o termoventilador assim que o tira da caixa ou se é preciso montar, por exemplo, as rodas ou outro tipo de suporte. Neste caso, certifique-se de que são fáceis de manobrar. Os modelos mais altos devem ser estáveis e resistentes às quedas. Poder arrumar o cabo elétrico torna o aparelho mais compacto na hora de o guardar, no fim do frio.

Modelos para usar na casa de banho devem incluir, na placa de características, a indicação IP21 ou superior.

Não confunda termoventiladores de parede com aparelhos de ar condicionado: apenas partilham o aspeto visual da unidade interior. Todo o resto é diferente.


Imprimir Enviar por e-mail