Notícias

Seis esquentadores falham na segurança

Início

Testámos 11 novos esquentadores e 6 chumbam nos testes de segurança de acordo com as normas em vigor. Identificámos fugas de dióxido de carbono acima do limite máximo admissível. Um modelo não apresenta sequer o símbolo de marcação CE.

11 outubro 2017
perigo em esquentadores

Thinkstock

Levámos 11 novos esquentadores para o laboratório – quatro atmosféricos de exaustão natural e sete ventilados – e seis não passaram no crivo da segurança definido pela norma harmonizada EN 26. Esta é a norma habitualmente utilizada para aferir o cumprimento dos requisitos essenciais de segurança definidos na legislação aplicável aos aparelhos de aquecimento de água que funcionam a gás. Os nossos testes revelam que estes modelos libertaram gases queimados para a divisão onde estão instalados, gases esses que – ditam as regras de segurança - deveriam sair apenas pela chaminé e ser expelidos para o exterior da habitação. Segundo as medições em laboratório, a quantidade de dióxido de carbono (CO2) libertada provocou um aumento da concentração deste gás junto aos aparelhos superior aos valores máximos admissíveis pela norma.

Face a estes resultados, procurámos reunir com as marcas no sentido de encontrar soluções para os consumidores. Até à data de publicação deste artigo, só a Vaillant se mostrou disponível para dialogar connosco. Logo que seja possível, daremos eco das soluções apresentadas. Das restantes marcas ainda não obtivemos resposta. Também já notificámos as autoridades competentes, nomeadamente a ASAE, das conclusões deste estudo.

Fugas acima do limite aceitável

A norma harmonizada aplicável aos esquentadores atmosféricos de exaustão natural e aos esquentadores ventilados (EN 26) determina que o aumento da concentração de CO2 nos testes de estanquidade não pode ser superior a 0,2 por cento. Estes testes permitem verificar se há ou não fuga de gases para a divisão onde os aparelhos estão instalados e, em caso afirmativo, em que quantidade.

Ora, nos seis modelos reprovados, detetámos aumentos de concentração de CO2 entre 0,37% e 0,95% (esquentadores atmosféricos) e entre 1,10% e 1,70% (ventilados). Sempre que detetámos falhas, repetimos o teste em mais uma amostra do modelo em questão, para confirmação dos resultados.

Sem marcação CE

A esta irregularidade técnica, o modelo Thermiket GSC TK-CLA10PRE-GLP junta outros dois problemas. Por um lado, não exibe qualquer marcação CE, obrigatória na generalidade dos equipamentos comercializados na União Europeia. Ou seja, sem esta marcação, este modelo jamais poderia estar à venda em Portugal ou noutro país europeu. Por outro, o dispositivo que deveria controlar a correta exaustão de gases queimados atua tarde de mais. A norma determina que deveria ser acionado ao fim de oito minutos, cortando o fornecimento de gás ao aparelho. Nos equipamentos que testámos deste modelo, o mecanismo só funcionou passados nove minutos. Os resultados obtidos nas unidades testadas indiciam o incumprimento do que está estipulado nas regras básicas de segurança estabelecidas na diretiva comunitária dos aparelhos de aquecimento de água que funcionam a gás.

Os esquentadores que falharam o nosso teste

Esquentadores atmosféricos de exaustão natural

EDESA AQUALUX-11 PN: Aumento da concentração de dióxido de carbono (CO2) em 0,39% e 0,66%, ambas as medições acima do limite imposto para o teste de estanquidade.

 

Please fill the source and the alt text 
FAGOR FEP-11 DL N: Aumento da concentração de dióxido de carbono (CO2) em 0,37% e 0,65%, ambas as medições acima do limite imposto para o teste de estanquidade.

 

 

 
THERMIKET GSC TK-CLA10PRE-GLP: Aumento da concentração de dióxido de carbono (CO2) em 0,65% e 0,95%, ambas as medições acima do limite imposto para o teste de estanquidade. Falha no dispositivo de controlo da saída dos produtos de combustão e ausência de marcação CE.

 

 

  

 

Esquentadores ventilados

FAGOR FEC-11 TF DL N: Aumento da concentração de dióxido de carbono (CO2) em 1,5% e 1,7%, ambas as medições acima do limite imposto para o teste de estanquidade.

 

 

 

VAILLANT atmoMAG plus PT 11-4/0 E H: Aumento da concentração de dióxido de carbono (CO2) em 1,1% e 1,4%, ambas as medições acima do limite imposto para o teste de estanquidade.

 

 

 

EDESA AQUALUX-11TFN: Aumento da concentração de dióxido de carbono (CO2) em 1,1% e 1,3%, ambas as medições acima do limite imposto para o teste de estanquidade.

 

 

Ver outros produtos perigosos

Como saber se há fuga de produtos de combustão no esquentador?

Partindo do pressuposto de que, a existir fuga, esta será no aparelho e não na tubagem de exaustão, é possível fazer um teste caseiro usando uma faca de cozinha, uma colher ou um espelho. Arrefeça-os no congelador e coloque-os junto à cúpula do esquentador: se houver vapor condensado, ou seja, se embaciarem, é sinal de que há saída de gases de combustão. Também poderá recorrer aos serviços técnicos da marca, a uma entidade inspetora ou a uma empresa instaladora (veja a listagem de entidades e empresas no site da Direção-Geral de Energia e Geologia) para que inspecionem a instalação de gás e o correto funcionamento dos aparelhos.

Se fizer uma inspeção, corro o risco de ficar com o gás cortado? E essa vistoria tem custos?

Sim, caso sejam detetados problemas ou defeitos críticos na instalação, o fornecimento de gás poderá ser cortado até que a situação esteja resolvida. E, sim, vai ter de pagar a inspeção. Consulte a lista de entidades inspetoras no site da Direção-Geral de Energia e Geologia e peça vários orçamentos. Quem tiver aparelhos de queima (esquentadores e fogões) alimentados a gás butano ou propano pode recorrer, igualmente, aos serviços das entidades inspetoras e empresas instaladoras.

Conselhos de segurança

Aplicam-se a qualquer esquentador, mas são particularmente importantes se tiver dúvidas sobre o cumprimento dos requisitos de segurança pelo equipamento que tem em sua casa.

  1. Ventile bem a divisão onde o esquentador está instalado.
  2. Evite a presença de pessoas no local onde o esquentador estiver a operar.
  3. Quanto menos tempo o esquentador estiver ligado, menos gases de combustão serão libertados para o divisão, caso haja uma fuga na cúpula do aparelho.
  4. Se houver várias pessoas seguidas a tomar banho, tente arejar a divisão entre cada duche.
  5. No caso de o sistema de segurança do esquentador disparar, deverá verificar a instalação do aparelho. É sinal de que a exaustão não está a ser feita de forma correta ou adequada para o tipo de equipamento em questão. Nunca peça para desativarem os sistemas de segurança do esquentador. E certifique-se de que, se chamar um técnico a casa, este não o faz!
  6. Se suspeitar de uma fuga de gás (cheirar-lhe a gás ou sentir-se mal), desligue de imediato o esquentador e o gás e ventile a divisão o mais possível. Não acenda fósforos, nem isqueiros. Não ligue ou desligue interruptores, não utilize tomadas elétricas e não desligue o quadro elétrico de casa no disjuntor. Se o cheiro a gás for muito intenso, ligue imediatamente para os bombeiros.

Imprimir Enviar por e-mail