Dicas

Aquecimento portátil, ar condicionado ou caldeira a gás: qual o mais indicado para si?

28 agosto 2014
guia para o melhor aquecimento

28 agosto 2014

A altura do ano em que pretende climatizar a casa, o orçamento disponível e as condições da habitação são os principais aspetos a analisar. O nosso guia ajuda-o a decidir qual a melhor solução.

Início

Além dos três aspetos fundamentais na escolha do sistema de aquecimento para a sua casa, analise a eficiência energética da solução, os custos de manutenção e eventuais gastos extras na instalação.  

A instalação de ar condicionado e de caldeira a gás deve ser feita por técnicos credenciados.

Consumo energético: barato sai caro
Os aparelhos portáteis consomem muita energia. Como não conseguem controlar a temperatura, acabam por funcionar por mais tempo do que o necessário.

Para serem eficientes energeticamente, o ar condicionado e a caldeira a gás têm de estar bem dimensionados para a área a aquecer. Por exemplo, não é pelo facto de a caldeira ser mais potente que se poupará mais gás. Pelo contrário, nessas condições vai apresentar consumos energéticos superiores.

Não aconselhamos os aparelhos portáteis de ar condicionado. São caros e pouco eficientes a climatizar. Além disso, fazem muito barulho e o conforto de utilização é baixo. 

Não falhe a manutenção
Os aparelhos portáteis não exigem manutenção regular, mas o ar condicionado e a caldeira a gás sim. 

No ar condicionado, é recomendável limpar os filtros das unidades interiores pelo menos duas vezes por ano: no final no inverno e quando termina o verão. Se o fabricante indicar outra periodicidade, cumpra essas instruções. Regra geral, a revisão ao equipamento deve ser feita de 3 em 3 anos ou de acordo com as recomendações do fabricante. Isto para garantir que o gás está no nível correto e que o aparelho está limpo e desobstruído. 

As caldeiras, por funcionarem a gás, exigem mais cuidado. Respeite o plano de manutenção programado pelo fabricante e submeta o aparelho às verificações e controlos técnicos. Caso não tenha um plano estabelecido pelo fabricante, aconselhamos a fazer a revisão com um técnico credenciado a cada 1 a 2 anos. 

Além das revisões aos equipamentos, é preciso verificar periodicamente se a instalação do gás cumpre os níveis de segurança e se a exaustão dos gases queimados está a ser feita corretamente. Para este efeito também terá de contactar técnicos certificados. 

Custos extra na instalação
A existência ou não de pré-instalação de aquecimento central influencia muito o preço final da caldeira a gás. Caso a casa não esteja preparada, será necessário instalar tubagens e radiadores nas paredes, sistemas de controlo de funcionamento, entre outros. A complexidade destas obras varia muito de casa para casa.

Antes de avançar para esta solução, orçamente as obras necessárias, pois o custo total pode inviabilizar esta opção.