Notícias

Seguros: protecção contra quase todos os riscos

13 abril 2010 Arquivado

13 abril 2010 Arquivado

O Instituto de Seguros de Portugal proibiu as companhias e os mediadores de publicitar expressões como “seguro contra todos os riscos”.

A medida, em vigor a partir de 18 de Junho, visa impedir que os consumidores sejam induzidos em erro ao contratarem, por exemplo, o seguro facultativo do carro ou da mota: nenhum cobre todos os riscos.

A norma limita também o uso de expressões como “sem custos”, “sem encargos”, “oferta” e “presente”. Quando anunciar “condições mais vantajosas do mercado”, estas devem ser comprovadas.

A medida é positiva, mas insuficiente. Mais importante seria criar uma ficha de informação normalizada, a disponibilizar aos consumidores antes de contratarem um seguro, com as condições contratuais. Esse documento, idêntico ao que existe nos créditos à habitação e pessoal, facilitaria a comparação entre propostas e o controlo, pelo supervisor, da informação prestada pelas empresas.

Simule o seguro de responsabilidade civil automóvel ou o multirriscos-habitação mais barato para o seu perfil.