Primeiras impressões

Viajar de carro: aplicação reúne regras de trânsito da UE

28 agosto 2014 Arquivado

28 agosto 2014 Arquivado

Testámos a aplicação “Viajar para o estrangeiro”, com as principais normas de segurança rodoviária dos Estados-membros. É uma ferramenta fácil de usar, mas a informação deveria ser mais completa e exata.

Início

Recentemente lançada pela Comissão Europeia, a aplicação “Viajar para o estrangeiro” é útil para quem precisa de conduzir num dos 28 Estados-membros e desconhece a totalidade das regras. Porém, não é totalmente original, já que algumas das suas informações estão noutras ferramentas ou aparelhos de navegação. No nosso comparador pode explorar os sistemas GPS com essas características.

Pouca garantia de exatidão
Esta aplicação está disponível gratuitamente para as plataformas Android, iOS e Windows Phone.

Permite escolher um país e pesquisar informações sobre 9 temas: limites de velocidade, cinto de segurança, sinais luminosos, taxa de alcoolemia, substâncias psicotrópicas, vias de circulação reservada, capacete, telemóvel e outras situações (como o triângulo, o colete, o extintor e os pneus).

A Comissão Europeia deixa claro que a informação reunida na app é enviada pelos Estados-membros. Cada um é responsável pela exatidão e atualização das normas em função da sua realidade. Imagine que a aplicação indica um limite de velocidade de 120 km/h num país. Ao chegar, percebe que, afinal, só pode conduzir até aos 90 km/h (por exemplo, porque houve uma alteração, ainda não atualizada na app). O que conta são as regras do código da estrada vigente. Numa cláusula, a Comissão explica que, “em caso de conflito entre os dados fornecidos [pela app] e as regras em vigor num determinado país, prevalecem as últimas”. E acrescenta que “não assume qualquer responsabilidade pelo conteúdo e exatidão” das informações.

A aplicação inclui também jogos de viagens. O ícone “Opções” permite mudar o idioma e consultar os termos de limitação de responsabilidade.

Apesar da sua abrangência aos 28 países da União Europeia, a ferramenta falha nalguns dados importantes sobre a segurança rodoviária. Deveria incluir contactos úteis e dicas para os casos de acidente. Pode encontrar essa informação no nosso dossiê sobre férias sem perder os direitos. Além disso, há poucas explicações sobre as contraordernações, que são referidas apenas para 6 países e de forma pouco detalhada. Por exemplo, são mencionadas as multas e as penalizações que podem incidir sobre a carta de condução, mas não há explicações sobre como contestar.

Imprimir Enviar por e-mail