Primeiras impressões

Renault Zoe: 100% elétrico, mas só para algumas carteiras

01 dezembro 2013 Arquivado

Arquivado

O Renault Zoe chega este mês aos standes nacionais e nós já o conduzimos. O novo automóvel 100% elétrico da Renault satisfaz no conforto e impressiona na segurança. Mas prepare-se para fazer contas.

Autonomia elétrica

Com um motor elétrico de 88 cavalos, o Renault Zoe é alimentado por uma bateria de 22 kWh de capacidade útil. Baseado na plataforma do novo Renault Clio e com dimensões similares, o Renault Zoe é a aposta da marca francesa, depois do Twizy, do Fluence ZE e do Kangoo ZE. Foi concebido como o 2.º carro da família para quem não faz mais do que 50 km diários para o trabalho ou 100 km por motivos de autonomia.

Agradável para uma utilização diária, o Zoe garante uma autonomia de 100 a 150 quilómetros.
Agradável para uma utilização diária, o Zoe garante uma autonomia de 100 a 150 quilómetros.

A disposição da bateria é original: esconde-se debaixo dos assentos ao longo do carro e não rouba muito habitáculo. A carga pode ser feita com várias potências e tempos de carga, em postos públicos ou num terminal doméstico com wall-box, comprada à marca. No mapa Mobi-E (Mobilidade Elétrica) pode consultar com detalhe e precisão o local dos postos. Atualmente, existem 462 postos. O litoral centro e norte e o interior centro estão bem servidos. O Alentejo e o Algarve pecam pela escassez.

O Renault Zoe privilegia quem tem garagem. A rede elétrica doméstica não está preparada para abastecer diretamente o Renault Zoe, o que obriga a instalar a wall-box. Nesta fase, a marca assume a instalação.

O Renault Zoe recebe 5 ocupantes, mas a viagem não é tão confortável para os passageiros atrás.
O Renault Zoe recebe 5 ocupantes, mas a viagem não é tão confortável para os passageiros atrás.

A bateria pode ser carregada de 30 minutos a 9 horas, consoante a potência da estação de carregamento (entre 3 e 43 kW). O custo de uma carga completa rondará os € 3 a € 5 com a tarifa elétrica normal para uma autonomia de 100 a 150 quilómetros. No caso da bi-horária, pode fazer a festa com 2 euros. Parece muito? Para o mesmo trajeto terá de pagar o dobro em gasolina, mesmo com um carro poupado.

A Renault destaca que a maior autonomia do Zoe se deve ao sistema de recuperação de energia de nova geração, à utilização de uma nova bomba de calor e aos pneus Michelin Energy E-V concebidos para este veículo.

Para reduzir o custo de aquisição, a Renault adotou uma política de em que a bateria é alugada, num contrato renovável de 3 anos e 12 500 km anuais. Dá uma média de 50 quilómetros por dia útil. Aguardamos mais dados da Renault para revelar as condições no caso de quilometragem adicional e o prolongamento do contrato, depois dos 3 anos.

A bateria tem garantia ilimitada e deve ser substituída sem custos quando a capacidade de carga é inferior a 75% da inicial. O veículo tem 5 anos ou 150 000 km de garantia.