Primeiras impressões

Opel Ampera: revolução elétrica em marcha

14 fevereiro 2014 Arquivado

Arquivado

No Opel Ampera, o motor a gasolina faz de extensor de autonomia do motor elétrico, a sua força principal. Acaba-se o receio de ficar parado e a poupança seduz. Revelamos os pontos fortes e fracos após a primeira viagem.

Cockpit pouco funcional

O Opel Ampera permite quatro modos de condução: normal, sport, montanhas e retenção de carga. O sport aumenta a sensibilidade do acelerador. O modo montanha assegura energia da bateria para percursos com subidas prolongadas. O modo de retenção de carga preserva a eletricidade na bateria ativando o gerador a gasolina, útil para circular à conta da eletricidade quando for essencial, como em zonas com restrições às emissões.

Dentro da cabina, o cockpit do Opel Ampera impressiona, mas é pouco prático. Acabamos por nos habituar nem que para isso tenhamos de consultar o manual de instruções. Os pedais estão bem colocados e o botão de arranque bastante visível na consola central.

A caixa automática é sofisticada e recorre a um sistema inteligente e impercetível. O seletor é fácil de operar, simples e rápido.

 

 

Relatórios sobre o tipo de condução e a autonomia disponível em tempo real no ecrã policromático.
Relatórios sobre o tipo de condução e a autonomia disponível em tempo real no ecrã policromático.
Informações do fluxo de energia no ecrã tátil de 7 polegadas.
Informações do fluxo de energia no ecrã tátil de 7 polegadas.
Pode seguir o funcionamento e as combinações entre o motor térmico e a unidade elétrica.
Pode seguir o funcionamento e as combinações entre o motor térmico e a unidade elétrica.

Os dois monitores policromáticos ajudam na condução ecológica com informação em tempo real, mas obrigam a treino com aulas práticas. A consola central é povoada por inúmeros comandos. Para utilizá-los, o condutor tem de desviar o olhar da estrada.

Controlar o ar condicionado automático e o autorrádio são operações algo complicadas. Pode fazê-lo no volante ou através do ecrã tátil de 7 polegadas. Esta solução não é a mais amiga do utilizador. O porta-luvas é demasiado pequeno.

O sistema de navegação é rápido a ligar e fácil de utilizar. O rádio CD com navegação custa mais 1850 euros.
O sistema de navegação é rápido a ligar e fácil de utilizar. O rádio CD com navegação custa mais 1850 euros.