Primeiras impressões

Fiat Panda: bagageira impressiona, consumo desilude

24 setembro 2012 Arquivado

Arquivado

O Fiat Panda foi renovado dos pés à cabeça. Mais ágil e funcional, esta versão pretende afirmar-se como solução em tempo de crise. Revelamos os pontos fortes e fracos.

O essencial à vista

A visibilidade global é razoável. Para a frente, é excelente. Os espelhos exteriores são suficientemente largos para uma boa vista atrás.

O Fiat Panda é fácil de operar e não demoramos muito a habituar-nos ao centro das operações. O painel de instrumentos exibe toda a informação essencial. Os botões do autorrádio são simples de utilizar, exceto o controlo do volume. Também pode comandá-lo no volante. Os comandos dos vidros moram na consola central.

Fácil de manusear, a caixa de velocidades é muito precisa. Apenas hesita na hora de chamar a 5.ª velocidade. Os pedais estão bem colocados.

Os vidros das portas traseiras só abrem até meio, o que resulta numa fraca ventilação para os passageiros.

A bagageira é uma boa surpresa. Dispõe de 220 litros.
A bagageira é uma boa surpresa. Dispõe de 220 litros.
Com os bancos rebatidos, a capacidade duplica: passa a contar com 440 litros ao seu serviço.
Com os bancos rebatidos, a capacidade duplica: passa a contar com 440 litros ao seu serviço.