Primeiras impressões

Fiat Panda: bagageira impressiona, consumo desilude

24 setembro 2012 Arquivado

Arquivado

O Fiat Panda foi renovado dos pés à cabeça. Mais ágil e funcional, esta versão pretende afirmar-se como solução em tempo de crise. Revelamos os pontos fortes e fracos.

Arrumação original

A construção provoca uma boa impressão, mas os materiais plásticos são pouco interessantes. À frente, é muito fácil entrar e sair do carro. Atrás, o ângulo de abertura das portas pode ser melhorado.
Conforto e simplicidade em todos os comandos importantes.
Conforto e simplicidade em todos os comandos importantes.
No interior do Panda, quase tudo é quadrado. O volante só pode ser regulado em altura. Ajustar o banco do condutor exige mesmo algum músculo. Quatro membros da nossa equipa tentaram e todos se queixaram da mesma dificuldade. À frente, o joelho da perna direita do condutor está em contacto permanente com a consola à volta da caixa de velocidades.
No Fiat Panda abundam espaços de arrumação para todos os objetos essenciais.
No Fiat Panda abundam espaços de arrumação para todos os objetos essenciais.
A cabina frontal do Fiat Panda é alta e oferece o espaço suficiente para ocupantes até 1,95 m de altura. Atrás, há pouco espaço para os joelhos. Resultado: os passageiros com mais de 1,61 m tocam nos bancos da frente.
Atrás, os passageiros com mais de 1,61 m seguem viagem ao ritmo do toque dos joelhos nos bancos frontais.
Atrás, os passageiros com mais de 1,61 m seguem viagem ao ritmo do toque dos joelhos nos bancos frontais.