Primeiras impressões

Dacia Sandero: o indispensável a preço imbatível

31 dezembro 2013 Arquivado
dacia sandero

Arquivado

O Dacia Sandero é uma estrela em ascensão nas vendas. Muito espaçoso e com uma grande bagageira, destaca-se pelo preço imbatível. Com chave na mão, o novo Sandero custa desde 8990 euros.

Banda sonora indesejável

A bordo do Dacia Sandero medimos 72,5 decibéis, um registo demasiado elevado para o ruído interior. O pequeno turbo do motor é bem audível, assim como o vento durante a condução.

Com um desempenho satisfatório, exibe um arranque aceitável em rotações baixas. Em autoestrada, deixa-se levar pela corrente. A caixa de 5 velocidades é fácil de operar e revela uma precisão média. Qualquer movimento é acompanhado por uma banda sonora característica e o indicador das mudanças nem sempre recomenda as trocas mais acertadas.

Alimentado de série pelo mais recente motor de 3 cilindros e 90 cavalos da Renault.
Alimentado de série pelo mais recente motor de 3 cilindros e 90 cavalos da Renault.
A 100 km/h, o Dacia Sandero precisa de 39,5 metros para ficar totalmente imobilizado.
A 100 km/h, o Dacia Sandero precisa de 39,5 metros para ficar totalmente imobilizado.

O Dacia Sandero revela uma boa estabilidade da direção, mas as manobras ao volante exigem muito esforço e músculo. O diâmetro de viragem de 11,3 metros é demasiado amplo para um automóvel desta família. Também não apreciámos a resposta da direção em curvas mais rápidas.

A distância de travagem é excessiva. Mas os nossos técnicos apreciaram a estabilidade da direção. Na batalha dos consumos, em média, o Dacia Sandero gastou 5,7 litros de gasolina aos 100 quilómetros. Em autoestrada, a média disparou para 6,8 litros aos 100 quilómetros. Disponível na unidade ensaiada, o modo Eco ajudou a aumentar a eficiência, mas comprometeu o desempenho.