Primeiras impressões

BMW i3: o primeiro automóvel 100% elétrico da marca

Desempenho eletrizante

Espaçoso à frente, o BMW i3 exibe boas zonas de arrumação. No cockpit, destacam-se os dois ecrãs que substituem os instrumentos tradicionais de condução. O BMW i3 recebe condutor e passageiro até 1,93 m de altura, o que é um ótimo registo na categoria. Mas atrás só podem viajar 2 passageiros e até 1,76 m de altura. Falta espaço de pernas e liberdade de movimentos.
Nenhum centímetro do BMW i3 escapou ao exame.
Nenhum centímetro do BMW i3 escapou ao exame.
A ausência do pilar central não compromete a robustez do conjunto.
A ausência do pilar central não compromete a robustez do conjunto.
As portas traseiras permitem um elevado ângulo de abertura, mas a reduzida altura não facilita o acesso. No final de qualquer boleia, tem de abrir a porta da frente para abrir a traseira e assim possibilitar a saída de quem viaja apertado atrás. E atrás as portas não dispõem de vidro traseiro.
O BMW i3 recebe condutor e passageiro até 1,93 m de altura.
O BMW i3 recebe condutor e passageiro até 1,93 m de altura.
Mais medidas e tudo pronto para a prova de travagem.
Mais medidas e tudo pronto para a prova de travagem.

As provas de estrada contemplaram mais de 2 mil quilómetros com o BMW i3. Ao volante, contamos com 3 modos de condução: Confort, Eco Pro e Eco Pro+. O último limita mesmo a velocidade a 90 km/h. Ainda assim, no arranque, transmite a força de um desportivo, porque o motor elétrico debita 170 cavalos e tem rapidez imediata. Na prática, ganhar velocidade é mesmo muito fácil.

Na utilização diária, destacamos a direção muito leve e precisa, a par do reduzido diâmetro de viragem que medimos de 10 metros. A rodar a 100 km/h precisámos apenas de 35 metros para imobilizar totalmente o BMW i3, um dado impressionante nesta categoria ao nível da travagem. Por exemplo, entre a concorrência, o Renault Zoe precisa de quase 43 metros.

O ruído dentro do BMW i3 é reduzido. O zumbido do motor elétrico é mínimo e o único som vem da estrada em velocidades elevadas. Medimos 68,7 decibéis. O BMW i3 precisa de 7,2 segundos para acelerar dos 0 aos 100 quilómetros. E nas recuperações dos 60 aos 100 km/h, contámos apenas 3,6 segundos.

A bagageira é medíocre. Oferece apenas 205 litros de capacidade. Se rebater os bancos, passa a contar com 435 litros. Ora o Renault Zoe consegue muito melhor com 310 litros de mala útil. É debaixo da mala minúscula do BMW i3 que se esconde o motor elétrico. Numa tomada normal, demora 6 a 8 horas a carregar totalmente as baterias, o registo habitual da concorrência.

A mala não satisfaz. Se rebater os bancos, conta com 435 litros.
A mala não satisfaz. Se rebater os bancos, conta com 435 litros.
Visibilidade mínima garantida, mas pouco espaço atrás.
Visibilidade mínima garantida, mas pouco espaço atrás.
As baterias do BMW i3 garantem uma autonomia de 145 quilómetros. Se optar pela versão com motor a gasolina, duplica o raio de ação. Mas não satisfaz para viagens mais longas. Por exemplo, com um conceito idêntico, o Opel Ampera permitiu à nossa equipa viajar 700 quilómetros.