Notícias

Mini Clubman, o mais prático de sempre da marca

07 outubro 2016 Arquivado
Mini Clubman

07 outubro 2016 Arquivado
O desempenho seguro e o espaço à frente impressionam no Mini Clubman. Só a visibilidade e a mala destoam. Com motor a gasolina, custa desde 23 900 euros. A versão mais acessível a gasóleo começa nos 26 500 euros.

Início

No Mini Clubman, renascemos em cada manobra. As curvas e as linhas sedutoras do Mini Clubman impressionam crianças, jovens e maduros. Mas não chegam para convencer todos os consumidores. Viajámos mais de 3 mil quilómetros ao volante do Mini Clubman e o veredicto dos especialistas é favorável.

A Mini está na moda. Tornou-se famosa por conceber automóveis a rasgar todas as convenções. Este conceito também se aplica ao Mini Clubman com as portas de asa traseiras. Contudo, um olhar mais atento revela que o Clubman pode ser mais convencional do que parece. Ágil, mas mais consistente, também devido à maior distância entre os eixos das rodas. Se precisa de ajuda para escolher, siga o nosso teste a 273 automóveis.

 
O Mini Clubman é um bom automóvel: cumpre com sucesso os desafios da cidade e não só.
 
Na família Mini, o Clubman é o elemento mais versátil.
Para os fãs, a nova geração realça em definitivo a utilização diária com operações mais intuitivas (apesar de trazer inúmeros comandos), botões no sítio certo e o sistema de infoentretenimento i-Drive mais amigo do utilizador. A lista de opcionais é muito variada. Com tantas hipóteses de personalização, o preço pode ser demasiado elevado para um pequeno familiar.

A bordo, ligamos o carro como se fosse uma aeronave. O botão do start&stop é original ao acender uma luz vermelha e as pequenas alavancas das luzes interiores parecem brinquedos.

 
Exibe muitos comandos, mas as operações são simples.
 
Os pilares traseiros reduzem de modo significativo a visibilidade.

A visibilidade global não consegue melhor do que uma nota mediana. Os pilares, central e traseiro, são demasiado amplos. Fechadas, as portas em asa formam um pilar que cria um ângulo morto no campo de visão do condutor. O pequeno espelho interior proporciona uma visão muito limitada.

Na reta final de 2015, assistimos à estreia mundial do Mini Clubman no salão de Frankfurt. Foi amor à primeira vista. Mas em solo lusitano a relação não começou bem. Na Av. de Berna, em Lisboa, sofremos um embate traseiro, cuja melodia ecoa na memória. Tudo foi acertado pelas seguradoras e tínhamos ali a primeira prova. O Mini Clubman resistiu sem ferimentos graves. Apenas a panela de escape ficou a dançar.


Imprimir Enviar por e-mail