Notícias

Mazda CX-5: motor turbodiesel 2.2 cumpre as promessas

11 outubro 2012 Arquivado

Arquivado

O motor a gasóleo 2.2 com 150 cavalos e a segurança são os principais trunfos do Mazda CX-5. Espaçoso e confortável, este modelo custa desde 31 450 euros e a fatura dispara por cada extra no equipamento.

Prioridade ao condutor

Numa primeira impressão, destaca-se a boa construção, a robustez e a montagem rigorosa da estrutura com bons acabamentos e junções sem folgas.

É fácil entrar e sair do Mazda CX-5 e o acesso aos bancos traseiros é simples.

Volante multifunções no Mazda CX-5.
Volante multifunções no Mazda CX-5.

Ao volante descobrimos as principais credenciais do Mazda CX-5. Com uma posição de condução estudada ao milímetro, o punho da caixa parece baixinho.

No interior do Mazda CX-5, o cockpit é claro e proporciona operações intuitivas. Se nunca conduziu um Mazda, não se inquiete. A familiarização com o painel de instrumentos é rápida.

No sistema de navegação, inserir um destino leva o seu tempo.
No sistema de navegação, inserir um destino leva o seu tempo.

O ecrã indica a mudança em exercício. A consola central exibe uma disposição clara. Os sistemas de rádio e navegação surgem numa posição bem elevada e são fáceis de alcançar. As operações podem ser feitas através do ecrã tátil de 5,8 polegadas.

O controlo da unidade do ar condicionado é claro e funcional, mas está situado numa posição muito baixa, pelo que a utilização pode distrair durante a condução.

Na escuridão da condução noturna, os controlos essenciais são fáceis de encontrar.

Construção, ergonomia e posição de condução exemplares.
Construção, ergonomia e posição de condução exemplares.

O volante pode ser ajustado em altura e profundidade e a colocação dos pedais é perfeita. Os comandos manuais para ajuste dos bancos são fáceis de alcançar. Servido como extra, o Cruise Control é comandado através do volante.

O botão do sistema start/stop está ligeiramente escondido pelo volante, mas é fácil de encontrar.