Notícias

Automóveis: queremos modelos mais seguros para todos

Anatomia do choque frontal

Os consumidores exigem informação comparativa, rigorosa e fiável sobre a segurança dos modelos. Um dos objetivos do Latin NCAP é incentivar os fabricantes a superar os requisitos mínimos.

No teste de colisão, o impacto frontal ocorre a 64 km/h. O veículo embate de frente contra uma barreira deformável descentrada. As leituras obtidas a partir dos dummies são utilizadas para avaliar a proteção oferecida aos passageiros adultos na parte da frente do veículo. O carro embate contra um bloco imóvel adaptado com uma face de alumínio deformável. Este impacto simula o acidente mais frequente que provoca lesões graves ou mortais. Simulamos que 40% do carro bate contra a barreira. Podemos avaliar a capacidade do automóvel absorver impactos sem danos para os ocupantes.

Quando ocorre, o contacto entre o passageiro e as partes intrusivas do habitáculo representa a principal causa de lesões graves e fatais, mesmo em adultos com o cinto.

Na maioria dos carros, o sistema de retenção não evita o impacto dos joelhos dos ocupantes contra a parte inferior do painel. O Latin NCAP promoveu a remoção de estruturas perigosas destas áreas e a redução dos níveis de intrusão da área dos pés e um maior controlo sobre a zona dos pedais.

Condutores de serviço
Os nossos dummies protagonizam dezenas de colisões. Temos assim uma ideia completa das lesões produzidas. E nunca enganam: os dummies contam tudo o acontece na colisão.

Cabeça
A cabeça é feita de alumínio e coberta de borracha. Dentro da cabeça, há três acelerómetros. Cada um contribui com dados sobre a força e as acelerações às quais o cérebro é submetido no choque.

Pescoço
Apresenta dispositivos de medida para detetar as forças de tensão, torção e flexão sobre o pescoço, assim que a cabeça se movimenta para a frente e para trás no impacto.

Braços
Nenhum dos braços contém instrumentos. Os braços mexem-se de maneira incontrolável e, embora as lesões graves não sejam comuns, é difícil protegê-los de maneira eficiente.

Peito
As costelas de aço do dummy contam com equipamento que regista o estrago no impacto frontal. Por exemplo, a força exercida pelo cinto de segurança contra o peito pode produzir lesões.

Perna
As células de carga no fémur contribuem com dados em impactos frontais e incluem a articulação do quadril que pode sofrer fraturas e deslocamentos.

Os instrumentos incluídos nas pernas do dummy medem a flexão, torção, compressão e tensão, permitindo avaliar o risco de lesões na tíbia e no perónio.

Pés e tornozelo
A avaliação de risco de lesão no caso de impacto frontal é realizada através da medição posterior da distorção e do movimento da área para os pés do condutor.

Os fabricantes sabem do teste?
Sim. Depois de selecionar um carro, avisamos o fabricante e convidamo-lo a assistir ao teste. Apresentamos os resultados ao fabricante antes de publicá-los, para que possa responder e prestar explicações. A decisão final é nossa. No Brasil, os fabricantes já solicitam o teste aos seus novos modelos, para receberem uma avaliação independente sobre a segurança passiva e depois partilharem junto dos consumidores, como fator de escolha. Esta prática já é comum há muitos anos na Europa e nos Estados Unidos.